Busca

Vatican News
Manifestação no Zimbabwe contra violência das forças de segurança Manifestação no Zimbabwe contra violência das forças de segurança  (AFP or licensors)

África do Sul. Solidariedade incondicional dos bispos à Igreja e povo do Zimbabwe

Os bispos sul-africanos partilham as preocupações da Igreja no Zimbábwe pela violenta repressão dos protestos pacíficos iniciadas em julho contra a má gestão da crise económica e sanitária, agravada pela emergência do Covid-19.

Cidade do Vaticano

Aos protestos da rua, que acabaram nas redes sociais com a campanha  #ZimbabweanLivesMatter ("As vidas dos zimbabuanos contam") o Executivo liderado pelo presidente Emmerson Mnangagwa respondeu com a prisão de jornalistas, intelectuais e ativistas dos direitos humanos e com a violência e intimidações contra qualquer voz dissidente.

Oiça aqui a reportagem e partilhe

Uma situação que levou também a Conferência Episcopal do Zimbabwe a intervir no dia 14 de agosto com uma carta pastoral na qual critica a repressão e as graves violações dos direitos humanos perpetradas pelas forças da ordem. O documento - assinado por D. Robert Christopher Ndlovu, presidente da Conferência dos Bispos Católicos do Zimbabwe – faz menção das graves responsabilidades das autoridades de Harare na actual crise económica e sanitária e na luta contra o "flagelo" da corrupção que - afirma - atingiu "níveis alarmantes ”, desencadeando a ira dos cidadãos. Às críticas do Episcopado, o Executivo respondeu duramente, pela boca da Ministra da Informação, acusando, entre outras coisas, os bispos de "criarem as crises" e tomando de mira D. Ndlovu em particular.

"Voz profética" dos Bispos

Aos bispos do Zimbabwe chegou hoje a solidariedade da Conferência Episcopal da África do Sul (Sacbc) que, numa nota, elogia a sua "voz profética" contra a "brutalização de cidadãos comuns por parte das forças de segurança e a corrupção endémica que levou ao colapso total dos serviços públicos. Os bispos sul-africanos exprimem, portanto, "solidariedade incondicional" aos irmãos zimbabweanos "tomados de mira ​​pelo governo juntamente com a população que está sofrendo com esta situação".

Orações para que este tempo passe depressa

"As vossas palavras de encorajamento são aquilo que o povo do Zimbabwe precisa de ouvir neste momento de grande necessidade", afirma a nota. Para os bispos sul-africanos, “é lamentável que, em vez de enfrentar os problemas, o governo tenha escolhido de atacar e insultar o arcebispo Robert Ndlovu”. «Ficar calados não é uma opção e como pastores a vossa voz de apoio dá esperança ao povo que vos foi confiado», acrescentam os prelados que, em conclusão, asseguram o seu apoio e orações «para que este tempo de sofrimento para o País passe depressa”.

Solidariedade do Núncio apostólico e de outras Igrejas

A nota dos bispos sul-africanos vem no seguimento da visita de solidariedade a D. Robert Ndlovu feita pelo Núncio apostólico no Zimbabwe, D. Paolo Rudelli, que no domingo desejou exprimir pessoalmente ao arcebispo de Harare a sua proximidade a todos os bispos do País.

A estas vozes juntou-se também a voz do Conselho Mundial das Igrejas (WCC), da Federação Luterana Mundial (FLM), da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (WCRC) e do Conselho Metodista Mundial (WMC), que assinaram uma mensagem conjunta de solidariedade para exprimir apoio ao “clamor por justiça, dignidade e defesa dos direitos humanos” do povo do Zimbabwe.

21 agosto 2020, 08:21