Cerca

Vatican News
Palestra sobre situação social dos idosos em São Tomé e Príncipe Palestra sobre situação social dos idosos em São Tomé e Príncipe 

São Tomé e Príncipe. Em debate difícil situação social dos idosos

A diretora do lar Dona Simoa Godinho Elsa Viana garantiu, durante a palestra realizada no salão paroquial da Sé Catedral em alusão ao Dia Mundial de consciencialização da violência contra os idosos, que a situação social dos idosos no País é difícil.

Melba de ceita – Rádio Jubilar, São Tomé e Príncipe

“Juntos pela valorização da pessoa idosa”, foi o lema da palestra, realizada em alusão ao Dia Mundial de consciencialização da violência contra os idosos, no  salão paroquial da Sé Catedral, promovida pela  Rádio Gospel, Jovem da Santa Casa da Misericórdia e o Grupo Brilhar mais.

Oiça aqui a reportagem e partilhe:

Em São Tomé e Príncipe as pessoas idosas são alvo de violência, a justificação é baseada na convicção de que as pessoas idosas são feiticeiras. O grupo alvo são na sua maioria as mulheres.

Mudar nossa atitude perante o idoso

Segundo  a representante do Grupo Brilhar mais, Dalila das  Neves, a  realização desta palestra teve como objectivo reflectir sobre a forma como temos tratado  e também como devemos tratar as pessoas idosas, não esquecendo que   há  necessidade de mudarmos a nossa forma de pensar e de agir perante um idoso.

Lares para idosos superlotados

Especificando a difícil situação social em que se encontram os Idosos,  a directora do lar Dona Simoa Godinho Elsa Viana garante que a capacidade do lar hoje não responde às exigências, tendo o mesmo a capacidade para albergar  apenas 91 idosos e já se encontra repleto. Com isto aquela responsável assegura que a situação  a cada dia, torna-se pior  e é preocupante, porque não conseguem dar a resposta adequada a estas situações, tomando em consideração também o número de idosos que estão na lista de espera para entrarem no lar.

Falta estrutura familiar para subsistência do idoso

“Uma das principais consequências é a condição financeira, falta de uma estrutura familiar que possa assegurar a subsistência do idoso e a situação de abandono por não ter uma estrutura e uma reforma digna para a subsistência”, adiantou.

Abandono e violência contra idosos tendem a aumentar

A maior prevalência dos casos está nos velhos abandonados  com destaque  para o sexo feminino, tanto por parte da família como pela comunidade, e quando isto acontece   Elsa Viana  garante que dentro  do lar têm acompanhamento de um psicólogo.

O Subcomissário da Polícia Nacional Simão Vila Nova, garante que no País, a violência contra o idoso tende a aumentar. Para pôr termo a esta situação estão a realizar junto a comunidade uma espécie de campanha de sensibilização, concluiu.

24 junho 2019, 09:06