Cerca

Vatican News

A Basílica Menor de Santa Sofia, em Roma

O Papa Francisco visita a Basílica de Santa Sofia na tarde de domingo. Presentes, entre outros, Sua Beatitude Svjatoslav Ševčuk, Arcebispo Mor de Kyiv-Halyč.

Jackson Erpen – Cidade do Vaticano

Na tarde de domingo, 28 de janeiro, o Papa Francisco visita a Basílica ucraniana de Santa Sofia.

Localizada na Via Boccea, em Roma, foi construída por desejo do Arcebispo Mor da Igreja ucraniana Greco-católica, o Cardeal Josyph Slipyj (1892- 1984).

Após seu retorno dos cárceres siberianos em 1963, o Cardeal começou a recolher fundos para construir em Roma uma igreja para a comunidade greco-católica ucraniana.

O projeto da Basílica é obra do arquiteto italiano Lucio di Stefano, que inspirou-se na planta original da Basílica de Santa Sofia de Kiev, construída em estilo neobizantino, com cinco cúpulas e três naves.

A construção teve início em junho de 1967 e foi concluída em setembro de 1969.

A Basílica foi consagrada em 27-28 de setembro de 1969 por Dom Josyph Slipyj, dezessete bispos e pelo Papa Paulo VI, ocasião em que foi inaugurado o mosaico do altar, realizado pelo famoso artista ucraniano Sviatoslav Hordynsky.

Sob o altar maior foram colocadas as relíquias do Papa Clemente I, transferidas da Basílica de São Clemente em Latrão.

A Basílica é dedicada à Divina Sabedoria.

Em 1985 o Papa João Paulo II concedeu a ela o título cardinalício de “Santa Sofia na Via Boccea”.

Seu primeiro titular foi  Dom Myroslav Ivan Liubačivs'kyj , sucedido por Dom Liubomyr Huzar.

 Em 1998 a igreja foi elevada à Basílica Menor.

O interior do templo é totalmente revestido por mosaicos. A decoração artística do prédio, em particular os mosaicos e vitrais, foi projetada por Sviatoslav Hordynsky. Os mosaicos são obra da escola de Marcus Tullius Monticelli.

No altar maior encontra-se o mosaico da Divina Sabedoria e da Santa Eucaristia, enquanto a cátedra episcopal é adornada pelo brasão do Patriarca Josyph , com o lema “Per aspera ad astra”.

Da abside direita se tem acesso à Sacristia, enquanto que a abside esquerda custodia o mosaico da Virgem Orante.

Na cúpula é representado o Cristo Pancreator, rodeado por anjos e arcanjos.

O cardeal Slipyj  cuidou pessoalmente do programa iconográfico da decoração da Basílica, que hoje narra aos visitantes a história da Ucrânia.

No plano inferior está a cripta, onde estão sepultados alguns bispos, entre os quais Dom Stepan Chmil.

O cardeal Josyph Slipyj já esteve sepultado no local. Mas com o fim da União Soviética, quando a Ucrânia obteve sua independência, seus restos mortais foram trasladados para a Catedral de São Jorge, de Lviv, e colocados ao lado da sepultura do metropolita Andrej Sheptyckyj.

26 janeiro 2018, 11:59