Cerca

Vatican News
Cardeal Dieudonné Nzapalainga, arcebispo de Bangui, na RCA Cardeal Dieudonné Nzapalainga, arcebispo de Bangui, na RCA 

RCA. Cardeal Nzapalainga, portador de esperança no País

Estradas inexistentes, falta de médicos e professores, populações abandonadas, presença constante de grupos armados: o nordeste da República Centro-Africana (RCA) é um buraco negro, onde o Cardeal Nzapalainga, arcebispo de Bangui, fez recentemente uma viagem pastoral e pôde constatar as necessidades da região.

Cidade do Vaticano

Realizar uma viagem pastoral na República Centro-Africana é uma aventura. O Cardeal Nzapalainga, o arcebispo da capital, Bangui, sabe bem disso. Já viajou por várias regiões do País, levando o seu testemunho, confirmando a fé dos fiéis, pregando a paz e a concórdia. Apesar das dificuldades materiais e da situação de segurança ainda instável, ele não hesita em ir ao encontro do "povo de Deus”.

Desta vez, o Cardeal visitou o nordeste. Foi aos confins da República Centro-Africana, do Chade e do Sudão, na cidade de Birao, a 1.350 quilómetros de Bangui. Uma odisséia, considerando que não há estradas, mas apenas trilhos precários. Além disso, o arcebispo, que conduz ele mesmo, fez um despiste: a viatura deitou-se literalmente, e o arcebispo saiu ileso bem como os seus companheiros de viagem.

 

Mas os riscos valem o jogo: "Durante dez anos, os fiéis não receberam confirmação. Que emoção ver em cada momento alguém carregado nos braços como se tivesse marcado um golo porque eles esperaram dez anos. A fé permaneceu firme ", diz D. Nzapalainga com o sorriso nos lábios.

Ausência de médicos e professores

Por todo o País por onde passa, o Cardeal Nzapalainga apercebe-se do estado de pobreza em que vive a população. Comunicações rápidas de um lugar para o outro são quase impossíveis por causa das péssimas condições das estradas. Como fazer para chegar a uma clínica quando são necessárias várias horas de estrada para alcançá-la e, ainda, quando se tem a sorte de ter uma motocicleta ou de subir num caminhão ou pick-up. E aqueles que só podem ir a pé?

E ainda, uma vez chegados à clínica, os problemas não estão resolvidos. Não há médicos, na melhor das hipóteses apenas enfermeiras que se improvisam parteiras ou cirurgiões. A mesma coisa para a escola. O Cardeal Nzapalainga apenas encontrou dois mestres na região. Um deles deu-lhe "uma carta cheia de erros", admite o Prelado, lamentando que as instituições educacionais da população sejam tão frágeis. Para ele, é óbvio: "é preciso estar lá para lhes dar a sua dignidade de filhos de Deus”.

Presença de grupos armados

Apesar da assinatura do acordo de Bangui no passado dia 6 de fevereiro, os grupos armados que ainda controlam a maior parte do território não foram dissolvidos. Eles ainda impõem as suas leis e obrigam a ONU, as ONGs e o governo da República Centro-Africana e os seus representantes a tomarem decisões constantes no parlamento. Estão "por todo o lado", explica o Cardeal que também veio trazer uma palavra de "apaziguamento”.

Mas ele tem a impressão de que "alguns grupos armados estão a opôr-se", uma alusão às críticas feitas por mais da metade dos quatorze signatários do acordo, depois da formação do novo governo no domingo, 3 de março. No entanto, é hora do diálogo, para a construção de um país melhor, diz o Arcebispo de Bangui.

Um dom de Deus

Nesse quadro escuro, há um sinal de esperança e uma fonte de alegria: o novo centro de re-nutrição terapêutica das crianças desnutridas do hospital pediátrico de Bangui, inaugurado no passado dia 2 de março, na presença do Cardeal Krajewski, o Esmoleiro do Papa Francisco. "É um dom de Deus", "é uma piscadela que Deus nos faz através do Papa", exclama o Cardeal. Este centro, cuja construção foi pilotada e em grande parte financiada pelo hospital Bambino Gesù, o hospital para crianças do Papa, vai permitir de responder melhor às necessidades dos mais fracos, como o havia desejado Francisco depois da sua visita ao local, no dia 29 de novembro de 2015.

"Deus veio até perto de nós", comoveu-se o arcebispo de Bangui. "Ao reabilitar este complexo, ele dá a vida, a dignidade". "Ele permite que as pessoas que estão aqui possam ser consideradas seres humanos, e não animais". E insistiu: "É o gesto de proximidade de um pai, de um pastor que veio e que não apenas sentiu o cheiro das ovelhas, mas as tocou!". "É um grande testemunho de amor", concluiu o Cardeal, pronto a continuar a sua missão em toda a República Centro-Africana.

11 março 2019, 12:39