Cardeal Giuseppe Siri (Vatican Media) Cardeal Giuseppe Siri (Vatican Media)

As palavras de Siri e os “leões do teclado”

Em 1972, o cardeal arcebispo de Gênova comentou para futuros sacerdotes sobre o mandamento de Jesus “Amai vossos inimigos” e lembrou que nenhuma boa causa a ser defendida pode se misturar com antipatia ou ódio. Declarações esclarecedoras sobre o estilo dos cristãos que usam a mídia social

Andrea Tornielli

Ouça e compartilhe

Nenhuma boa causa para defender pode se misturar com antipatia ou ódio, porque a instrução que Jesus nos deu é amar até mesmo nossos inimigos. Essas palavras foram ditas há mais de meio século, quando não existiam blogs e mídias sociais, mas são esclarecedoras para a leitura da realidade atual. O áudio de sua homilia restitui sua voz forte e clara: celebrando ordenações no Seminário de Gênova em 26 de fevereiro de 1972, o cardeal arcebispo Giuseppe Siri comenta as palavras de Jesus trazidas no Evangelho de Mateus e explica que “se quisermos seguir Cristo... devemos destruir em nossas almas todo movimento de antipatia de qualquer forma”.

O cardeal disse aos futuros sacerdotes: “Queridos, chamo a atenção de vocês para a gravidade, a solenidade, a peremptoriedade absoluta, inderrogável e irreversível da passagem do Evangelho que lemos, que se resume a isto: amai vossos inimigos. É a coisa mais difícil que a Lei de Deus nos pede: não apenas perdoar - isso está implícito, Jesus disse isso muitas vezes e talvez seja o ponto em que mais se deteve. Não apenas perdoar, não apenas esquecer, não apenas ser índio: amar. Entenderam?”

Siri continuou: “Amar nossos inimigos não nos faz olhar para nossos inimigos... mas para nós. Portanto, neste mundo, se quisermos estar com Cristo, não podemos ter ninguém que nos seja antipático. Ninguém. Devemos destruir em nossa alma cada movimento de antipatia em todo caso.... Portanto, não há nenhuma causa em que possamos nos deixar levar pelo entusiasmo, pelo fanatismo, pelo fervor do cruzado de defender sabe-se lá o quê... mesmo quando temos uma boa causa a defender, mesmo quando temos as maiores e mais graves razões de nosso ministério, de nosso dever de defender as coisas de Deus, não podemos misturar tudo isso nem com antipatia nem - com razão ainda maior - com ódio.

Para o cardeal, “todas as causas - este é um dos elementos de confusão de nosso tempo - todas as causas, mesmo as boas, são todas - ou quase todas - reivindicadas com ódio. E quem tem isso, como pode entrar na igreja? Como pode se apresentar diante do altar? Jesus Cristo diz, no mesmo capítulo de Mateus: ‘Se estiveres para trazer a tua oferta ao altar e ali te lembrares de que o teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa a tua oferta ali diante do altar e vai primeiro reconciliar-te com o teu irmão; e depois virás apresentar a tua oferta’”.

O arcebispo Siri descreveu esse discurso como “o mais difícil de todo o Evangelho. Mas: ou de cá ou de lá. Ou estamos com Jesus Cristo, e então esse discurso se aplica; ou esse discurso não se aplica: que ninguém se iluda achando que pode estar com Jesus Cristo. Ninguém!” E continuou sua homilia relembrando os dois argumentos que Jesus apresentou para essa lei exigente de amor incondicional. O argumento positivo é: “Sede perfeitos como o vosso Pai celestial é perfeito, que faz nascer o sol sobre os bons e sobre os maus, e envia a chuva vivificante sobre os justos e sobre os injustos”. Vejam que Deus não faz tantas distinções quanto nós”. Já o argumento negativo é: “Mas, se amais somente aqueles que vos amam, sois pagãos - pagãos!” E creio que não há ninguém aqui que tenha a intenção de fazer uma igrejinha para amar esse grupo de seguidores, de iniciados, de amigos, porque digo a vocês agora mesmo: isso não é cristão, é pagão! Ele disse isso”. O estilo do Senhor, concluiu o cardeal, é “Dar, dar infinitamente”. É então que imitamos o Senhor: quando retribuímos o mal com o bem”.

O Evangelho, como as palavras de Siri, ditas há mais de meio século, nos lembram, é um desafio constante para todos nós que nos consideramos cristãos, para que não cedamos à tentação de usar uma linguagem de ódio ou zombaria, mas palavras boas, para expressar o amor de Deus que quer salvar e não condenar.

Obrigado por ter lido este artigo. Se quiser se manter atualizado, assine a nossa newsletter clicando aqui e se inscreva no nosso canal do WhatsApp acessando aqui

22 maio 2024, 12:45