Busca

Vatican News

Vaticano, religiões unidas pelo planeta: mudar o rumo para ter futuro

No Vaticano, a assinatura e a oração silenciosa, os discursos do cardeal Parolin, de uma jovem participante da Youth4Climate de Milão e dos 22 representantes das religiões da Terra, desde o Grão Imame Al-Tayyeb ao Patriarca Bartolomeu, do Arcebispo Welby aos líderes judeus e budistas, presentes no evento "Fé e Ciência: rumo à Cop26".

Alessandro Di Bussolo/Mariangela Jaguraba – Vatican News

A caneta para assinar o apelo sobre o qual estão trabalhando desde o início do ano, o silêncio para rezar juntos, cada um de acordo com seuss próprios credos, mantendo no coração os pobres, os primeiros a serem danificados pelas mudanças climáticas, a voz para reiterar o compromisso de salvar a Terra, nossa Casa comum, e por fim a mão para derramar um copo de terra no vaso de uma jovem oliveira plantada nos Jardins Vaticanos.

Ouça e compartilhe

A assinatura do apelo, entregue ao presidente da Cop26

Quatro gestos e momentos resumem o evento histórico realizado na manhã de 4 de outubro, festa de São Francisco de Assis, na Sala das Bênçãos, no Vaticano, intitulado "Fé e Ciência: rumo à Cop26", promovido pelas embaixadas do Reino Unido e da Itália junto à Santa Sé, junto com a própria Santa Sé. Os protagonistas foram 22 dos 40 líderes religiosos que prepararam e depois aderiram ao apelo assinado e entregue hoje ao presidente da Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas a ser realizada, em Glasgow, na Escócia, de 31 de outubro a 12 de novembro, mas também dois jovens participantes do evento "Youth4Climate" em Milão, que prepararam propostas para a Cop26, os cientistas presidentes das Pontifícias Academias das Ciências e Ciências Sociais.

Oração silenciosa, "com os pobres no coração"

O encontro, apresentado pelo diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Matteo Bruni, abriu-se com a leitura de um resumo do apelo, enquanto os líderes presentes e os representantes daqueles que não puderam comparecer (mas enviaram mensagens em vídeo transmitidas no final da manhã) assinaram o apelo. Após a última assinatura, a do Papa Francisco, Bruni convidou os participantes a um momento de oração silenciosa "levando no coração sobretudo os mais pobres e marginalizados, aqueles que primeiramente e de maneira mais forte sofrem os danos causados pelas mudanças climáticas".

Parolin: "Promover uma mudança de rumo da humanidade"

O secretário de Estado Vaticano, cardeal Pietro Parolin, saudou todos os participantes, ressaltando que, como seres humanos, "somos interpelados por vários pedidos sobre como estamos interagindo dentro de nossa Casa comum em relação à criação e ao próximo". Não apenas pelas gerações presentes, mas também pelas futuras, representadas pelos jovens", como as presentes na sala depois de Youth4Climate. O secretário de Estado sublinhou que "a ciência denunciou o perigo da trajetória do caminho que a humanidade está tomando" e que não faltam apelos "pedindo uma mudança de rumo urgente diante desses fracassos que testemunham uma perda de valores". Nós, líderes religiosos, conclui Parolin, "arautos da consciência moral da humanidade, temos a tarefa de favorecer esta mudança de rumo e fazer reflorescer os muitos desertos que se encontram no caminho da humanidade".

Jovem discursa na Sala das Bênçãos
Jovem discursa na Sala das Bênçãos

Federica: "Prioridades dos jovens: zero emissões em 9 anos"

Federica Gasbarro, da Cop dos jovens, levou a perspectiva dos jovens e suas expectativas para o futuro, que fala sobre quatro prioridades identificadas pelos dois jovens delegados para cada país membro da conferência. Em primeiro lugar, o apoio econômico aos países vulneráveis, "porque eles não podem enfrentar sozinhos as catástrofes do aquecimento global, e não podem iniciar a transição energética porque não têm energia". Depois, há o compromisso de alcançar zero emissões de gás até 2030, a educação escolar sobre o meio ambiente e as mudanças climáticas e, por último, a necessidade de "dar aos jovens outras oportunidades, após Youth4Climate, para que possam participar ativamente do processo de tomada de decisões".

