Vatican News
Basilica do Getsêmani Basilica do Getsêmani 

Getsêmani, onde as oliveiras milenares, os textos bíblicos e a arqueologia se encontram

A atual Basílica foi construída entre 1922 e 1924. Para sua construção, várias nações colaboraram com grandes doações, por isso também é chamada de Basílica das Nações.

Lurdinha Nunes- Jerusalém

O Jardim do Getsêmani é composto por oito oliveiras muito antigas. Segundo os evangelistas Mateus e Marcos, é o lugar onde Jesus foi traído por Judas e preso enquanto orava com seus discípulos após a última Ceia.

Fr. Eugenio Alliata, arqueólogo do Studium Biblicum Franciscanum,nos conduz a uma peregrinação às origens deste Santuário.

Fr. EUGENIO ALLIATA, ofm - Arqueólogo Studium Biblicum Franciscanum 

Os franciscanos, conduzindo peregrinos vinham ao Getsêmani, e onde paravam? Paravam em um pequeno jardim com oliveiras muito antigas, chamadas "as oliveiras dos romanos". Essas oliveiras pertenciam a proprietários muçulmanos de Jerusalém. Foram os mercadores bósnios que compraram as terras no século XVII e fizeram uma doação votiva aos cristãos. E assim o lugar foi fechado por um muro e passou a ser exclusivamente um lugar de oração.Posteriormente a Custódia quis ampliar este terreno com as oliveiras e comprou um terreno adjacente e foi precisamente neste local que veio à luz ruinas de antigas igrejas.

A igreja é mencionada pelos primeiros  peregrinos, como a “igreja da oração”, porque a dedicação da igreja é para fazer memória da oração de Jesus no Getsêmani: “Pai! Tudo é possível para ti. Afasta de mim este cálice. Mas seja feita a tua vontade” Este é o centro da mensagem do lugar, a oração de Jesus. E sobre as ruinas de uma igreja bizantina do IV século foi construida a nova Igreja.

A atual Basílica foi construída entre 1922 e 1924. Para sua construção, várias nações colaboraram com grandes doações, por isso também é chamada de Basílica das Nações. O projeto da nova igreja foi confiado ao arquiteto italiano Barluzzi e Fr. Gaudenzio Orfali. No centro da basílica está a rocha da agonia de Jesus.

Em 2020, escavações arqueológicas, realizadas pelo Studium Biblicum Franciscanum de Jerusalém e pela Autoridade de Antiguidades de Israel, também trouxeram à luz um mikveh ou seja, um banho ritual judaico de 2.000 anos, uma igreja bizantina e os restos medievais de um mosteiro juntamente com algumas cisternas.

Fr. FRANCESCO PATTON, ofm - Custódio da Terra Santa

A arqueologia, neste caso, é uma confirmação daquilo que a tradição transmitiu a partir dos textos bíblicos. E quando temos esses três elementos - texto bíblico, tradição e arqueologia - podemos dizer que temos elementos de suficiente certeza para identificar o lugar.

Também as Oliveiras do Getsêmani foram submetidas à análise de especialistas em biologia e fisiologia vegetal de universidades italianas e do Conselho Nacional de Pesquisa, a pedido da Custódia da Terra Santa.

O estudo mostrou que os  troncos e ramos das oliveiras têm cerca de 900 anos, o que as coloca entre as oliveiras mais antigas que se conhece. Mas não apenas isso; a raiz pode ser ainda mais antiga e todas têm o mesmo DNA o que significa que foram tiradas de uma única arvore.Também os últimos papas em peregrinação à Terra Santa, veneraram a pedra da Agonia de Jesus e Papa Paulo VI em 1964 e Papa Francisco em 2014, plantaram uma oliveira no jardim. Para cada cristão, as oliveiras constituem uma referência viva à Paixão de Cristo.

Fr. BENITO JOSÉ CHOQUE, ofm Guardião da Basílica do Getsêmani

Nesta peregrinação quaresmal de 2021, beijando a rocha da agonia do Senhor, pedimos vida e reconciliação para todos, especialmente neste tempo de pandemia, onde todos nós estamos sofrendo.

Getsêmani

 

 

13 março 2021, 10:48