Versão Beta

Cerca

Vatican News
Celebração em Moxico, Angola Celebração em Moxico, Angola 

Angola. Seitas preocupam governo e igrejas tradicionais

A problemática das seitas religiosas que se multiplicam no país tem vindo a preocupar o governo angolano e as igrejas tradicionais, sobretudo as suas acções que se fundamentam na utilização da palavra de Deus para manipular a população e atingir objectivos singulares.

Anastácio Sasembele – Luanda

Para muitos a adesão de várias pessoas a seitas religiosas se deve à fraca compreensão da doutrina da Igreja e à falta de satisfação das suas necessidades, sobretudo as de índole económica.

Aumento vertiginoso de seitas religiosas

Tal apreensão tem ainda a ver com o facto de se constatar, nos últimos tempos, um aumento vertiginoso de seitas religiosas que prometem dar resposta às necessidades e aspirações das pessoas, que, economicamente fragilizadas, se deixam enganar por esses falsos profetas.  

Diante do fenómeno, os católicos acreditam que não se pode ficar indiferente ante tal situação, por constituir um obstáculo à fé das pessoas, realçam os bispos da Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST) aqui representados por Dom José Manuel Imbamba, porta-voz da CEAST.

Proposta de lei que regula exercício da actividade religiosa

Com vista a pôr ordem, o governo angolano apreciou favoravelmente, nesta terça-feira (28/8), uma proposta de Leique regula o exercício da actividade religiosa no País, bem como, os mecanismos de constituição, modificação e extinção de instituições com fins religiosos.

Trata-se de uma proposta de Lei sobre a Liberdade de Religião, Crença e Culto, que deverá ser enviada à Assembleia Nacional para a aprovação.

Práticas e atitudes contra a estabilidade social

A Ministra angolana da Cultural Carolina Cerqueira entende que o documento vai acabar com as práticas e atitudes que atentam contra a estabilidade social e desequilibram às famílias, obrigando que o exercício da actividade religiosa em Angola seja feito em conformidade com a lei e os bons princípios.

Oiça aqui a reportagem:

 

29 agosto 2018, 14:19