Sharma (Cop26): "Um forte apelo à ação para o mundo"

Após a breve intervenção do Papa, convidando as pessoas a ler o seu discurso para deixar espaço para todos os testemunhos, o presidente da Cop26, parlamentar britânico de origem indiana Alok Sharma, ao receber o apelo de Francisco, enfatizou que "este é um apelo muito forte à ação para o mundo inteiro. Agradeço-lhe por sua força". Ao seu lado, o ministro das Relações Exteriores italiano Luigi Di Maio sublinhou que "a contribuição dos líderes religiosos é crucial", assim como "a participação dos jovens é essencial, quando falamos do nosso e do seu futuro". Di Maio falou da importância da "diplomacia climática" para garantir a paz, pois o aquecimento global é um multiplicador de riscos, focalizando o Sahel, "a região que aquece 20 vezes mais". Ele também ressaltou que a cúpula de chefes de Estado e de governo do G20 que a Itália presidirá em Roma nos dias 30-31 de outubro poderá dar uma contribuição importante para a Cop26.

Evento "Fé e Ciência: rumo à Cop26"

Al-Tayyeb: "A nossa influência espiritual sobre quem toma decisões"

O primeiro dos líderes religiosos a tomar a palavra, para um breve discurso, foi o Grão Imame da Universidade Al-Azhar, no Cairo, Al-Tayyeb, que assinou com o Papa o Documento de Abu Dhabi sobre a Fraternidade Humana. Ele saudou Francisco chamando-o de "irmão" e resumiu em três pontos a abordagem do Islã sobre o ambiente. A religião de Maomé também atribui uma consciência aos animais e plantas, "elementos vivos que glorificam a Deus em sua linguagem, que nós humanos não podemos compreender". A história da Criação no Alcorão "reitera que Deus designou a Terra ao primeiro homem como seu servidor, e o advertiu contra corrompê-la". Por fim, "Deus encarregou os profetas para lembrar os humanos de não corromper a Terra". Portanto, é claro, concluiu o Grão Imame, a autoridade máxima do Islã sunita, "que Deus confiou a Terra ao homem e lhe pediu que se relacionasse com animais e plantas de amigo para amigo". Al-Tayyeb pediu aos jovens muçulmanos "para que denunciem qualquer atividade que corrompa o ambiente", e exortou seus irmãos religiosos "a assumirem sua responsabilidade nesta crise, exercendo sua influência espiritual sobre os que tomam decisões políticas, construtores e líderes empresariais, para torná-los conscientes dos riscos da corrupção ambiental".

Bartolomeu: "O resultado de um diálogo, que deve continuar"

O Patriarca Ecumênico de Constantinopla Bartolomeu ressaltou que o gesto dos líderes religiosos que assinaram o apelo "é um gesto simbólico de grande força, porque é o resultado de um diálogo e de um apelo para continuar". Um diálogo antes de tudo entre todas as religiões do mundo e os fiéis para preservar a criação doada por Deus, porque "as gerações futuras merecem herdar um mundo melhor e mais limpo". Um diálogo entre fé e ciência, que tem sido fortalecido nos últimos meses, e por fim, "o diálogo entre as criaturas e nosso Criador, de modo que, como nós cristãos rezamos no Pai-Nosso, a vontade de Deus possa ser feita no céu como na terra". Precisamos deste diálogo, concluiu o Patriarca Ecumênico, "para respirar com simplicidade e amar-nos uns aos outros com simplicidade".

Maranos: "Unidos na preocupação pela Terra que Deus nos deu"

Então o rabino Noam Marans, do Comitê Judaico Internacional para Consultas Inter-Religiosas, reiterou como todos os líderes estão "unidos na preocupação pela Terra que Deus nos confiou, conforme escrito na Torá, para trabalhá-la e protegê-la". E se está escrito no Talmud que "salvar uma vida é como salvar o mundo inteiro, se conseguirmos salvar o mundo, salvaremos muitas vidas criadas à imagem de Deus". Pedimos aos líderes políticos, conclui o rabino, "que ajam e façam o que devem para preservar nossa Casa comum".

