Versão Beta

Cerca

Vatican News
Presidente de Angola, João Lourenço Presidente de Angola, João Lourenço 

Angola: Tolerância-zero à má gestão financeira e ao nepotismo

O Chefe de Estado angolano, João Lourenço, disse na abertura da VIII Reunião dos Embaixadores em Luanda que quer inaugurar uma era de maior responsabilização, onde não haverá tolerância para a má gestão financeira e patrimonial e o nepotismo praticado por alguns quadros de missões diplomáticas.

Anastácio Sasembele - Luanda

Angola continuará a primar pela observância dos princípios do direito internacional, como o respeito à soberania nacional, a primazia pela resolução de conflitos pela via do diálogo, ao cumprimento dos acordos e dos tratados internacionais, bem como as resoluções das Nações Unidas.

Essa declaração foi feita, quarta-feira (23/5), pelo Presidente angolano, João Lourenço, na cerimónia de abertura da VIII Reunião dos Embaixadores angolanos, a decorrer até sexta-feira (25/5), em Luanda, numa iniciativa do Ministério das Relações Exteriores.

Diplomacia eficiente e virada à promoção da boa imagem do País

Segundo João Lourenço, na actual conjuntura internacional precisa-se trabalhar para tornar a diplomacia mais eficiente e virada para a promoção da boa imagem do país, captação de investimento privado estrangeiro e a promoção de Angola como destino turístico.

Racionalização de recursos, redução de missões diplomáticas

Para o Presidente da República, esses objectivos devem ser alcançados com a racionalização de recursos, redução de missões diplomáticas e consulares e, consequentemente, de pessoal.

Responsabilização, tolerância-zero à má gestão e nepotismo

Segundo o Chefe de Estado, quer-se inaugurar uma era de maior responsabilização, onde não haverá tolerância para a má gestão financeira e patrimonial ou ainda o nepotismo praticado por alguns quadros responsáveis do próprio Ministério ou por chefes de missões diplomáticas.

O Presidente da República orientou a actualização com urgência da relação das entidades com direito ao uso do passaporte diplomático, para pôr cobro ao actual estado de banalização deste documento com validade internacional.

Participam na reunião 59 chefes de missões diplomáticas que representam Angola na América, Europa, Ásia e África. A outorga de diplomas de mérito, oito embaixadores que passam à reforma, neste ano de 2018, consta do programa do evento.

Oiça aqui a reportagem e partilhe:
25 maio 2018, 12:28