Versão Beta

Cerca

VaticanNews
Fiel indiana reza na Igreja St Paul, em Amritsa,r no dia de Natal Fiel indiana reza na Igreja St Paul, em Amritsar, no dia de Natal  (AFP or licensors)

Natal mais violento para cristãos na Índia

Este último Natal foi o que mais registrou ataques contra as comunidades cristãs na Índia, provocando medo e insegurança. A maior parte das agressões foi provocada por nacionalistas hinduístas

Cidade do Vaticano

As comunidades cristãs na Índia sofreram ao menos 23 ataques por motivos religiosos durante o período de Natal, o que provocou medo e insegurança entre os fiéis.

Entre os episódios mais graves, a invasão de uma celebração de Natal autorizada em Rajasthan por 20 militantes nacionalistas hinduístas, que provocaram e insultaram os fiéis.

Em Madhya Pradesh, outro incidente envolveu 30 católicos que cantavam hinos de Natal.

Depois deste ataque, o presidente da Conferência Episcopal indiana, cardeal Baselios Cleemis, declarou que “a confiança dos cristãos indianos no governo está desaparecendo”.

Os cristãos pedem respeito pela Constituição, que garante a liberdade de religião.

Os extremistas hinduístas tem se tornado mais audazes nos últimos meses: “Este foi um dos períodos de Natal mais violentos da história recente para os cristão na Índia”, afirmou o purpurado.

 

Nacionalismo hinduísta

 

Já o Vishwa Hindu Parishad Vhp (“Conselho Mundial Hinduísta”), um dos maiores grupos nacionalistas hinduístas, decidiu intensificar a sua campanha de “ghar wapsi” (“retorno à casa”), reconvertendo pela força ao hinduísmo os dalits cristãos.

Eles sustentam que há um aumento de conversões forçadas em toda a Índia, provocadas sobretudo por cristãos.

Em recente encontro realizado em Orissa, sul da Índia, o Vhp condenou “a disseminação das conversões dos hinduístas sob pressão, engano e intimidações” em todo o país.

Segundo a organização, os missionários cristãos e as organizações muçulmanas enviam dinheiro do exterior para a Índia, adotando vários métodos para atrair ou obrigar os hinduístas, especialmente dalits e tribais, a converterem-se, colocando em risco “a própria existência dos hindus”.

 

Aumento da população muçulmana

 

O Vhp observa que “a população muçulmana está se expandindo em um ritmo mais veloz do que a população hinduísta e em 2050 a Índia terá a maior população muçulmana do mundo”, levando ao aumento do “perigo jihadista”.

“Os jihadistas – afirmam -  estão em aumento em Estados como Bengala e Kerala, graças à política adotada pelos partidos no poder”.

 

Pluralismo da sociedade indiana sob ataque

 

As acusações dos grupos radicais hinduístas são refutadas por intelectuais e observadores que as definem como “pretextos para atacar cristãos e muçulmanos na Índia”.

“Mais do que os cantos e as festividades de Natal, o que está sob ataque é o pluralismo da sociedade indiana”, declarou à Fides Ram Puniyani, ativista para os direitos humanos.

“A abordagem dos grupos extremistas hinduístas deve ser combatida com decisão, por meio de princípios democráticos”, defendeu por sua vez John Dayal, escritor e ativista católico.

(Agências Fides)

04 janeiro 2018, 19:01