Busca

Vatican News
Missa dos fiéis defuntos, na Catedral de Luanda (Angola) Missa dos fiéis defuntos, na Catedral de Luanda (Angola) 

Angola celebra Dia dos fiéis defuntos entre fortes restrições devido à pandemia da Covid-19

Em Angola o Dia dos fiéis defuntos (02/11) foi marcado por fortes restrições em função da Covid-19 e com apelos ao respeito pelos cemitérios.

Anastácio Sasembele – Luanda, Angola

Diferente dos anos anteriores, em que o dia 2 de novembro era marcado com distintas actividades em homenagem aos defuntos, desta vez a celebração, pelo menos na arquidiocese de Luanda, dioceses de Viana, Caxito e Cabinda, foi realizada nas comunidades paroquiais devido à pandemia da covid-19, que afecta o País desde março.

Oiça aqui a reportagem e partilhe

Diante do actual quadro, há uma enorme preocupação sobre a necessidade de reter e controlar a transmissão de Covid-19, bem como a preservação da vida das pessoas que habitualmente se deslocam aos cemitérios para homenagear os seus entes queridos já falecidos.

Na arquidiocese de Luanda a Missa pelos fiéis defuntos foi celebrada na Catedral de Nossa Senhora da Conceição, presidida pelo Arcebispo D. Filomeno do Nascimento Vieira Dias.

Na sua homilia o prelado disse que apesar da forte saudade que nos deixam aqueles que partem para a eternidade, é preciso lembrar que o amor é mais forte que a morte e que a mesma morte não destrói a consciência existencial.

“É importante olhar para esse dia na perspectiva do Deus vivo e não com tristeza”, acrescentou D. Filomeno.

E na diocese de Cabinda o Dia dos fiéis defuntos foi igualmente celebrado com restrições sanitárias por conta do novo coronavírus que já infectou em Angola 11.035 pessoas,  286 das quais perderam a vida.

D. Belmiro Cuica Chissengueti, bispo de Cabinda, deplorou o comportamento daqueles que profanam os cemitérios e se aproveitam da tradição para roubar a herança dos legítimos herdeiros.

02 novembro 2020, 13:24