Busca

Vatican News
Polizia mozambicana nella regione di Cabo Delgado, Mocímboa da Praia, dove ci sono stati attacchi terroristici Polícia moçambicana em Cabo Delgado, Província a braços com o terrorismo 

Moçambique: PR promete conter os ataques armados em Cabo Delgado

O Presidente da República de Moçambique, Filipe Nyusi, disse em Maputo que continua chocado com a onda de ataques no norte do país e promete "empregar todos os meios" para conter a violência armada em Cabo Delgado, considerando que os ataques atentam contra o Estado de direito.

Hermínio José  - Maputo 

"Não descansaremos e vamos empregar todos os meios ao nosso alcance para que os nossos cidadãos usufruam da paz e tranquilidade que tanto merecem em Cabo Delgado", disse o chefe de Estado moçambicano, falando durante uma cerimónia de recepção de moçambicanos na diáspora no Palácio da Ponta Vermelha, em Maputo.

Nyusi repudia assassinatos macabros

Para o Presidente moçambicano, os ataques armados protagonizados por desconhecidos em Cabo Delgado atentam contra o Estado moçambicano, provocando sofrimento para as comunidades.

"Os grupos de malfeitores engendram acções criminosas, destruindo campos de produção, habitações, decapitando homens e mulheres, entre outros actos macabros", acrescentou Filipe Nyusi.

Entretanto, o Presidente moçambicano pede o envolvimento de todos na busca de soluções, lembrando que a violência armada atenta contra o desenvolvimento do país.

Bispo de Pemba lança grito de socorro pelos ataques em Cabo Delgado

Por seu turno, o Bispo da Diocese de Pemba, Dom Luiz Lisboa, na véspera da quadra festiva do Natal e do Fim de Ano, reitera o grito de socorro pelas vítimas na sequência da violência armada em algumas comunidades nortenhas de Cabo Delgado.

Dom Lisboa lamenta que dois anos depois, não se conheçam quem são os atacantes que só semeia um rasto de dor, destruição e luto em Cabo Delgado.

O Bispo de Pemba deixa uma mensagem de conforto, proximidade e de alento para com o povo de Cabo Delgado que se encontra desesperado e desanimado pela incessante onda de violência armada naquela região nortenha de Moçambique.

Oiça

De salientar que na província de Cabo Delgado, a norte de Moçambique os ataques de grupos armados sucedem-se desde outubro de 2017, sendo que dados oficiais apontam que pelo menos 300 pessoas já morreram em Cabo Delgado e 60.000 residentes foram afectados, muitos obrigados a deslocar-se para outros locais em busca de segurança, segundo as Nações Unidas. Os ataques afectam distritos próximos das áreas de projetos de exploração de gás natural em Cabo Delgado.

 

19 dezembro 2019, 16:05