Busca

Vatican News
Plataforma de Exploração do Petróleo em Angola Plataforma de Exploração do Petróleo em Angola 

Angola. Reformas do Executivo de João Lourenço sob os reflectores dos analistas

Em Angola politólogos e economistas mostram-se cépticos quanto às reformas económicas, bem como o combate à corrupção, empreendidos pelo Presidente da República João Lourenço.

Anastácio Sasembele – Luanda, Angola

Angola continua a enfrentar uma profunda crise económica e financeira resultante da baixa do preço do petróleo no mercado internacional, petróleo que é o principal produto de exportação do País.

Oiça aqui a reportagem:

Para fazer face ao problema está em curso a aplicação de um conjunto de reformas económicas empreendidas pelo Executivo do Presidente angolano João Lourenço que visa alavancar o crescimento e o desenvolvimento económico.  

Programa de Estabilização Macroeconómica

O destaque nas reformas recai para o programa de Estabilização Macroeconómica (MPE), centrado em três intervenções principais: consolidação fiscal, melhorias no ambiente de negócios e política monetária”.

Proteger os mais necessitados

Quem se mostra céptico quanto às reformas económicas empreendidas pelo Executivo de João Lourenço é o economista Josué Chilundulo. O também docente universitário dá nota positiva às reformas em curso, mas chama à atenção para a necessidade de se proteger os mais necessitados que enfrentam inúmeras dificuldades face a actual crise económica e financeira que o país atravessa.

Combate à corrupção: boas intenções não bastam

E o combate à corrupção é um outro desafio que se coloca no País, quase dois anos após a eleição de João Lourenço ao cargo de Presidente da república, a sociedade civil considera que boas intenções não bastam e que a Justiça tem sido selectiva.

Novas acções e novos actores políticos

O filósofo Albino Pakissi diz que não há resultados concretos. O também académico defende ser necessário empreender novas acções e se possível novos actores políticos para o sucesso da empreitada.

E chamado a avaliar a actual conjuntura da justiça no País, o Procurador-Geral da República Hélder Pitta Grós desmentiu a ideia defendida por muitos, segundo a qual o combate à corrupção fracassou.

20 julho 2019, 11:16