Versão Beta

Cerca

VaticanNews
Novo presidente dos bispos indianos, cardeal Oswald Gracias Novo presidente dos bispos indianos, cardeal Oswald Gracias 

Card. Gracias eleito presidente dos bispos indianos: prioritária inclusão dos dalits

"Devemos trabalhar por uma maior sabedoria, uma sabedoria moral e espiritual, mas também para incrementar nossa contribuição e ser mais eficazes no serviço ao país e à população", declarou o purpurado.

Cidade do Vaticano

O arcebispo de Bombay, cardeal Oswald Gracias, foi eleito novo presidente da Conferência dos Bispos Católicos da Índia (CBCI), que reúne os pastores de rito latino, siro-malabarense e siro-malankarense. A eleição deu-se durante os trabalhos da assembleia plenária realizada em Bangalore, sul do país asiático.

Bispos indianos ao lado dos dalits

O purpurado sucede o cardeal Baselios Cleemis Thottunkal, arcebispo-mor de Trivandrum dos siro-malankarenses, que guiava o organismo desde 2014. O cardeal Gracias, que ficará no cargo por quatro anos, é também presidente da Conferência dos Bispos Latinos da Índia (CCBI), bem como da Conferência da Federação dos Bispos da Ásia. (FABC).

Manter vitalidade da Igreja na Índia

“A Igreja católica na Índia é vibrante, dinâmica e devemos mantê-la vital. Devemos trabalhar por uma maior sabedoria, uma sabedoria moral  e espiritual, mas também para incrementar nossa contribuição e ser mais eficazes no serviço ao país e à população”, declarou o purpurado à agência AsiaNews.

Os cristãos representam na Índia cerca de 2,3% da população total, ou seja, 27 milhões e 800 mil, dos quais 19 milhões de católicos. Apesar do número exíguo, eles são promotores do desenvolvimento social. 25% do sistema educacional é administrado pela Igreja católica, um “exército de voluntários cristãos” oferece 20% dos cuidados médicos.

Promoção e defesa da vida e da condição social dos dalits

Durante os trabalhos os bispos reiteraram seu compromisso e envolvimento na promoção e defesa da vida e da condição social dos dalits (“os intocáveis”). Na Índia, cerca de 200 milhões de dalits vivem até hoje nos vilarejos, em sua maior parte, como camponeses sem terra.

Os prelados recordaram que a Igreja não somente deve promover programas de desenvolvimento e inclusão social dos dalits, mas é chamada a dar início a “uma compreensão mais profunda das causas de discriminação e exclusão dos dalits cristãos no seio da Igreja, da sociedade e do Estado”.

Remover discriminação entre castas

Nesse sentido, o episcopado comprometeu-se a solicitar às instituições educacionais católicas que criem espaços para os estudantes dalits menos favorecidos, a tomar iniciativas voltadas a promover os direitos e o desenvolvimento dos dalits e a remover todo e qualquer resquício de discriminação por castas.

Falando à assembleia dos bispos, o docente de estudos religiosos do Instituto teológico jesuíta de Chennai, Pe. A. Maria Arul Raja, S.J., observou que a Igreja, “embora promova o poder do Evangelho, a justiça compassiva e a igualdade dada pelo Senhor Jesus Cristo, caiu sob o peso violento da cultura de casta”, com a simples desculpa fatalista de que o sistema de castas não pode ser eliminado.

Dalits cristãos sofrem ulteriores injustiças baseadas na fé que professam

Segundo o religioso jesuíta “os dalits de religião hindu sofrem discriminações, mas os dalits cristãos sofrem ulteriores injustiças baseadas na fé deles. Estes não são admitidos nos programas de assistência promovidos pelo governo, disponíveis para os dalits hindus, sikhs ou budistas”.

É o que determina uma disposição presidencial publicada em 10 de agosto de 1950: por este motivo a Conferência episcopal indiana há tempo designou 10 de agosto “dia sombrio”, convidando a organizar reuniões, debates, vigílias de oração e outras formas de protesto para mostrar apoio e solidariedade aos dalits cristãos e muçulmanos que sofrem a injustiça de ver negados seus direitos legais.

Domingo de Libertação dos Dalits

Ademais, os bispos católicos se uniram ao Conselho Nacional de Igrejas na Índia, que reúne as denominações protestantes, para instituir e celebrar o Domingo de Libertação dos Dalits, que cai no segundo domingo de novembro, no qual os dalits fazem passeatas nas cidades de todo o país, apoiados em sua luta pelos direitos humanos.

Segundo Pe. Raja os dalits cristãos são gratos e se sentem confortados “ao ver o episcopado indiano caminhar ao lado deles com um compromisso pastoral criativo”.

(“L’Osservatore Romano” - Fides)

09 fevereiro 2018, 19:19