Busca

Vatican News
Monumento dedicado à paz, em Luanda (Angola) Monumento dedicado à paz, em Luanda (Angola) 

Angola. Bispos: paz e reconciliação sem fingimentos e ressentimentos

Os angolanos celebraram, neste domingo, 4 de Abril, o 19º aniversário da assinatura dos acordos de paz e reconciliação nacional. Entretanto, os Bispos da Conferencia Episcopal de Angola e são Tomé (CEAST) apelam a uma paz e reconciliação sem fingimentos e ressentimentos.

Anastácio Sasembele – Luanda, Angola

Depois da proclamação da independência a 11 de novembro de 1975, o 4 de abril é para muitos a data de celebração mais importante dos angolanos.

Oiça aquia reportagem e partilhe

Num dia como este mas do ano de 2002 foi assinado o acordo de paz entre o governo do MPLA (Movimento Popular de Libertação de Angola) e a UNITA (União Nacional para a Independência Total de Angola), as duas formações políticas que mais influência tinham e têm no País.

Este importante evento, ocorrido e celebrado, pela primeira vez, na sequência da morte do líder histórico do maior partido da oposição, Jonas Savimbi, deu início e facilitou o processo de reconciliação nacional entre os angolanos.

A conquista da paz, depois de 27 anos de guerra, que destruiu o País e ceifou a vida de milhares de angolanos nos campos de batalha, nas lavras, aldeias e cidades, foi o feito mais expressivo e o culminar de longas negociações entre o governo e a UNITA.

Há 19 anos do calar das armas os Bispos da CEAST apelam por uma paz e reconciliação sem fingimentos e ressentimentos.

D. Jesus Tirso Blanco, Bispo do Lwena, sugere acções concretas para promoção do bem-estar social das populações.

E o Arcebispo de Saurimo e Vice-presidente da CEAST, D. José Manuel Imbamba, apela à construção de pontes e pontos de comunhão e de paz destruindo os muros de vingança, orgulho e vaidade. Para o prelado quem não está em paz consigo mesmo não pode semear a paz.

Pelo facto, o 4 de abril foi instituído como feriado nacional e passou a ser uma referência histórica importante na luta do povo angolano pela sua dignificação e construção de uma sociedade próspera.

08 abril 2021, 09:41