Vatican News
Dom Dimas Lara Barbosa, arcebispo metropolitano da arquidiocese de Campo Grande Dom Dimas Lara Barbosa, arcebispo metropolitano da arquidiocese de Campo Grande 

Terceiro dia da 58ª Assembleia Geral da CNBB

Participam do evento cardeais, arcebispos, bispos diocesanos e auxiliares, coadjutores, além dos bispos eméritos e representantes de organismos e pastorais da Igreja que são convidados. Sobre os trabalhos da terça-feira nós ouvimos o arcebispo de Campo Grande, Dom Dimas Lara Barbosa. Apresentada aos bispos a Campanha da Fraternidade de 2022.

Silvonei José – Vatican News

Terceiro dia de trabalhos da 58ª Assembleia Geral da CNBB que teve início na segunda-feira, dia 12, de modo virtual e se encerra nesta sexta-feira. O tema central do encontro é a Palavra de Deus, seguindo a proposta das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE 2019-2023). Além disso, os bispos estão aprofundando outros 30 assuntos previstos nos estatutos sobre a vida da Igreja e a evangelização no Brasil. Seguindo os estatutos da CNBB, esta será uma Assembleia sem votações que impliquem alterações ou consequências de natureza legislativa para a Conferência. Só irão acontecer as votações de natureza pastoral.

Participam do evento cardeais, arcebispos, bispos diocesanos e auxiliares, coadjutores, além dos bispos eméritos e representantes de organismos e pastorais da Igreja que são convidados. A Igreja Católica no Brasil possui 278 circunscrições eclesiásticas, um total de 475 bispos hoje, dos quais 309 exercendo alguma missão e função de governo mais 166 bispos eméritos.

Mesmo sem a possibilidade de votação de um documento, será debatido o tema “Casas da Palavra – Animação bíblica da vida e da pastoral nas comunidades eclesiais missionárias”.

Sobre os trabalhos do dia de ontem, terça-feira nós ouvimos o arcebispo de Campo Grande, Dom Dimas Lara Barbosa.

Ouça e compartilhe

Apresentada aos bispos a Campanha da Fraternidade de 2022

Promover o diálogo sobre a realidade educativa no Brasil, à luz da fé cristã. Este é um dos objetivos da Campanha da Fraternidade 2022 (CF), que terá como tema “Fraternidade e Educação” e como lema “Fala com sabedoria, ensina com amor” (cf. Pr 31, 26). A proposta foi apresentada, na tarde desta terça-feira (13), aos bispos que seguem reunidos durante a 58ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que pela primeira vez é realizada na modalidade online.

De acordo com o secretário executivo de Campanhas da CNBB, padre Patriky Samuel Batista, o caminho de construção da CF 2022 tem como uma das motivações a celebração dos 40 anos da Pastoral da Educação no Brasil, e o texto-base – documento que norteia as ações da Campanha da Fraternidade – e que segue em elaboração. “Quando nós falamos da realidade educativa, tal realidade não se restringe ao ensino científico e técnico, mas o desejo é lançar o olhar sobre a educação de forma integral”, afirmou.

Para que a Campanha da Fraternidade seja melhor desenvolvida, foram propostos sete objetivos específicos, que são: analisar o contexto da educação, bem como os desafios potencializados pela pandemia; verificar o impacto das políticas públicas na educação; identificar valores e referências da Palavra de Deus e da Tradição Cristã em vista de uma educação humanizadora; refletir sobre o papel da família, da comunidade de fé e da sociedade no processo educativo com a colaboração das instituições de ensino; incentivar propostas educativas que, enraizadas no Evangelho, promovam a dignidade humana, a experiência do transcendente, a cultura do encontro e o cuidado com a casa comum; estimular a organização do serviço pastoral junto às escolas, universidades, centros comunitários e outros espaços educativos; e promover uma educação comprometida com novas formas de economia, de política e de progresso verdadeiramente a serviço da vida humana, em especial, dos mais pobres.

 Escutar, propor e discernir

Anualmente, os temas propostos pela Campanha da Fraternidade são trabalhados a partir do método “Ver, Julgar e Agir”. Em 2022 o “Ver” será na perspectiva de escutar; o “Agir” seguirá no caminho do propor; e o “Julgar” voltará o olhar para o discernimento. “O desejo da equipe executiva e do que foi proposto pelos bispos tem em vista o que o Papa Francisco propõe no Pacto Educativo Global”, disse o padre Patriky.

Família e educação

Além das ações próprias da Campanha da Fraternidade, os bispos deverão escrever uma carta aos educadores brasileiros. “O Texto-base é fundamental, mas não é um texto que chega às famílias como um texto integral. Nós pensamos que seria oportuno que um grupo de bispos pudesse escrever uma carta aos educadores e às famílias, de modo que possa ser amplamente divulgada. Não precisa ser um documento, mas uma carta que o Conselho Permanente, que será realizado em outubro, pudesse aprovar. A sugestão tem como pano de fundo a palavra do episcopado para a Quaresma de 2022 sobre a importância da educação”, afirmou o arcebispo de Montes Claros (MG) e presidente da Comissão Episcopal para a Cultura e Educação, dom João Justino.

O arcebispo de São Paulo, cardeal Odilo Pedro Scherer, destacou que é necessário dar espaço ao papel da família como base educacional. “A família tem um papel importante na educação, papel que não é suprido na escola. Eu acredito que seja muito importante dar este espaço, porque a família foi sendo muito alijada, a educação vem sendo terceirizada”, afirmou.

“Dentro da temática que foi proposta, eu vejo que é muito importante, porque hoje vemos uma educação bastante técnica e uma educação carente de valores. A Campanha da Fraternidade sempre foi bem aceita nas escolas e nas universidades, que sempre solicitam material. A educação está carente de valores humanitários e éticos que favoreçam os valores cristãos como nos pede o Papa Francisco”, destacou o arcebispo de Santarém (PA), dom Irineu Roman.

É importante destacar que, no contexto atual, a pandemia é abordada por um eixo transversal, que perpassa por todos os objetivos propostos. As contribuições apresentadas pelos arcebispos e bispos serão levadas, pelo padre Patrick Samuel, à equipe executiva da CF 2022.

Fonte: CNBB

 

 

14 abril 2021, 14:51