Busca

Vatican News
Funcionários do Vaticano, residentes e familiares poderão ser vacinados no início de 2021 Funcionários do Vaticano, residentes e familiares poderão ser vacinados no início de 2021  (AFP or licensors)

Vaticano: vacinação contra a Covid nos primeiros meses de 2021

A partir dos primeiros meses do próximo ano, no Vaticano, começará a campanha de vacinação contra o Coronavírus.

Massimiliano Menichetti

O plano de vacinação iniciado pelo Fundo de Assistência à Saúde e pela Diretoria de Saúde e Higiene do Governatorato, no Vaticano, envolverá todos os cidadãos, funcionários, mas também os familiares que dependem da assistência de saúde vaticana.

No momento, recomenda-se não vacinar os menores de 18 anos, mas é preciso avaliar a presença de eventuais patologias. Porém, a Administração do Vaticano e da Santa Sé recorda a todos que a vacina não é apenas para proteger a própria saúde, mas também a dos outros.

A propósito, a Rádio Vaticano entrevistou o Prof. Andrea Arcangeli, novo responsável pelo Setor da Saúde e Higiene do Governatorato, que disse:

Achamos muito importante que também na nossa pequena comunidade comece, o quanto antes, a campanha de vacinação contra o coronavírus. De fato, somente com uma ampla imunização podemos obter benefícios concretos, em termos de saúde pública, no controle da pandemia. Por isso, é nosso dever oferecer a todos os residentes, colaboradores e familiares a oportunidade de ser imunizados contra esta terrível doença”.

- Qual a vacina escolhida e por quê? Poderão ser usadas ​​também outras?

Decidimos começar com a vacina produzida pela farmacêutica Pfizer, a primeira a ser introduzida em âmbito clínico, que se mostra eficaz aos 95%. Atualmente, esta é a única vacina em fase de aprovação pelas autoridades no campo da saúde europeias e americanas. Como se sabe, a campanha de vacinação com este produto já começou na Inglaterra. Depois, outras vacinas poderão ser produzidas, com métodos diferentes, e utilizada, após avaliação da sua eficácia e total segurança”.

- Nos últimos meses, houve uma ampla discussão sobre a vacina contra a Covid-19: de um lado, assistimos a uma luta contra o tempo, que envolveu toda a comunidade internacional; de outro, muitos ceticismos e medos. Tais vacinas são realmente seguras?

É compreensível que possa haver temores e rumores sobre uma vacina, desenvolvida em pouco tempo, mas os testes de segurança realizados são muito rigorosos e as autoridades no campo da saúde no mundo, antes de dar a autorização para a sua utilização no mercado, garantem com estudos específicos e rígidos. Além do mais, devemos levar em consideração que todas as vacinas podem causar efeitos colaterais, que geralmente se limitam a reações locais (dor e inchaço pela injeção). Em alguns casos, também podem ocorrer febre e dor de cabeça. Durante a utilização desta vacina, são descritos os possíveis efeitos colaterais”.

- No Vaticano, a vacinação para menores de 18 anos não é recomendável... por quê?

Em relação à vacinação de menores de 18 anos ainda não foram feitos estudos que incluem esta faixa etária. Por isso, não foram incluídos no programa de vacinação. Mas, para os alérgicos, recomenda-se sempre uma avaliação médica antes de qualquer tipo de vacinação”.

12 dezembro 2020, 15:35