Versão Beta

Cerca

VaticanNews
No Texas, 26 pessoas foram mortas em igreja batista No Texas, 26 pessoas foram mortas em igreja batista  (2017 Getty Images)

Após massacres, Igreja nos EUA volta a pedir proibição do porte de armas

Bispos dos EUA reiteram sua contrariedade ao porte de armas e pedem medidas para deter a violência

Washington 

A Igreja nos Estados Unidos voltou a pedir um “debate verdadeiro” sobre a violência e, em especial, sobre o uso e a liberdade de venda de armas de fogo.

O pedido da Conferência Episcopal foi motivado pelo recente ataque à igreja batista de Southerland Springs, no Texas, que domingo passado causou a morte de 26 pessoas. Um mês atrás, em Las Vegas, outro massacre fez 59 vítimas durante um concerto.

No site dos bispos estadunidenses, o Presidente da Comissão para a Justiça e o Desenvolvimento Humano, Dom Frank J. Dewane, exorta os líderes políticos a abrirem uma discussão “séria e profunda” sobre o porte de armas.

Esta é uma batalha histórica da Igreja local, que pede para proibir ou pelo menos regulamentar de maneira mais restritiva a venda de armas.

“Por muitos anos, os bispos dos Estados Unidos solicitaram aos nossos líderes que adotassem políticas razoáveis para contribuir a limitar a violência das armas”, escreve Dom Dewane. E os “eventos chocantes de Las Vegas e de Southerland Springs lembram quantos danos as armas podem causar”.

O Bispo defende que uma questão desta complexidade não pode ser resolvida somente com a adoção de medidas legislativas. Todavia, acrescenta, “os nossos líderes devem se empenhar num debate verdadeiro sobre as medidas necessárias para salvar vidas e tornar as comunidades mais seguras”.

Por sua vez, reitera Dom Dewane, “a Conferência Episcopal continua a pedir uma proibição total do porte de armas”.

09 novembro 2017, 12:19