Busca

Vatican News
Conselho Permanente Alargado da CEAST (Angola) Conselho Permanente Alargado da CEAST (Angola) 

Angola. Bispos da CEAST aprovam anulação do ano lectivo nos Seminários do País

Os Bispos da Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST), reunidos em plenária, aprovam anulação do ano lectivo em todos os Seminários de Filosofia e de Teologia, face à pandemia da Covid-19.

Anastácio Sasembele – Luanda, Angola

Reunidos em Conselho Permanente alargado de 17 a 18 de Agosto, no Santuário de Nossa Senhora da Muxima, diocese de Viana, os bispos da Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST), na sequência dos trabalhos deram parecer favorável à criação do Seminário de Teologia na Diocese do Sumbe, aprovaram os relatórios da Universidade Católica de Angola (UCAN) e da Rádio Ecclesia (Emissora Católica de Angola).

Oiça aqui a reportagem e partilhe

Os bispos da CEAST aprovaram também a anulação do ano lectivo em todos os Seminários de Filosofia e de Teologia, face à pandemia da Covid-19 que já infectou no País 1.966 pessoas, com 90 óbitos, 667 recuperados e 1.209 activos.

Contudo, os alunos do 4º ano de Teologia deverão continuar a sua formação até fevereiro de 2021.

D. Belmiro Cuica Chissengueti, bispo de Cabinda e porta-voz da CEAST, falou das consequências desta decisão.

“Apesar das limitações do momento presente, todos os sacerdotes, missionários e missionárias devem empenhar-se tanto na pastoral como no serviço da caridade e no cultivo da própria espiritualidade, evitando a letargia”, recomendaram os bispos da CEAST.

Quanto à vida social e política do País, os bispos da CEAST, reunidos em Conselho Permanente alargado, apelaram à justiça e apresentação regular dos resultados do combate à corrupção no País.

Este apelo surge numa altura em que o País conheceu na última sexta-feira (14/08) a condenação do antigo presidente do Conselho de Administração do Fundo Soberano de Angola, José Filomeno dos Santos "Zenu", na pena de cinco anos de prisão maior, pelo Tribunal Supremo.

 

O filho do antigo Presidente da República, José Eduardo dos Santos, era um dos nomes mais sonantes do conhecido "Caso 500 milhões", que envolveu, ainda, o ex-governador do Banco Nacional de Angola, Valter Filipe, condenado na pena de oito anos de prisão maior.

O tribunal condenou também António Bule, com pena de cinco anos de prisão e George Gaudens, com seis anos. No entanto, os advogados de defesa já interpuseram recurso das penas, com efeito suspensivo.

O caso remonta a agosto de 2017, altura em que os arguidos começaram a criar o esquema para a transferência ilegal de USD 500 milhões, do Banco Nacional de Angola (BNA) para uma conta bancária na Inglaterra.

Entretanto os bispos da CEAST consideram que o combate a corrupção deve ser levado a acabado de forma a proteger a paz e a justiça social.

A posição foi reafirmada por D. Belmiro Chissengueti em conferência de imprensa que marcou o fim dos trabalhos da reunião do Conselho Permanente alargado da CEAST.

20 agosto 2020, 08:19