Busca

Vatican News
D. João Carlos Hatoa Nunes, Bispo de Chimoio (Moçambique) e porta-voz da CEM D. João Carlos Hatoa Nunes, Bispo de Chimoio (Moçambique) e porta-voz da CEM 

Moçambique: A CEM considera plausível a decisão por um desconfinamento gradual

A Conferência Episcopal de Moçambique (CEM) considera plausível a decisão por um desconfinamento gradual anunciado há dias pelo Presidente da República Filipe Nyusi, pois o País precisa de se reerguer após 4 meses de bloqueio pelo Covid-19.

Hermínio José – Maputo, Moçambique

Segundo o porta-voz dos Bispos de Moçambique, o Bispo da diocese de Chimoio D. João Carlos Hatoa Nunes, volvidos quatro meses de confinamento devido à COVID-19, o País precisa se reerguer antes colapse.

Oiça aqui a reportagem e partilhe

D. João Carlos afirma que face ao desconfinamento que o País poderá conhecer com o fim do actual estado de emergência, é preciso que todos colaborem para que a reabertura de vários sectores não contribua para a explosão de casos da COVID-19, pelo que a prevenção a esta pandemia é o dever de todos.

Governo prepara-se para o período pós- estado de emergência

Recorde-se que o Conselho de Ministros, reunido em Maputo, na sua 26ª sessão ordinária, nesta terça-feira (21) equacionou o período pós-estado de emergência, cuja última fase termina na próxima semana (sexta-feira, 31 de julho), em todo o País.

Casos positivos ao Covid-19 continuam a subir

Segundo o Executivo, nos próximos dias, serão conhecidos os requisitos necessários para a reabertura das igrejas, casas de pasto e actividades desportivas. Pese embora, os casos positivos da COVID-19 estejam a subir de forma galopante em Moçambique.

De acordo com o porta-voz do Conselho de Ministros, Filimão Suaze, que falava durante a habitual conferência de imprensa que sucede as sessões do órgão, as directizes serão enviadas em breve às direcções de cada sector.

Observância ao protocolo de prevenção da COVID-19

“O que vai suceder nos próximos dias é que os pelouros de tutela dessas áreas vão proceder ao envio, formalmente, às direcções das equipas desportivas, as casas de pasto, assim como as igrejas, aquilo que é um conjunto de requisitos que devem ser cumpridos, até, para que nos possamos preparar para a próxima fase, que não sabemos qual é que será, em termos da decisão que vai ser tomada pelo Presidente da República, como quem diz, estamos a nos preparar para que a quando da tomada dessa decisão possamos estar em altura de poder dizer quem é que está em condições de abrir as suas actividades e quem é que não estará”, explicou o porta-voz.

De referir que Moçambique conta neste momento com mais de 1.500 casos positivos para o novo Coronavírus, e 11 mortos devido a esta doença que afecta todo o mundo.

23 julho 2020, 13:24