Versão Beta

Cerca

VaticanNews
Migrantes na fronteira com o Líbano reunidos para repatriação Migrantes na fronteira com o Líbano reunidos para repatriação  (AFP or licensors)

A paz tem de ser exercida em relação aos migrantes e refugiados

O apelo foi lançado pelo Cardeal Patriarca de Lisboa na Missa de Ano Novo que assinalou o 51º Dia Mundial da Paz

Domingos Pinto – Lisboa

O apelo foi lançado pelo Cardeal Patriarca de Lisboa na Missa de Ano Novo que assinalou o 51º Dia Mundial da Paz.

Uma eucaristia na igreja paroquial da Benedita,(Alcobaça), no Patriarcado de Lisboa, onde D.  Manuel Clemente apresentou a mensagem do Papa Francisco para esta Jornada, centrada no tema “Migrantes e refugiados: homens e mulheres em busca de paz”.

Na sua homilia, o Cardeal Patriarca disse que:

“ A paz tem de ser exercitada em relação a quem chega de fora por razões de pura sobrevivência, transformando a sociedade numa grande família ”

“Alargando as nossas famílias a esta grande família em que a sociedade se deve tornar para os de cá e para os que nos procuram, nós recebemos a paz, oferecemos a paz e crescemos na paz”, disse D. Manuel Clemente que lembrou os 250 milhões de migrantes, efetivamente “uma multidão”, “mal recebidos, mal acolhidos, mal acompanhados”.“Temos de ser os primeiros agentes e colaboradores desta pacificação e também com as etapas com que o próprio Deus a exerceu no mundo: fazendo-se um de nós, em Jesus Cristo, crescendo numa família, alargando-se nesta família a que todos pertencemos, os batizados”, frisou D. Manuel Clemente.

Para o Cardeal Patriarca de Lisboa, “um acolhimento reforçado dos emigrantes e refugiados” é fundamento da paz em todas as sociedades.

De Lisboa, o nosso correspondente Domingos Pinto.

Compartilhe
03 janeiro 2018, 15:47