Vatican News
Católica japonesa durante Missa celebrada pelo Papa no Japão Católica japonesa durante Missa celebrada pelo Papa no Japão  (AFP or licensors)

EUA-Rússia: que o desarmamento nuclear seja uma prioridade, pedem bispos

"Se o Novo Tratado Start expirar em fevereiro de 2021, Estados Unidos e Rússia não terão, pela primeira vez desde 1972, limites juridicamente vinculantes e verificáveis para seus arsenais nucleares estratégicos, o que também poderá ter implicações significativas para a segurança europeia e a paz global", advertem os prelados dos EUA e UE.

Vatican News

Ouça e compartilhe!

Nesta segunda-feira, 22 de junho, realiza-se em Viena, Áustria, uma reunião de alto nível entre Estados Unidos e a Rússia sobre a questão do controle de armas nucleares e sobre o Novo Tratado "Start", assinado pelos dois países em 8 de abril de 2010, focado precisamente na redução de armas nucleares.

Em vista do encontro, os bispos dos Estados Unidos e da União Europeia divulgaram uma declaração conjunta, assinada pelo arcebispo David J. Malloy, presidente do Comitê episcopal dos Estados Unidos sobre justiça internacional e paz, e pelo arcebispo Rimantas Norvila, presidente da Comissão para as Relações Externas da Comece (Comissão das Conferências Episcopais da Comunidade Europeia). 

 

Ao convidar todos os católicos e crentes a "rezar por um diálogo frutífero que faça progredir o necessário controle dos armamentos, assim como o desarmamento, promovendo um mundo mais pacífico e justo", os prelados recordam que "se o Novo Tratado Start expirar em fevereiro de 2021 , os Estados Unidos e a Rússia não terão, pela primeira vez desde 1972, limites juridicamente vinculantes e verificáveis ​​para seus arsenais nucleares estratégicos, o que também poderá ter implicações significativas para a segurança europeia e a paz global".

Embora "o horror de uma potencial guerra nuclear" pareça ser distante há muito tempo com o final da guerra fria, a declaração conjunta adverte que "os recentes desdobramentos geopolíticos nos recordam que nosso mundo permanece em grave perigo".

Disto, os votos de que o encontro neste dia 22 de junho possa ser "caracterizado pela sabedoria, pela construção da confiança e cooperação para tornar o controle de armas e o desarmamento nuclear uma prioridade máxima".

Por fim, os prelados recordam o chamado do Papa Francisco em Nagasaki, durante sua Viagem Apostólica ao Japão, em novembro de 2019: "Oxalá a oração, a busca incansável de promover acordos, a insistência no diálogo sejam as «armas» em que deponhamos a nossa confiança e também a fonte de inspiração dos esforços para construir um mundo de justiça e solidariedade que forneça reais garantias para a paz."

Vatican News - IP

Photogallery

Encontro sobre controle de armas nucleares em Viena
22 junho 2020, 07:25