Busca

Vatican News
Jovem migrante resgatado em Ceuta na Espanha Jovem migrante resgatado em Ceuta na Espanha 

Parolin: olhemos para os migrantes com o Evangelho, não com visões politizadas

Da Basílica de Santa Maria em Trastevere, em Roma elevou-se uma oração em memória dos que perderam suas vidas nas viagens para a Europa. Durante a vigília, o Secretário de Estado Cardeal Parolin exortou as pessoas a não se deixarem guiar por certas convicções políticas, mas pela "Palavra radical e determinada" do Evangelho que nos convida a amar o próximo

Amedeo Lomonaco – Vatican News

Alguns dos nomes dos desaparecidos na tentativa de chegar à Europa e a luz das velas acesas em memória das 43.390 pessoas que morreram desde 1990, sem contar os desaparecidos, marcaram a oração "Morrer de esperança". A vigília de oração foi realizada no final da tarde da terça-feira (15/06) na Basílica de Santa Maria em Trastevere, em Roma e organizada pela Comunidade de Santo Egídio junto com outras associações envolvidas no acolhimento e integração de migrantes, em vista do Dia Mundial do Refugiado que se celebra no dia 20 de junho. A celebração contou com a presença do Secretário de Estado Cardeal Pietro Parolin e também estavam presentes, migrantes de vários países, familiares e amigos dos que perderam suas vidas no mar.

Ouça e compartilhe

Naufrágio da civilização

Em sua homilia o Cardeal Parolin, referindo-se à passagem evangélica da tempestade sedada, exortou as pessoas a voltarem seus olhos para as "tantas vidas despedaçadas enquanto, em terra ou no mar, estavam em busca de esperança". Somente de junho de 2020 até hoje pelo menos 4071 pessoas perderam suas vidas no Mediterrâneo e ao longo das rotas terrestres, numa tentativa de alcançar o continente europeu. "É uma tragédia - disse o cardeal - que há anos vem batendo às portas de nossa casa e especialmente à porta de nossa consciência. E que poderia tristemente degenerar em um verdadeiro naufrágio da civilização".

De “mare nostrum” a “mare mortuum"

O Mar Mediterrâneo há muito tempo tem sido "mais um lugar de confronto do que um símbolo de encontro". “Em torno das águas que testemunharam o nascimento de algumas das civilizações mais esplêndidas da história", sublinhou o Cardeal Pietro Parolin, "assiste-se a um retrocesso da vida comum, com naufrágios, mortes, cenas de raiva e miséria, debates e discussões sem fim, exploração de vários tipos e, acima de tudo, muita indiferença. O antigo nome dado pelos romanos ao Mediterrâneo, mare nostrum, "corre o risco de se transformar em um desolador mare mortuum".

Guiados não por convicções políticas, mas pelo Evangelho

Sobre a questão da migração, o risco indicado pelo Secretário de Estado do Vaticano "é o de ficarmos distraídos, e de despertar repentina e brevemente apenas quando a notícia nos coloca imagens chocantes diante dos olhos, como as recentes de crianças mortas na praia de Zuwara, na Líbia". Este risco é agravado por um problema "representado por fechados círculos partidários que são difíceis de atravessar". "E que correm o risco de degenerar em visões antitéticas e politizadas: acolhida contra defesa das fronteiras, solidariedade contra segurança, internacionalismo contra patriotismo". São antinomias que nos fazem esquecer a singular concretude de cada pessoa humana".

Devemos admitir que mesmo entre os crentes somos muitas vezes guiados por certas convicções políticas, e não pela Palavra radical e determinada do Evangelho, que nos exorta a não sermos contra ninguém e a amar o próximo, todo próximo, especialmente o mais fraco, aqueles através dos quais Jesus nos repete: "Eu estou ali". Este é o programa cristão, que não se deixa subordinar pelas oportunidades do momento, porque - escreveu Bento XVI - "é um coração que vê" (Deus caritas est, no. 31).

Convidados à fraternidade

"Na tempestade que enfrentamos", observou o Secretário de Estado, "o Senhor nos oferece uma bússola". Atingidos por ventos que empurram em direções opostas, para nos orientarmos devemos olhar para cima".

Nosso firmamento é o Evangelho. Ele nos convida à fraternidade, para descobrir que não podemos adorar a Deus, ignorando nossos irmãos e irmãs. O Papa disse: " Ao contemplarmos o mesmo céu alguns milênios depois, aparecem as mesmas estrelas. Iluminam as noites mais escuras, porque brilham juntas. O céu oferece-nos assim uma mensagem de unidade: sobre nós, o Altíssimo convida a não nos separarmos jamais do irmão que está ao nosso lado. O Além de Deus envia-nos mais além de nós, ao outro, ao irmão " (Encontro Inter-religioso, cit.). Hoje somos chamados a fazer isso, a rejeitar proclamações individualistas e abstratas, a fim de nos comprometermos com propostas de solidariedade e concretude. É a única maneira de não perder o rastro do humano e, ao mesmo tempo, do divino.

Oração pelas instituições europeias

"A solidariedade - disse o cardeal - é o caminho para sair da escuridão da tempestade". E exortou a todos a rezar "também pelos governantes e líderes da sociedade civil".

"Rezemos pelas instituições europeias, para que a questão migratória encontre finalmente uma resposta solidária". A Europa, de fato, só será capaz de apresentar um futuro coeso se souber ir além da busca de interesses particulares e seguir políticas abrangentes que visem uma integração cada vez mais essencial. Se a unidade não for encontrada na solidariedade, será difícil encontrá-la em qualquer outra coisa. Na verdade, os interesses não se unem verdadeiramente, mas se fecham sobre si mesmos".

Olhar os nomes, não números

A exortação, ressoada na homilia, é de "voltar nossa atenção para nomes antes dos números, para os rostos antes das estatísticas, para histórias de vida antes dos fatos e crônicas". Nomes, rostos e histórias como as que deram ritmo à Vigília de Oração "Morrer de Esperança", promovida pela Comunidade de Santo Egídio junto com outras associações empenhadas em acolher e integrar pessoas que fugiram de guerras ou situações insustentáveis em seus países (Associação Centro Astalli, Caritas Italiana, Fundação Migrantes, Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, Rede Internacional de Migração Scalabrini, ACLI, Associação Comunitária Papa João XXIII, ACSE).

16 junho 2021, 10:23