Busca

Vatican News
Estudantes em época de pandemia Estudantes em época de pandemia  A história

Escolas Green na Itália: para os jovens, o meio ambiente é cuidar de si e dos outros

Em dezembro de 2019, nasceu na Itália a Rede de Escolas Green: hoje engloba mais de 800 institutos com o objetivo de dedicar caminhos ad hoc à reciclagem, à redução do uso de plástico, à coleta seletiva de resíduos e à preferência por produtos biodegradáveis. A diretora da Escola Pública Orazio de Roma, Maria Grazia Lancellotti, falou ao Vatican News sobre a iniciativa, lembrando dos princípios da encíclica Laudato si' do Papa Francisco.

Giada Aquilino - Vatican News

Quando o "empurrão" para uma atenção especial à sustentabilidade ambiental e ao que nos cerca "vem tão fortemente dos alunos", as escolas têm "o dever de responder". Maria Grazia Lancellotti é a professora chefe da Escola Pública Orazio de Roma, um colégio de endereço clássico e linguístico que, junto com a Escola Socrate e o Instituto Integral Fontana, é líder da Rede de Escolas Green em toda a Itália.

Esta é uma realidade que nasceu em dezembro de 2019 e, hoje, abrange mais de 800 escolas em todo o país: o objetivo é dedicar caminhos ad hoc à reciclagem, à redução no uso de plástico, à coleta seletiva, à preferência por produtos biodegradáveis, em uma palavra, ao meio ambiente compreendido, como explica o professor que coordena a rede junto com os colegas Carlo Firmani e Lucia Presilla, "como um todo", como "bem-estar externo e ao mesmo tempo também bem-estar interior".

Maria Grazia Lancellotti
Maria Grazia Lancellotti

O 2015, ano crucial

Maria Grazia Lancellotti conta sobre a "chamada" dos mais de 1.300 alunos de ensino médio do Orazio para cuidar da casa comum. A rede nasceu "na onda das Fridays for Future, porque começamos a ver que nossos filhos tinham um grande desejo de participar desses eventos. As sugestões já nos haviam chegado antes, a partir de 2015, que foi um ano crucial, com a publicação da Laudato si' do Papa Francisco, um documento precursor de todos aqueles que foram os temas sobre a sustentabilidade apresentados posteriormente na Agenda 2030 da ONU".

Mobilização dos estudantes durante a iniciativa "Fridays for Future"
Mobilização dos estudantes durante a iniciativa "Fridays for Future"

O "momento decisivo", reflete a professora Lancellotti, veio "com a mobilização de Greta Thunberg e o pedido direto dos jovens" da necessidade de "uma pedagogia atenta a essas questões: digamos que os jovens nos ensinaram mais do que nós lhes ensinamos, entendendo que o tempo tinha sido realmente escrito e não havia mais como esperar, tínhamos que começar".

Não somente plastic free

Como rede e como escola, acrescenta ela, "é importante que coloquemos em prática comportamentos virtuosos". O primeiro deles é o plastic free, por isso iniciamos processos para reduzir a produção e o uso de materiais plásticos e não recicláveis, prestamos atenção à coleta e reciclagem separada de resíduos: não apenas a reciclagem dos materiais mais comuns, mas também, por exemplo, no nosso caso, a reciclagem de telefones celulares exauridos, que depois são reutilizados através de uma associação através dos componentes que ainda funcionam".

Nas salas de aula, "foram colocados recipientes para a coleta seletiva de lixo, que os jovens têm então que levar para os corredores onde há os maiores". Para aqueles que vivem em áreas vizinhas, "também tentamos desencorajar o uso de seus próprios meios de transporte poluentes, por exemplo, existem racks nos espaços abertos" dedicados às bicicletas e também organizamos "atividades relacionadas ao conhecimento e à disseminação, através de reuniões com especialistas em vários tópicos".

