Busca

Vatican News
2019.09.04  Comunità della Parrocchia dell'Immacolata Concezione nel distretto di Marara, provincia di Tete_Mozambico. Pe. Devanil Ferreira, brasiliano, della Congregazione dei Padri Oblati di San Giuseppe (Missão da Congregação dos Padres Oblatos de São Imagem relativa à vida cristã em Moçambique 

Moçambique: Bispo de Chimoio apela ao fim dos ataques

Perante os ataques armados no centro de Moçambique, alegadamente perpetradas pelo ramo dissidente da RENAMO, o porta-voz da Conferencia Episcopal do país, D. João Carlos, Bispo de Chimoio, aconselha a ultrapassar as divergência mediante o espírito cristão: dialogo e reconciliação.

Hermínio José - Maputo 

A Região Central de Moçambique, concretamente as províncias de Sofala e Manica estão a braços com ataques armados, perpetrados supostamente por guerrilheiros da auto-proclamada Junta Militar da Renamo, liderada por Mariano Nyongo, dissidente do partido Renamo (o maior da oposição no país).

Este grupo armado tem estado a intensificar os seus ataques, tendo como alvos, civis, autocarros públicos de passageiros, entre outros. Com maior incidência, os ataques acontecem ao longo da Estrada Nacional Número Um (EN1), que liga o país de Sul a Norte e na Estrada Nacional Número  Seis (EN6) que liga o porto da cidade da Beira ao Zimbabwe e restantes países do interior da África Austral.

Oiça

11 mortos em ataques no centro

As incursões já causaram pelo menos 11 mortos deste agosto deste ano e acontecem num reduto da Renamo e as autoridades moçambicanas têm acusado os guerrilheiros daquele maior partido da oposição, cujos homens permanecem naquela região, apesar de oficialmente a Renamo se distanciar desses ataques.

Entretanto, a Igreja Católica mostra-se chocada com a crescente onda de ataques nas províncias de Manica e Sofala, no centro de Moçambique. Dom João Carlos, Bispo da Diocese de Chimoio, propõe uma saída para este conflito armado: a partilha, a solidariedade e a conversão.

“Que se escute o clamor do povo pela paz”

O Bispo de Chimoio e responsavel pela Comissão de Comunicação Social na Conferência Episcopal de Moçambique (CEM) afirma que é importante que as partes beligerantes olhem para os interesses nacionais, os interesses do povo e escutem o clamor do povo pela paz.

Dom João Carlos, em jeito de fecho, deixa um desafio face a esta onda de violência no centro do país: que cada um faça a sua parte.

Dom João Carlos, Bispo da Diocese de Chimoio, falando ao Vatican News, em torno da aspiral de violência no centro de Moçambique, nomeadamente nas províncias de Sofala e Manica, onde os ataques se saldaram em pouco mais de 10 mortos.

De referir que o Presidente da República, Filipe Nyusi, manteve nesta segunda-feira, dia 23 de Dezembro, uma conversa telefónica com o líder da Renamo, Ossufo Momade, com vista a encontrarem conjuntamente uma saída a estE conflito que paira no centro do país.

 

27 dezembro 2019, 12:09