Vatican News
Indígena da etnia Waiãpi em estrada dentro da área Indígena Indígena da etnia Waiãpi em estrada dentro da área Indígena  

MPF investiga morte de líder indígena e invasão de garimpeiros no Amapá. Igreja mostra preocupação

CNBB emite nota sobre situação dos povos indígenas Wajâpi, no Amapá. A Rede Eclesial Pan-Amazônica (Repam) e o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), também divulgaram notas onde expressam preocupação pelo acontecido e pedem uma imediata apuração dos fatos.

O Ministério Público Federal do Amapá (MPF) abriu inquérito para apurar o assassinato do líder indígena Emyra Waiãpi,  62 anos, e a invasão de terras indígenas da etnia Waiãpi por homens armados.

O filho do líder indígena, Aikyry Waiãpi, diz que seu pai foi morto em um confronto com os invasores no dia 23, mas as autoridades foram alertadas somente no sábado. Segundo informou a Polícia Militar no início da tarde de domingo, o corpo de Emyra estava com marcas de perfurações e cortes na região pélvica. 

O Conselho das Aldeias Waiãpi, através de uma nota, divulgou informações colhidas com os indígenas da região, reforçando que “a morte não foi testemunhada por nenhum Waiãpi e só foi descoberta na manhã seguinte [23 de julho]”.

Rastros encontrados no entorno da aldeia indicam que a morte do líder indígena foi causada por “não-indígenas”. O conselho confirma que houve a invasão de homens que se instalaram em uma das casas da aldeia Mariry.

Um grupo de indígenas ficou vigiando próximo ao local onde estavam os invasores, sem ter ocorrido confronto. Os órgãos de segurança foram então alertados pelo grupo.

Polícia Federal e Bope

 

A tensão na região é alta, segundo a Funai, devido a presença de  10 a 15 homens “não-índios”, com armas de grosso calibre nas cercanias da aldeia Yvytotõ, distante cerca de 40 min de caminhada da aldeia Mariry, onde se concentram os índios e onde seu líder foi assassinado. Eles foram orientados a evitar qualquer contato com os invasores.

A Polícia Federal chegou na área do município de Pedra Branca do Amapari, no Amapá,  na noite de sábado, acompanhada pelo Batalhão de Operações Especiais (BOPE) da Polícia Militar.

A aldeia fica 300 km distante na capital Macapá. Para chegar ao local, é preciso percorrer um trecho via terrestre, um trecho por rio e outro trecho à pé, o que dificulta as investigações.

Cimi

 

O Conselho Indigenista Missionário – Cimi - divulgou uma nota no domingo onde expressa “imensa preocupação e pesar as notícias de ataque de garimpeiros e assassinato de uma liderança do povo Wajãpi, no estado do Amapá.” (Com informações de G1)

Nota da CNBB

 

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) acompanha atentamente os desdobramentos da crise socioambiental que vem se agravando e atinge de modo fatal os povos da Amazônia, particularmente os indígenas.

A presidência da CNBB manifesta preocupação com a elucidação da morte do líder da etnia Wajãpi, ocorrida no dia 24 de julho, no Estado do Amapá. Reforça, também, o que o episcopado brasileiro indicou na mensagem divulgada em maio deste ano, em sua 57ª Assembleia Nacional:

“Precisamos ser uma nação de irmãos e irmãs, eliminando qualquer tipo de discriminação, preconceito e ódio. Somos responsáveis uns pelos outros. Assim, quando os povos originários não são respeitados em seus direitos e costumes, neles o Cristo é desrespeitado: ‘Todas as vezes que deixastes de fazer isso a um destes mais pequeninos, foi a mim que o deixastes de fazer’ (Mt 25,45). É grave a ameaça aos direitos dos povos indígenas assegurados na Constituição de 1988. O poder político e econômico não pode se sobrepor a esses direitos sob o risco de violação da Constituição. A mercantilização das terras indígenas e quilombolas nasce do desejo desenfreado de quem ambiciona acumular riquezas. Nesse contexto, tanto as atividades mineradoras e madeireiras quanto o agronegócio precisam rever seus conceitos de progresso, crescimento e desenvolvimento. Uma economia que coloca o lucro acima da pessoa, que produz exclusão e desigualdade social, é uma economia que mata, como nos alerta o Papa Francisco (EG 53)”.

Há de se encontrar caminhos para superar os processos que ameaçam a vida, pela destruição e exploração que depredam a Casa Comum e violam direitos humanos elementares da população. É preciso, assim, enfrentar a exploração desenfreada e construir um novo tempo, tempo de Deus, humanizado, na Amazônia.

Em solidariedade à Igreja do Amapá e ao Regional Norte 2, já manifestada a dom Pedro José Conti, bispo diocesano de Macapá (AP), a CNBB reforça seu compromisso com a promoção e defesa da vida em todas as suas formas e expressões, incluindo o respeito à Natureza, na perspectiva de uma ecologia integral.

Brasília-DF, 29 de julho de 2019.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo de Belo Horizonte – MG
Presidente da CNBB

Dom Jaime Spengler
Arcebispo de Porto Alegre – RS
1º Vice-Presidente da CNBB

Dom Mário Antônio da Silva
Bispo de Roraima – RR
2º Vice-Presidente da CNBB

Dom Joel Portella Amado
Bispo Auxiliar de S. Sebastião do Rio de Janeiro – RJ
Secretário-Geral da CNBB

Rede Eclesial Pan-Amazônica (Repam)

 

Em nota assinada pelo cardeal Claudio Hummes, a Rede Eclesial Pan-Amazônica/REPAM-Brasil também expressa sua preocupação, e pede ao poder público que tome "as medidas cabíveis legalmente para identificar e punir os responsáveis pelo crime cometido":

"Nós, da Rede Eclesial Pan-Amazônica/REPAM-Brasil, manifestamos publicamente nossa tristeza e pesar pelo assassinato de uma liderança indígena do povo Wajãpi, no estado do Amapá, no último final de semana. Causa-nos tamanha indignação ver nossos irmãos sendo continuamente dizimados por causa de um projeto político e econômico que não leva em consideração a dignidade humana e a vida das pessoas. Por isso, prestamos nossa solidariedade e comunhão aos Wajãpi.

Lembramos aqui o Papa Francisco que, em Porto Maldonado no Encontro com os Povos da Amazônia, em janeiro do ano passado, disse: “Provavelmente, nunca os povos originários amazónicos estiveram tão ameaçados nos seus territórios como o estão agora. A Amazônia é uma terra disputada em várias frentes: por um lado, a nova ideologia extrativa e a forte pressão de grandes interesses económicos cuja avidez se centra no petróleo, gás, madeira, ouro e monoculturas agroindustriais; por outro, a ameaça contra os vossos territórios vem da perversão de certas políticas que promovem a «conservação» da natureza sem ter em conta o ser humano, nomeadamente vós irmãos amazônicos que a habitais.”

Sim, temos certeza, mais do que nunca, que nossos povos originários estão a cada dia mais ameaçados em seus territórios por um sistema violento, que agride, criminaliza e mata. Exigimos que o poder público tome, imediatamente, as medidas cabíveis legalmente para identificar e punir os responsáveis pelo crime cometido. As terras indígenas e seus povos merecem respeito e que ações de combate às invasões sejam tomadas.

A REPAM-Brasil, juntamente com as entidades e organizações que apoiam a causa indígena, continuará no acompanhamento desse caso e no cuidado para com as populações tradicionais."

29 julho 2019, 07:42