Welby: "Nossa peregrinação rumo a uma economia limpa"

O Arcebispo de Cantuária, Justin Welby, Primaz da Igreja Anglicana, deixou claro que "uma peregrinação em direção a uma economia limpa que reduz as emissões de carbônio e aumenta o uso de fontes renováveis" é indispensável. De acordo com Welby, uma economia verde global também deve ser apoiada através de novos taxas que penalizem aqueles que não a seguem. Uma verdadeira parceria com o hemisfério sul também é essencial, não apenas para evitar os danos causados pelo aquecimento global, mas também para dar a esses países a chance de cooperar com o Ocidente mais desenvolvido "como motores de mudança". Por fim, o primaz anglicano enfatizou que neste último século "declaramos guerra à criação e esta guerra afeta antes de tudo os mais pobres entre nós". O mundo tem pouco tempo para fazer o que é certo".

Mineghisi: "Com nossas ações concretas, o mundo pode mudar"

Entre os vinte e dois, breves intervenções se destacam como a do diretor do gabinete europeu do "Soto Zen Budista", Shoten Mineghisi, que sublinhou, como budista, que está "profundamente consciente do fato de que tudo está interligado: se fizermos ações concretas em nosso cotidiano, o mundo inteiro pode mudar”. E enfatiza a importância de “uma vida simples, que siga a tradição e dependa o máximo possível da reciclagem”. A verdadeira riqueza da vida, conclui, “não é material, mas espiritual, para chegar a uma perspectiva de vida em harmonia com todos os seres vivos”. Depois dele, o metropolita Hilarion, representante do patriarca de Moscou Kirill, explicou que a Igreja Ortodoxa Russa "promove um senso de responsabilidade compartilhada para com a criação de Deus". Que este apelo, é o seu desejo, “seja um novo começo para as nossas comunidades e para o mundo inteiro: é necessária uma conversão do coração. A destruição ecológica foi provocada pelo desejo de enriquecimento injusto de uns em detrimento de outros”.

Ayatollah Damad: "Quem acredita em Deus não pode corromper a natureza"

A voz do Islâ xiita é a do aiatolá Damad, chefe do Departamento de Estudos Islâmicos da Academia de Ciências de Teerã, para quem "a catástrofe ecológica é uma crise moral e intelectual e os líderes religiosos podem desempenhar um papel fundamental em enfrentá-la". No mundo não existem apenas aqueles que veem a natureza apenas como uma coisa a ser explorada em benefício do homem, mas também aqueles que a consideram divina, e a expressão de uma única existência que manifesta o Criador. “Por eles” - lembra o aiatolá - “a natureza merece um respeito enorme. No Alcorão, a natureza fala a Alá como fazem os seres humanos, e glorifica e exalta a Deus. Os fiéis não podem corromper a natureza”. “O próprio Deus, no início dos tempos, perguntou ao homem duas coisas, que não se prejudicasse e que protegesse a natureza. Hoje, a humanidade quebrou este pacto. A missão de todos os fiéis no mundo é unir-se para responder a esta obrigação divina”, conclui o religioso iraniano.

O "bispo das árvores" na Tanzânia: pare as emissões de gases de efeito estufa

Dom Frederick Shoo, presidente da Igreja Luterana na Tanzânia, que as pessoas chamam de "bispo das árvores", conta como há mais de 20 anos plantou árvores nas encostas do Kilimanjaro, e agora convidou sua comunidade na Tanzânia fazer o mesmo. "Hoje, faz isso todo adolescente que se prepara para a Crisma. As mudanças climáticas é uma ameaça para todos nós. Temos a obrigação moral de fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para acabar com as emissões de gases de efeito estufa", disse ele.

Gallagher: "Agora, uma ação rápida, responsável e partilhada"

O encerramento dos trabalhos da manhã foi confiado ao arcebispo Paul Gallagher, secretário para as Relações com os Estados da Santa Sé, que reitera como o apelo que acaba de ser assinado “destaca claramente a necessidade de mudança, transformação e conversão, desafio que exige uma ampla e coesa colaboração". E retoma as palavras finais: “Pedimos à Comunidade internacional, reunida na COP26, que tome uma ação rápida, responsável e compartilhada para salvaguardar, restaurar e curar nossa humanidade ferida e a casa confiada à nossa custódia. Fazemos um apelo a todos para que se unam a nós neste caminho comum”. À tarde, o evento continua com uma sessão a portas fechadas no Palazzo Borromeo, sede da Embaixada da Itália junto à Santa Sé.

Ao final do evento, todas as mensagens em vídeo dos participantes que não puderam comparecer à reunião foram transmitidas.

Som original
Crônica em inglês
04 outubro 2021, 18:27