Cerca

Vatican News
No Texas, 26 pessoas foram mortas em igreja batista No Texas, 26 pessoas foram mortas em igreja batista  (2017 Getty Images)

Após massacres, Igreja nos EUA volta a pedir proibição do porte de armas

Bispos dos EUA reiteram sua contrariedade ao porte de armas e pedem medidas para deter a violência

Washington 

A Igreja nos Estados Unidos voltou a pedir um “debate verdadeiro” sobre a violência e, em especial, sobre o uso e a liberdade de venda de armas de fogo.

O pedido da Conferência Episcopal foi motivado pelo recente ataque à igreja batista de Southerland Springs, no Texas, que domingo passado causou a morte de 26 pessoas. Um mês atrás, em Las Vegas, outro massacre fez 59 vítimas durante um concerto.

No site dos bispos estadunidenses, o Presidente da Comissão para a Justiça e o Desenvolvimento Humano, Dom Frank J. Dewane, exorta os líderes políticos a abrirem uma discussão “séria e profunda” sobre o porte de armas.

Esta é uma batalha histórica da Igreja local, que pede para proibir ou pelo menos regulamentar de maneira mais restritiva a venda de armas.

“Por muitos anos, os bispos dos Estados Unidos solicitaram aos nossos líderes que adotassem políticas razoáveis para contribuir a limitar a violência das armas”, escreve Dom Dewane. E os “eventos chocantes de Las Vegas e de Southerland Springs lembram quantos danos as armas podem causar”.

O Bispo defende que uma questão desta complexidade não pode ser resolvida somente com a adoção de medidas legislativas. Todavia, acrescenta, “os nossos líderes devem se empenhar num debate verdadeiro sobre as medidas necessárias para salvar vidas e tornar as comunidades mais seguras”.

Por sua vez, reitera Dom Dewane, “a Conferência Episcopal continua a pedir uma proibição total do porte de armas”.

09 novembro 2017, 12:19