Busca

Vatican News

Navio em chamas pode causar desastre ambiental no Oceano Índico

Um navio transportando combustível está em chamas há uma semana na costa do Sri Lanka. Caso o casco se partir, haverá umd esastre ambiental no Oceano Índico. Material de alguns contêiners que caíram no mar após uma explosão se espalham pela praia de Negombo.

Vatican News

O navio porta-contêineres X-Press Pearl, que está em chamas há uma semana na costa do Sri Lanka, corre o risco de se partir e causar o derramamento de centenas de toneladas de combustível no oceano Índico.

O incêndio a bordo do navio com bandeira de Cingapura - que transporta 25 toneladas de ácido nítrico - irrompeu no dia 20 de maio quando estava a 14 quilômetros do porto de Colombo. Desde então, todas as tentativas de apagar as chamas foram em vão: alguns helicópteros militares jogaram quase meia tonelada de produtos químicos retardadores de fogo enquanto vários rebocadores tentavam apagar o vasto incêndio "a partir de baixo". Mas os fortes ventos que sopram na região após a passagem do ciclone Tauktae impediram os resultados positivos da operação.

Para a Marine Environment Protection Authority - MEPA (“Autoridade de Proteção Ambiental Marinha”) do Sri Lanka, as chamas debilitaram a estrutura do navio com 186 metros de comprimento, exacerbando o temor de que em breve ele se parta em dois. "O fogo se estende por todo o comprimento do navio e o casco pode não ser estável o suficiente para nos permitir rebocá-lo para fora das águas em que está", disse o presidente Dharshani Lahandapura.

O X-Press Pearl está ancorado ao largo do porto de Colombo e, para além da carga oficial, transporta 278 toneladas de combustível “bunker” e 50 toneladas de diesel. Seu destino final era a capital do Sri Lanka, Colombo, após deixar o Estado indiano de Gujarat. Desde o início da emergência oito contêineres já caíram no mar e um deles encalhou em uma das praias mais badaladas da pequena ilha asiática.

As autoridades estão investigando as circunstâncias em torno dos vazamentos de ácido nítrico que a tripulação constatou antes mesmo de entrar nas águas do Sri Lanka.

“Se o problema tivesse sido resolvido então, não estaríamos enfrentando esta crise”, acrescentou o responsável, preocupado com a região turística e pesqueira de Negombo ameaçada pelo derramamento de óleo, 40 quilômetros ao norte de Colombo.

Além da Marinha do Sri Lanka e de reforços da vizinha Índia, Colombo recebeu alguns especialistas da empresa holandesa Smit Salvage, já engajada em Suez nos últimos meses, para tentar evitar um grande desastre ambiental.

Desde quinta-feira o exército realiza esforços para limpar a praia de Negombo dos destroços de um contêiner que se partiu na área. Oito contêineres caíram no mar após uma explosão a bordo na terça-feira.

A polícia também prendeu oito pessoas que estavam recolhendo plásticos e cosméticos do navio, em violação ao confinamento imposto ao coronavírus que assola a ilha.

Em setembro do ano passado, o petroleiro New Diamond queimou por uma semana inteira na costa leste do Sri Lanka após uma explosão na sala de máquinas que matou um tripulante. Seguiu-se um derramamento de óleo de 40 quilômetros de extensão. O Sri Lanka exigiu US $ 17 milhões dos proprietários do superpetroleiro para pagar os custos de limpeza.

*Com Agências AGI e AFP

28 maio 2021, 09:27