Busca

Vatican News
Raul Alves Calane da Silva, escritor moçambicano Raul Alves Calane da Silva, escritor moçambicano 

Moçambique: Morreu o escritor Calane da Silva, vítima de Covid-19 em Maputo

A literatura moçambicana está de luto, o País perdeu um homem amante da cultura, através das letras. Morreu, nesta sexta-feira (29), em Maputo, vítima de Covid-19, o poeta, escritor e jornalista moçambicano, Raul Alves Calane da Silva.

Hermínio José - Maputo, Moçambique

Por alguns dias, Calane da Silva encontrava-se no leito hospitalar, internado, num centro de isolamento para clientes com Covid-19. Calane da Silva, não resistiu, acabou por perder a vida, figurando entre os nove (9) óbitos das últimas 24 horas (dia 29), devido à Covid-19.

Um escritor com um portifólio invejável

Escritor e ensaísta, Calane da Silva nasceu a 20 de outubro de 1945, em Lourenço Marques, actual Cidade de Maputo, capital moçambicana. Quem não conhece ou não leu o conto “Xicandarinha na lenha do mundo” (1987)? E o livro  “Dos Meninos da Malanga” (1981)?

Calane da Silva coordenou a Gazeta Artes e Letras da revista Tempo, em 1985. Foi um dos membros fundadores da Associação de Escritores Moçambicanos (AEMO), onde foi secretário adjunto, em 1987.

O poeta e escritor moçambicano, Calane da Silva começou a fazer jornalismo em 1969 e atingiu o topo de carreira em 1991. Enquanto jornalista, Calane da Silva foi chefe da redacção da Televisão Experimental de Moçambique, em 1987.

Oiça aquia reportagem e partilhe

Além de docente no Centro de Línguas da Universidade Pedagógica, em Maputo, Calane era investigador da literatura moçambicana.

Calane foi Mestre e Doutorado em linguística portuguesa, vertente lexicologia, pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto; professor na Escola de Jornalismo, em Maputo, e da Escola Portuguesa de Moçambique.

O poeta e ensaísta desempenhou ainda funções de director do Centro Cultural Brasil-Moçambique, em Maputo. Era responsável pela dinamização das actividades culturais que nos últimos anos se assistem naquele local.

Calane da Silva foi vencedor do “Prémio José Craveirinha”, a 22 de Novembro de 2011. Trata-se do maior galardão literário moçambicano, que distinguiu a sua carreira na literatura e no ensaio.

O docente universitário venceu ainda o concurso literário “Prémio 10 de Novembro”, organizado conjuntamente pelo Conselho Municipal da Cidade de Maputo e pela Associação dos Escritores Moçambicanos, aquando do aniversário da capital do país.

Prémios e condecorações

Foi condecorado, em 2011, em Maputo, com a Comenda da Ordem de Rio Branco, por ocasião do Dia do Diplomata.

Em 22 de novembro de 2011 foi anunciado como vencedor do Prémio José Craveirinha, o maior galardão literário moçambicano, que distinguiu a sua carreira na literatura e no ensaio.

Refira-se que Calane da Silva prefaciou inúmeras obras de escritores moçambicanos e textos de apresentação de obras de artes plásticas de artistas nacionais e estrangeiros. Calane da Silva, morreu em Maputo, vítima da Covid-19.

30 janeiro 2021, 11:50