Versão Beta

Cerca

Vatican News
Mãos em oração Mãos em oração  (AFP or licensors)

O mundo inteiro reza com o Papa pela RD Congo e Sudão do Sul

Dia de recolhimento e jejum não só nos dois países africanos. Encontros ecumênicos e solidariedade em todas as partes do mundo.

Cidade do Vaticano

O convite do Papa Francisco à oração e ao jejum pele paz na República Democrática do Congo e no Sudão do Sul para esta sexta-feira foi acolhido pelas conferências episcopais de todo o mundo, a partir precisamente dos dois países aos quais o evento é dedicado. No Congo, conforme relata a Agência Fides, os bispos elaboraram um programa para todas as comunidades religiosas e paróquias. Além da oração da liturgia das horas e da Missa do dia, da oração do Terço e da Adoração Eucarística, será organizada uma Via Sacra e uma oração ecumênica com as outras confissões cristãs. Convidados à oração também os capelães das escolas, que celebram com seus alunos e professores.

Orações ecumênicas no Sudão do Sul

 

No Sudão do Sul, a oração será realizada na catedral da capital, Juba, onde o arcebispo da cidade, Dom Paulino Lukudu Loro convidou a participar também os fiéis muçulmanos fiéis e de outras confissões cristãs, principalmente presbiterianos e anglicanos. O dia da oração “é uma iniciativa muito bonita e significativa”, explicou a Vatican News o padre comboniano Raimundo Rocha, durante sete anos missionário no sul do Sudão, “porque se espera que através desta e de outras iniciativas desse tipo, finalmente, possamos alcançar a paz e estabilidade nesses dois países que sofrem tanto por causa da violência”.

Dois países devastados pela violência

 

No Sudão do Sul a guerra civil estourou dois anos e meio após a independência em 2011 e causou até agora mais de cem mil mortes e milhões de pessoas deslocadas. Na República Democrática do Congo, a instabilidade política devido à recusa do ex-presidente Joseph Kabila de deixar o cargo e convocar novas eleições se acrescentou as violências com grupos armados das regiões do Kivu oriental. Quatro milhões de pessoas deslocadas, enquanto são contínuos os sequestros de civis e de sacerdotes.

A solidariedade das outras Igrejas africanas

 

Proximidade e participação também vieram das outras confederações episcopais africanas. Os Bispos de Benin expressaram sua proximidade “emocional e espiritual” para com a Igreja e o povo congolês, “assegurando suas orações para que Deus conceda a paz a essa nação ferida por tantos anos de instabilidade política”. No Togo, os bispos convidaram os fiéis a estarem em comunhão com o Papa e a pedir a Deus a conversão dos corações daqueles que são responsáveis pelo que acontece na RDC e no Sudão do Sul. Solidariedade também das igrejas da Costa do Marfim, Gana e Burkina Faso-Niger, que já no dia 21 de fevereiro tinham condenado a repressão das manifestações anti-Kabila dos últimos meses.

O dia da oração na Índia e na América do Sul

 

Na América Latina, a Nunciatura de Caracas, na Venezuela, organizará um encontro ecumênico com as outras confissões cristãs na qual se rezará pela paz também para este país sul-americano, atingido por uma séria crise política e econômica. Na Argentina, a Nunciatura convidou todos os bispos do país e os fiéis a unirem-se na oração, invocando a conversão dos corações “daqueles que guiam as nações” que precisam de paz. Na Índia, encontros de oração e momentos de jejum envolveram não só os cristãos, mas também os fiéis hindus e muçulmanos, conforme desejado pelo Papa Francisco.

Brasil

 

No Brasil diversas Dioceses  e comunidades responderam ao apelo do Santo Padre, organizando vigílias, momentos de adoração e orações, além de celebrações de Missas.

Dom Airton José dos Santos, Arcebispo Metropolitano de Campinas, havia divulgado um comunicado onde exortava os fiéis a tomarem parte neste dia, “cada um de nós, onde Deus nos colocou, vamos dar este testemunho de fé e de esperança, através de nosso jejum e de nossa oração, oferecidos em favor dos irmãos que estão sofrendo no Congo e no Sudão do Sul. Invocamos a proteção de Nossa Senhora da Conceição, Mãe de Deus e nossa Mãe, sobre todos os que sofrem perseguições por causa da justiça e sobre os que são obrigados a vagar procurando refúgio. Envio a todos uma especial bênção”. 

Em comunhão com o Papa Francisco, a Paróquia Nossa Senhora da Piedade, no bairro do Éden, Sorocaba, São Paulo, iniciou o dia de Oração e Jejum pela Paz com a Celebração Eucarística, que tem o caráter penitencial do tempo da Quaresma. Dentro da celebração foi realizada uma pequena caminhada nas ruas em torno da igreja. A Missa foi presidida pelo pároco, Pe. Ricardo Cirino Vaz, que logo no inicio da celebração recordou os motivos deste dia convocado pelo Papa. A programação teve continuidade às 15h, com o terço com os movimentos marianos da paróquia.

Às 15h os movimentos marianos da paróquia e o Apostolado da Oração se reuniram no Centro social para a oração do terço e os salmos. A Legião de Maria, Apostolado da Oração, Terço dos Homens, Movimento de Nossa Senhora de Fátima e Movimento da Mãe e Rainha ajudaram a contemplar os mistérios dolorosos. 

Uma caminhada do Bairro do Éden até o Iporanga marcou o início do anoitecer. Cerca de 80 pessoas caminharam até a Comunidade São Vicente que acolheu todas as outras comunidades onde às 19:30 foi celebrado o Ofício pela Paz dentro da Celebração Eucarística, presidido pelo pároco, Pe. Ricardo, o dia de Jejum foi encerrado com a partilha fraterna de um caldo de abobrinha e um creme de mandioquinha no final da celebração. 

 

 

23 fevereiro 2018, 16:16