Busca

Vatican News
Glaciar Santa Ines em Punta Arenas, Chile Glaciar Santa Ines em Punta Arenas, Chile  (AFP or licensors)

Dom Jurkovič: mudanças climáticas, problema global que exige ação comum

"Estamos diante de um desafio da civilização em favor do bem comum", que exige "uma mudança de perspectiva" em relação à "face humana das emergências climáticas". "A solidariedade não é uma questão opcional, mas sim uma questão fundamental de justiça", disse o observador permanente da Santa Sé na sede da ONU em Genebra.

Vatican News

Ouça e compartilhe!

As mudanças climáticas são um problema global e é necessário um plano comum para enfrentá-lo. Foi o que defendeu o arcebispo Ivan Jurkovič, observador permanente da Santa Sé junto às Nações Unidas e outras organizações internacionais com sede em Genebra, ao pronunciar-se em 9 de julho na 44ª sessão do Conselho de Direitos Humanos.

"Diante do sofrimento dos mais pobres e da exploração de nossa casa comum – disse Dom Jurkovič - a família humana não pode mais ficar parada, olhando com indiferença". E citando a Encíclica do Papa Francisco "Laudato si' sobre os cuidados com a casa comum, o prelado acrescentou: "O clima é um bem comum, de todos e para todos. Em nível global, é um sistema complexo em relação a muitas condições essenciais para a vida humana. (...) As mudanças climáticas são um problema global com sérias implicações ambientais, sociais, econômicas, distributivas e políticas, e constituem um dos principais desafios atuais para a humanidade (...) A interdependência nos obriga a pensar em um mundo, a um projeto comum".

"Qualquer Estado, qualquer protagonista privado, qualquer organização internacional – sublinhou ainda o observador permanente - não pode ter sucesso agindo sozinho", porque "a colaboração e o esforço de todos são fundamentais".

Além disso, recordou, “neste momento difícil provocado pela pandemia de Covid-19, somos chamados a cuidar um do outro, a não nos isolarmos no egoísmo, mas a promover e defender a vida humana para oferecer a todos assistência médica adequada, a fomentar a solidariedade e combater a cultura do descarte". Neste sentido, o apelo do prelado por uma "nova solidariedade universal", para que todos possam "colaborar como instrumentos de Deus para o cuidado da criação, cada um com sua própria cultura e experiência, suas próprias iniciativas e capacidades".

São três, portanto, os princípios segundo os quais deve agir a cooperação internacional para tutelar o ambiente em nível global: o primeiro indicado pelo arcebispo Jurkovič é o reconhecimento de que "as mudanças climáticas são uma preocupação comum de toda a humanidade" e que, como tal, "implica a mais ampla cooperação em benefício das gerações presentes e futuras".

O segundo princípio diz respeito aos Estados, que têm "responsabilidades comuns, mas diferentes de acordo com suas respectivas capacidades".

O terceiro princípio, por fim, é o fortalecimento da crença de que "somos uma família humana". "Quando são enfrentadas questões globais - explicou o Observador Permanente - não deveria haver fronteiras ou barreiras, políticas ou sociais, por trás das quais podemos nos esconder, muito menos deveria haver espaço para a globalização da indiferença".

Do prelado também um alerta: "Estamos diante de um desafio da civilização em favor do bem comum", que exige "uma mudança de perspectiva" em relação à "face humana das emergências climáticas". "A solidariedade - concluiu o arcebispo Jurkovič - não é uma questão opcional, mas sim uma questão fundamental de justiça".

Vatican News - IP

11 julho 2020, 07:48