Busca

Vatican News
Altar da Cátedra na Basílica de São Pedro Altar da Cátedra na Basílica de São Pedro 

Dimensão Pneumatológica da Igreja

"A Igreja não existe por si mesma, mas deve ser o instrumento de Deus, para reunir todas as pessoas nele e preparar o momento em que “Deus será tudo em todos”. O esquecimento disso converterá a Igreja em mera luta pelo poder e simples oposição de grupos internos, como demonstra o período posterior ao Concílio, pela valorização unilateral da imagem bíblica de Povo de Deus, de acordo com o Relatio finalis do Sínodo de 1985."

Jackson Erpen - Vatican News

Ouça e compartilhe!

A Igreja, “instruída pelas palavras de Cristo, indo beber à experiência do Pentecostes e da própria «história apostólica», proclama desde o início a sua fé no Espírito Santo, como n'Aquele que dá a vida, Aquele no qual o imperscrutável Deus uno e trino se comunica aos homens, constituindo neles a nascente da vida eterna.”

Vindo de Jesus e graças a Ele, a descida do Espírito Santo sobre a Virgem Maria e os Apóstolos reunidos no Cenáculo marca o nascimento da Igreja. O Espírito Santo, o Paráclito, o Consolador, continua no mundo, mediante a Igreja, “a obra da Boa Nova da salvação.” Além de continuar a “inspirar a divulgação do Evangelho da salvação”, também ajuda “a compreender o significado exato do conteúdo da mensagem de Cristo”, assegurando “a continuidade e identidade de compreensão dessa mensagem, no meio das condições e circunstâncias mutáveis. Por conseguinte, o Espírito Santo fará com que perdure sempre na Igreja a mesma verdade, que os Apóstolos ouviram do seu Mestre.”

Dando continuidade às suas reflexões sobre a Constituição Dogmática Lumen Gentium, padre Gerson Schmidt* nos fala hoje sobre a “Dimensão Pneumatológica da Igreja”:

 

"A dimensão cristocêntrica da Igreja não pode estar separada da dimensão pneumatológica, ou seja, a Igreja constituída, guiada e conduzida pelo Espírito Santo. A palavra grega “pneuma”, significa espírito, sopro animador ou força criadora. Quer dizer que a Igreja, a partir da Lumen Gentium, não pode ser pensada sem Jesus Cristo e sem o Espírito Santo, como condição para ela produzir frutos.

O número 4 do documento retrata muito bem essa consciência, porque a entende como a última determinação da Igreja. Diz assim a o número 4 da LG: “O Espírito habita na Igreja e nos corações dos fiéis, como num templo (cfr. 1 Cor. 3,16; 6,19), e dentro deles ora e dá testemunho da adoção de filhos (cfr. Gál. 4,6; Rom. 8, 15-16. 26). A Igreja, que Ele conduz à verdade total (cfr. Jo. 16,13) e unifica na comunhão e no ministério, enriquece-a Ele e guia-a com diversos dons hierárquicos e carismáticos e adorna-a com os seus frutos (cfr. Ef. 4, 11-12; 1 Cor. 12,4; Gál. 5,22). Pela força do Evangelho rejuvenesce a Igreja e renova-a continuamente e leva-a à união perfeita com o seu Esposo. Porque o Espírito e a Esposa dizem ao Senhor Jesus: «Vem» (cfr. Apoc. 22,17). Assim a Igreja toda aparece como «um povo unido pela unidade do Pai e do Filho e do Espírito Santo”.

A Igreja não existe por si mesma, mas deve ser o instrumento de Deus, para reunir todas as pessoas nele e preparar o momento em que “Deus será tudo em todos” (cf. 1Cor 15,28). O esquecimento disso converterá a Igreja em mera luta pelo poder e simples oposição de grupos internos, como demonstra o período posterior ao Concílio, pela valorização unilateral da imagem bíblica de Povo de Deus, de acordo com o Relatio finalis do Sínodo de 1985¹.

O tempo da Igreja é o tempo do Espírito Santo, com cuja efusão ela surge e se expande, no dia de Pentecostes. É o espírito Santo quem faz a Igreja acontecer na história quando os apóstolos reunidos em Pentecostes recebem os dons do alto. Para o evangelista São Lucas o tempo da Igreja é o tempo da manifestação e da ação do Espirito Santo (At 1,2.5.8.16;2,4.18).

O Papa João Paulo II, na Encíclica Dominum et Vivificantem escreveu assim: “É deste modo que o Concílio Vaticano II fala do nascimento da Igreja no dia de Pentecostes. Este acontecimento constitui a manifestação definitiva daquilo que já se tinha realizado no mesmo Cenáculo no Domingo da Páscoa. Cristo Ressuscitado veio e foi «portador» do Espírito Santo para os Apóstolos. Deu-lho dizendo: «Recebei o Espírito Santo». Isso que aconteceu então no interior do Cenáculo, «estando as portas fechadas», mais tarde, no dia do Pentecostes, viria a manifestar-se publicamente diante dos homens. Abrem-se as portas do Cenáculo e os Apóstolos dirigem-se aos habitantes e peregrinos, que tinham vindo a Jerusalém por ocasião da festa, para dar testemunho de Cristo com o poder do Espírito Santo. E assim se realiza o anúncio de Jesus: «Ele dará testemunho de mim: e também vós dareis testemunho de mim, porque estivestes comigo desde o princípio».

Num outro documento do Concílio Vaticano II lemos: «Sem dúvida que o Espírito Santo estava já a operar no mundo, antes ainda que Cristo fosse glorificado. Contudo, foi no dia de Pentecostes que ele desceu sobre os discípulos, para permanecer com eles eternamente (cf. Jo 14, 16); e a Igreja apareceu publicamente diante da multidão e teve o seu início a difusão do Evangelho entre os pagãos, através da pregação»².

O tempo da Igreja teve início com a «vinda», isto é, com a descida do Espírito Santo sobre os Apóstolos, reunidos no Cenáculo de Jerusalém juntamente com Maria, a Mãe do Senhor (DV, 25)."

*Padre Gerson Schmidt foi ordenado em 2 de janeiro de 1993, em Estrela (RS). Além da Filosofia e Teologia, também é graduado em Jornalismo e é Mestre em Comunicação pela FAMECOS/PUCRS.

______________________________________________________

¹ cf. SÍNODO DE 1985, Relatio finalis II, A 3.

² Decreto sobre a actividade missionária da Igreja Ad Gentes, 4.

14 abril 2021, 08:11