Busca

Vatican News
Campanha eleitoral em Abidjan (Costa do Marfim) Campanha eleitoral em Abidjan (Costa do Marfim)  (AFP or licensors)

Costa do Marfim. Bispos pedem clemência para detidos em prisão preventiva

É "um acto de clemência e misericórdia, em nome da dignidade humana" aquilo que a Comissão Episcopal de Justiça, Paz e Meio Ambiente da Costa do Marfim pede às autoridades nacionais: conceder perdão aos detidos que estão sob custódia cautelar na prisão.

Cidade do Vaticano

O apelo foi lançado no dia 11 de abril, Domingo da Divina Misericórdia, e também Dia Nacional dos Presos. Saudando “todos os esforços, as iniciativas e as acções recentemente realizadas no País pelas autoridades políticas e religiosas para a pacificação social”, com uma mensagem a Igreja Católica pede, no entanto, a todas as partes envolvidas para que “enfrentem as condições de vida nos cárceres e estabelecimentos prisionais”, na maior parte dos quais “se sofre de preocupante sobrelotação”.

Oiça aquia reportagem e partilhe

Além disso, esta difícil situação, sublinha a mensagem, infelizmente se generalizou em todo o País, devido às numerosas crises políticas que levam a detenções e condenações. Com efeito, a 31 de outubro de 2020 realizaram-se as eleições presidenciais, precedidas e seguidas de tensões e confrontos violentos que causaram dezenas de mortos e feridos, bem como consideráveis ​​danos materiais. Mas nos últimos vinte anos, a Costa do Marfim também viu dois conflitos civis, entre 2002 e 2003 e entre 2010 e 2011.

Dignidade humana deve ser preservada

Um caso emblemático, continua a Comissão Episcopal, é o da "Casa de detenção de Abidjan, cuja capacidade original é de 2 mil reclusos mas que, ao invés, já conta com mais de 7 mil". Situações semelhantes se encontram nas prisões de Daloa, Man, Soubré e Bondoukou, com o resultado de "minar gravemente a dignidade da pessoa humana, que pelo contrário deve ser preservada em todos os momentos e em todas as circunstâncias".

Faltam estruturas de formação e aprendizagem nas prisões

E não só: a Igreja Católica de Abidjan sublinha que em quase todas as prisões nacionais “faltam estruturas de formação e aprendizagem, para ajudar os reclusos a reintegrar-se na sociedade depois da sua libertação”. Como “parceira espiritual e social do Estado”, portanto, a Igreja deseja “participar mais em actividades que criem condições de vida digna para os nossos irmãos e irmãs na prisão”.

Conversão e arrependimento para os presos

E dirigindo-se, em seguida, aos próprios presos, os Bispos os exortam "à conversão e ao arrependimento", seguindo o exemplo do "filho pródigo, que tomou consciência do seu pecado e voltou para casa de seu pai, livre do ódio e do espírito de vingança, e alimentado pela virtude do amor e do perdão”. Ao mesmo tempo, os prelados pedem misericórdia “aos irmãos e irmãs a quem os actos criminosos dos prisioneiros causaram dor”. Por fim, a Comissão Episcopal de Justiça, Paz e Meio Ambiente sublinha a urgência pastoral de que cada cidadão do País se livre das "prisões espirituais e psicológicas" da vingança, da violência e do orgulho que "envenenam a vida social e política" de toda a nação.

17 abril 2021, 12:03