Busca

Vatican News
Velório do jornalista João de Sousa, em Maputo (Moçambique) Velório do jornalista João de Sousa, em Maputo (Moçambique) 

Moçambique: Último adeus a João de Sousa, ícone do jornalismo moçambicano

Nascido a 16 de Junho de 1947 em Lourenço Marques ( hoje Maputo), João Baptista de Sousa perdeu a vida na sua residência, vítima de morte súbita, no dia 26 de outubro. Nesta quinta-feira (29), foram a enterrar os restos mortais do ícone do jornalismo moçambicano.

Hermínio José – Maputo, Moçambique

Com percurso de cerca de 50 anos de Rádio, João de Sousa desempenhou várias funções na Rádio Moçambique com destaque para relator desportivo, correspondente da Estação Pública moçambicana na África do Sul e gestor de alguns departamentos na Rádio Moçambique, com destaque para administrador comercial.

“The Voice” que se calou!

Figura ímpar no meio jornalístico desportivo radiofónico, João de Sousa  é um dos grandes jornalistas radiofónicos de sempre em Moçambique.  É considerado “The Voice” da Rádio Moçambique.

Percurso jornalístico de João de Sousa

Iniciou a sua actividade radiofónica nas Produções GOLO, uma Agência de Publicidade que produzia vários programas que eram transmitidos através do então Rádio Clube de Moçambique, em 1964.

Começa a fazer relatos desportivos de várias modalidades (basquetebol, futebol e hóquei em patins) em 1966. Para além da cobertura dos acontecimentos nacionais, com destaque para os campeonatos da cidade e os Provinciais, fez transmissões directas de jogos que se realizaram no exterior de Moçambique, nomeadamente em Angola e em Portugal.

Em 1974 ingressa no Rádio Clube de Moçambique como locutor. Após a nacionalização, ocorrida em 1975, passa para os Serviços Redactoriais, (hoje Direcção de Informação) como repórter e noticiarista. Nessa qualidade realiza um conjunto de transmissões “em directo” relacionadas com vários acontecimentos nacionais. É nesse período que é integrado no grupo de profissionais designados para acompanhar o Presidente Samora Machel nas suas viagens de Estado.

Em 1977 chefia a Redacção Desportiva da Rádio Moçambique. Faz a cobertura dos principais eventos nacionais, regionais e internacionais, sendo de destacar as transmissões directas feitas da participação moçambicana na Liga dos Campeões Africanos ou na Taça das Taças (em futebol), nos Campeonatos Africanos de Basquetebol em masculinos e femininos, nos Jogos Africanos de Argel, no Campeonato do Mundo de Hóquei em Patins da Argentina de 1978 ou dos Jogos Olímpicos de Moscovo de 1980.

Na sua trajectória profissional dirige o Canal Nacional da RM, e posteriormente o Departamento de Programas. Anos depois foi nomeado Administrador da Rádio Moçambique, sendo responsável durante 6 anos pelos pelouros Comercial e de Produção.

Em Fevereiro de 2006 é nomeado Correspondente da Rádio Moçambique na África do Sul, tendo terminado o seu mandato no dia 31 de Janeiro de 2012.

“Perdemos uma grande voz”, Edmundo Galiza Matos

Por entre dor, choros e profunda consternação, fez-se calar a voz emblemática do João De Sousa.

Edmundo Galiza Matos, reformado da Rádio Moçambique, da mesma geração que João De Sousa, retrata vida e obra do “The Voice”, como se lhe era chamado:

"João de Sousa deixa um grande vazio": Frei Juma Manuel

Por seu turno, o Frei Juma Manuel, dos Frades Menores, diz que João de Sousa, deixa um grande vazio não só na classe jornalística moçambicana, como também na sociedade em geral, afinal era amigo de todos e gostava de ensinar a fazer o bem.

Os restos mortais de João de Sousa foram a enterrar, nesta quinta-feira, 29 de Outubro, no cemitério de Lhanguene, na capital moçambicana.

De referir que João de Sousa morreu aos 73 anos vítima de paragem cardíaca, deixou viúva e um fillho.

Oiça aqui a reportagem e partilhe
29 outubro 2020, 15:25