O cultivo de hortaliças na Escola Orazio, em Roma
O cultivo de hortaliças na Escola Orazio, em Roma

"E há uma experimentação particular com hortas escolares, para o cultivo de verduras: uma iniciativa que estava indo bem no ano passado, depois houve o bloqueio que diminuiu o tempo, mas retomou com maior impulso" nas últimas semanas.

As medidas anti-Covid

A pandemia em curso alterou, sem dúvida, os nossos hábitos. O lockdown, diz a diretora, "nos paralisou um pouco, nos deteve e nos forçou a reimaginar nossas ações". Infelizmente, em termos de segurança e higiene, tudo isso colide com o que antes eram muitas boas práticas, pois agora temos que lidar, por exemplo, com o problema da eliminação de máscaras usadas, que agora fazem parte do descartável diário. No que diz respeito aos detergentes, nós e outras escolas temos dado preferência à compra de detergentes totalmente biodegradáveis e sustentáveis, e agora estamos tentando encontrar associações e fornecedores que possam nos disponibilizar materiais mais adequados para a emergência atual". A estrutura da escola também foi redesenhada e reorganizada "no que diz respeito ao distanciamento". "Com o retorno à escola" antes das férias de verão, as aulas ao ar livre foram consideradas: "uma primeira experiência para depois aprofundar a possibilidade do uso de espaços ao ar livre".

A educação ambiental

O Papa Francisco, na encíclica Laudato si', observa como a educação ambiental vem ampliando seus objetivos, incluindo agora uma crítica a certos mitos da modernidade, do individualismo ao progresso indefinido, do consumismo ao mercado sem regras, e recuperando os diferentes níveis de equilíbrio ecológico: "o interior consigo mesmo, aquele solidário com os outros, aquele natural com todos os seres vivos, aquele espiritual com Deus" (210). A professora Lancellotti observa como "os jovens são profundamente afetados e até mesmo desestabilizados pelo que aconteceu" nos últimos meses em relação à pandemia e nos últimos anos em relação à mudança climática e aos danos causados à Terra pelo homem: os jovens "estão, em minha opinião, buscando e precisam de pontos de referência mais profundos que não são apenas externos, porque vimos que ter muito neste momento não economiza. O que salva são comportamentos de solidariedade, ou seja, o respeito aos outros, sabendo que cuidar de si mesmo também é cuidar dos outros, porque o respeito à regra é a salvação dos outros. Esta é, em minha opinião, uma mensagem muito poderosa de que os jovens estão vivendo de uma maneira muito forte. Não sei no futuro imediato, mas espero que ao longo dos anos tudo isso os leve a ter um relacionamento diferente, em suma, esperamos sair melhor. Penso que é precisamente através de um compromisso da escola que podemos enfatizar que o desafio ambiental é algo que diz respeito a todos, que não há tempo para esperar, que cada um de nós deve fazer a sua parte, que os resultados para todos dependem de nossos pequenos comportamentos".

Trabalhamos juntos

Na encíclica de 2015, o Pontífice se refere a uma "cidadania ecológica", a um caminho para novos estilos de vida (211). Hoje, a professora Lancellotti assinala que "há uma consciência: cabe a nós, que temos a tarefa de educar os jovens e, sobretudo, de torná-los cidadãos ativos e solidários, sermos muito bons em dar-lhes ferramentas que não sejam efêmeras", para que "as habilidades relacionadas à sustentabilidade não sejam episódicas, mas façam parte do caminho educativo: agora há as ideias, temos as ferramentas, não temos mais álibis". E a resposta dos estudantes, afinal, já chegou: diante da grama que durante os meses de lockdown para a pandemia cresceu alto no instituto, eles pediram para "fazer algo juntos, limpar a escola juntos": "me impressiona muito, porque não é um protesto, é um 'vamos trabalhar juntos' para a escola, que pertence a todos e para a qual todos nós devemos dar nossa contribuição".

01 junho 2021, 08:00