Busca

Vatican News
Padre Andrzej Koprowski SJ, diretor dos Programas da Rádio Vaticano entrea 2003-2013 Padre Andrzej Koprowski SJ, diretor dos Programas da Rádio Vaticano entrea 2003-2013 

Padre Koprowski, "de um país distante" à Rádio do Papa

O jesuíta polonês, por uma década Diretor de Programas da emissora vaticana, faleceu aos 80 anos de idade. Após 1989, ele refundou o jornalismo católico na Polônia na rádio e na TV estatal.

Alessandro De Carolis e Adriana Masotti – Vatican News

Sua saúde estava seriamente comprometida e o contágio da Covid foi fatal. E assim o padre Andrzej Koprowski, que completaria 81 anos de idade em março próximo, jesuíta polonês originário de Lodz, faleceu na quinta-feira (28) no hospital de Varsóvia. De 2003 a 2015 ele guiou a Rádio Vaticano primeiro como assistente e depois como Diretor de Programas, substituindo o padre Federico Lombardi que foi nomeado diretor geral.

Ouça e compartilhe

Os anos na Polônia

Depois de estudar Filologia na Universidade de Varsóvia, em 1961 o religioso entrou na Companhia de Jesus e em 1969 foi ordenado sacerdote. Por cerca de dez anos, até 1979, ele foi capelão dos estudantes da Universidade de Lublin - onde Karol Wojtyla havia lecionado - e depois reitor do Colégio Jesuíta de Teologia em Varsóvia. Veio para Roma pela primeira vez em 1983 como assistente do General dos Jesuítas para a Europa Central e Oriental. Ele permaneceu em Roma até 1989, quando com a queda do Muro de Berlim começou uma temporada de renascimento e que viu o Padre Koprowski entre as principais figuras de seu país.

Do renascimento pós-comunista à Rádio Vaticano

De volta à sua pátria, o padre Andrzej reconstruiu o sistema de informação católico destruído pelo regime comunista, tornando-se seu diretor tanto para a programação televisiva quanto para a da emissora de rádio estatal. Permaneceu ali até 1997, quando a Companhia de Jesus lhe pediu para tornar-se superior provincial dos Jesuítas da Província do Norte da Polônia. Em 2003 ele voltou a Roma e depois de alguns anos como assistente assumiu o cargo de Diretor de Programas da Rádio Vaticano. Nas redações da emissora papal padre Koprowski contribuiu para sintonizar novamente as informações multilíngues às necessidades da globalização que começava a bater à porta do jornalismo do Vaticano. Assim, não mais programações calibradas sobre a matriz "italiana" até então vigente, mas foram remodeladas para dar espaço aos continentes e seus problemas específicos.

Padre Lombardi: eu sempre apreciei sua profundidade espiritual

Padre Koprowski deixou a Rádio Vaticano em 2015 e retornou à Polônia, onde por muito tempo permaneceu ativo no setor da mídia como autor de artigos e tradutor de livros, além de exercer o ministério de confessor e diretor espiritual. O padre Federico Lombardi, também jesuíta, a quem Koprowski substituiu na Direção de Programas da emissora de rádio do Papa, falou de suas atividades mais recentes aos microfones de Rádio Vaticano - Vaticano News. Mas o atual presidente do Conselho de Administração da Fundação Vaticana Joseph Ratzinger - Bento XVI, também descreveu sua grande profundidade espiritual e sua capacidade de ler a realidade e os acontecimentos da Igreja e do mundo e suas consequências na vida das pessoas. O padre Lombardi lembrou-se dele no papel de colaborador, mas também como um conselheiro apreciado e enfatizou, além disso, a amizade que ligava o Padre Koprowski ao Papa João Paulo II, tanto que foi convidado por ele várias vezes para almoçar para trocar pontos de vista e informações.

R. - Padre Koprowski foi uma grande personalidade da vida religiosa também na ordem jesuíta: além de seu trabalho como comunicador na televisão nacional polonesa, foi o primeiro capelão dos estudantes universitários, reitor da comunidade de estudantes jesuítas em Varsóvia, assistente do Padre Geral para toda a Europa Oriental, Provincial dos Jesuítas da Província de Varsóvia. Aqui, então, está uma pessoa que tinha tido posições de grande responsabilidade e que conhecia bem, pessoalmente, o Papa João Paulo II, já desde a época de seu trabalho apostólico na Polônia e João Paulo II, de fato, de vez em quando o convidava para almoçar para discutir temas sobre os quais ele queria ouvir sua opinião, por isso ele era um homem de grande experiência e de grandes conselhos no âmbito da vida religiosa da Companhia de Jesus, mas também da Igreja na Polônia. É por isso que sua vinda à Rádio Vaticano foi um grande presente.

Na realidade ele veio porque depois de terminar sua missão como Provincial dos Jesuítas em Varsóvia, ele tinha tido um grave tumor na próstata e uma operação cirúrgica que conseguiu deter a doença, mas ele a considerou quase como uma cura inesperada, porque ele tinha pensado em perder sua vida naquele momento. E assim todos os anos que ele viveu depois de completar 65 anos, ou seja, desde que esteve conosco na Rádio, ele realmente os considerava como um presente indevido e inesperado, como um momento de adição, se assim posso dizer, à sua vida. Para aqueles de nós que o conheceram do ponto de vista humano e espiritual, ele era uma pessoa de grande espiritualidade e fé. Eu o apreciei muito por sua profundidade cultural e religiosa, ele tinha uma grande amplitude cultural, ele também tinha lidado muito com os problemas da Europa e da Polônia na Europa, também tinha promovido escolas de treinamento para jornalistas. Mas isto sempre com uma grande profundidade de perspectiva na chave da fé cristã e isto é, de fato, também o que ele continuou a fazer depois de terminar seu serviço na Rádio do Papa.

 

30 janeiro 2021, 09:53