Busca

Vatican News
Registro das queimadas na Amazônia brasileira (15 de agosto 2020) Registro das queimadas na Amazônia brasileira (15 de agosto 2020)  (AFP or licensors)

Vaticano na Cúpula da ONU: proteger regiões ricas em biodiversidade, como a Amazônia

O arcebispo Paul Richard Gallagher, secretário para as Relações com os Estados, representou o Vaticano na cúpula virtual sobre o tema da biodiversidade: para reverter o empobrecimento da natureza que leva a grandes sofrimentos humanos, especialmente nas regiões mais pobres do mundo, “é essencial a proteção de regiões ricas em biodiversidade, como a Amazônia”. Chefes de Estado do Brasil, da França e de Liechtenstein também se manifestaram sobre a região amazônica.

Anna Poce, Andressa Collet - Vatican News

Ouça a reportagem e compartilhe

"Precisamos repensar os paradigmas de desenvolvimento", afirmou o arcebispo Paul Richard Gallagher, secretário para as Relações com os Estados da Santa Sé, em mensagem de vídeo enviada à Cúpula das Nações Unidas intitulada: "Ação urgente sobre a biodiversidade para o desenvolvimento sustentável". O evento virtual seguiu o mesmo modelo da Assembleia Geral da ONU da última semana: por causa da pandemia, os líderes não foram a Nova York, nos Estados Unidos, mas gravaram discursos que foram exibidos nesta quarta-feira (30), em telão na sede das Nações Unidas, e transmitidos em tempo real, pela internet.

Renovar compromisso comum pela Casa Comum

O representante do Vaticano afirmou na mensagem que “um desenvolvimento verdadeiramente integral, que integre a promoção do bem comum com respeito à dignidade humana, só pode ser alcançado quando as políticas de desenvolvimento estão a serviço da pessoa humana e incorporem uma compreensão holística das consequências ambientais, econômicas, sociais e humanas no uso dos nossos recursos naturais compartilhados".

O arcebispo procurou salientar a importância da cúpula que tornou possível "contemplar com gratidão o dom da Criação e olhar seriamente o que ameaça a extraordinária riqueza do nosso planeta", além de dar "a oportunidade de examinar as causas profundas da perda da biodiversidade, de reconhecer os muitos danos que dela resultam e de renovar nosso compromisso comum para proteger nossa Casa Comum".

O desafio da ecologia integral

Entre as causas que levaram à perda da biodiversidade, dom Gallagher incluiu a expansão agrícola e industrial, a poluição - incluindo a poluição marinha com o plástico -, os testes nucleares e os resíduos não tratados. O arcebispo também lembrou como o aumento da temperatura dos oceanos tem um impacto devastador na maioria dos recifes de corais do mundo e como o consumo de combustíveis fósseis e o desmatamento excessivo sejam fatores fundamentais na mudança climática que leva à extinção de espécies e à redução da resiliência da natureza.

Para reverter essa tendência alarmante, o empobrecimento da natureza que leva a grandes sofrimentos humanos, especialmente nas regiões mais pobres do mundo, o secretário afirmou que é, portanto, essencial a proteção de regiões ricas em biodiversidade, como a Amazônia e o Ba-sin do Congo.

É necessário, e responsabilidade de todos, "reconhecer que todo ser vivo tem um valor e um propósito intrínseco e, como tal, deve ser amado", concluiu o arcebispo. O desafio pelo qual somos chamados a agir urgentemente é, portanto, a restauração de uma relação harmoniosa com a natureza, em "uma abordagem que combine o cuidado pela nossa Casa Comum com o cuidado dos nossos irmãos e irmãs, e integre medidas imediatas com estratégias de longo prazo – que é o que o Papa Francisco chamou de 'ecologia integral'", finalizou o secretário para as Relações com os Estados.

A preocupação com a Amazônia

Além do Vaticano manifestar preocupação com a Amazônia, na abertura da cúpula virtual, o próprio secretário geral da ONU, Antônio Guterres, citou o papel das populações indígenas na conservação da biodiversidade. O presidente da França, Emmanuel Macron, e o primeiro-ministro do Liechtenstein, Adrian Hasler, também abordaram, em seus pronunciamentos, a preservação da Amazônia. Em discurso de cerca de 5 minutos, o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, garantiu que está empenhado em tentar "reverter a tendência de aumento das áreas desmatadas" na floresta amazônica.

01 outubro 2020, 14:37