Busca

Vatican News

"Francisco é Pedro. E Pedro nós amamos." Card. Braz de Aviz fala da proximidade do Papa aos consagrados

“Para nós, Francisco é Pedro. Pedro nós não criticamos, Pedro nós não avaliamos, Pedro nós obedecemos, nós amamos”: palavras do Card. João Braz de Aviz, prefeito da Congregação para a Vida Consagrada. Em entrevista ao Vatican News, o cardeal brasileiro fala da coragem e da presença de religiosos e religiosas nas áreas de risco e faz seus votos de feliz aniversário para o Papa Francisco, que em 17 de dezembro completará 84 anos.

Bianca Fraccalvieri – Cidade do Vaticano

“Um ano muito frutuoso”: este é o balanço que o prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica, Card. João Braz de Aviz, faz do ano de 2020 para a vida consagrada.

Para Dom João, o drama causado pela Covid-19 demonstrou a coragem e a disponibilidade de religiosos e religiosas de servir nos lugares e situações mais difíceis.

Um empenho por parte dos consagrados que foi acompanhado de perto pelo Papa. Do Pontífice, aliás, o cardeal brasileiro ressalta o seu lado paternal, sempre próximo e pronto a dialogar, e citou como exemplo os comprimidos enviados por Francisco para evitar gripe.

Ouça a entrevista com o Cardeal Braz de Aviz

“Eu vejo os religiosos, os consagrados, as consagradas num caminho de muita disponibilidade. Normalmente, existe até uma coragem muito grande de ir às áreas de risco, de não deixar de servir onde é possível servir, de partir para os lugares mais difíceis. Por exemplo, no Brasil nós temos algumas congregações que têm missões na África. Eu vi agora a disponibilidade de irmãs e de padres de irem para esta área de Cabo Delgado (Diocese de Pemba – Moçambique, ndr), que tem tantos problemas e tantas ameaças de vida. E estão indo com naturalidade servir e testemunhar. Neste sentido, me parece um ano muito frutuoso.”

O senhor teve a oportunidade de falar com o Papa Francisco sobre o empenho dos religiosos?

“Nós o atualizamos constantemente. Ele segue tudo, estamos sempre também tomando decisões juntos. A gente fica impressionado de como ele é pai, como ele busca estar próximo. Dias atrás, recebemos aqui até uns comprimidinhos para prevenir gripe. Isso comove a gente: é alguém que está ali, que está à disposição, a serviço. Essa nova carta sobre São José, que deixa a gente também tão feliz, porque ele pega pelo lado da cotidianidade, da simplicidade. Talvez a figura de São José seja a mais bonita neste tempo agora da Covid.

"Para nós é fundamental a nossa comunhão com o Santo Padre, nós repetimos isso constantemente. Para nós, Francisco é Pedro. Pedro nós não criticamos, Pedro nós não avaliamos, Pedro nós obedecemos, nós amamos, nós dialogamos com ele e ainda mais Pedro quando ele procura por si mesmo este diálogo com a gente. O Dicastério tem se beneficiado muito disso."

Dia 17 de dezembro, o Papa celebrará 84 anos. Quais são seus votos antecipados ao Pontífice?

"Sinto-me muito perto do Papa, seja pela experiência de fé, seja pelo ministério, seja também por esta missão de cardeal que tenho aqui em Roma. Realmente para mim o Papa é um ponto central do meu caminho e do meu caminho como missão na Igreja. Quero desejar ao Papa que Deus possa conceder a ele muita saúde. O Papa tem sido admirável com 83, 84 anos com esta disposição de trabalho e com esta capacidade de criar coisas novas que sinalizem a presença de Deus. Então o que a gente quer desejar é que o Papa seja protegido fortemente por Deus e seja amado fortemente pela Igreja. Nós sabemos que Deus dá a cada tempo o Papa que é necessário. Nós damos graças a Deus porque Francisco está à frente da Igreja."

Por fim, Dom João recorda uma das imagens marcantes deste ano de 2020: o Papa sozinho na Praça São Pedro em 27 de março para a bênção Urbi et Orbi:

"Ficou para mim sobretudo aquela imagem do crucifixo que salvou Roma da peste, que eu nem sabia que existia, aquela chuva pingando no crucifixo, o Papa sem nenhuma proteção embaixo do crucifixo, olhando, e esta Praça totalmente vazia e o Papa caminhando perto de Cristo. O Papa Francisco nos ajuda muito a compreender as coisas não só pelas palavras que ele diz, mas pelas imagens que ele permite a gente de observar. Esta figura da Praça vazia, esta Praça que estamos sempre acostumados a ver cheia, uma Praça colorida com as pessoas do mundo inteirinho e com todos os tipos de tendência, e agora a gente sente que a Praça não tem mais ninguém, mas tem um coração que está ali, que é fiel a Cristo e conduz a Igreja a Cristo."    

12 dezembro 2020, 09:44