Busca

Vatican News
Migrantes venezuelanos no Brasil em imagem de arquivo Migrantes venezuelanos no Brasil em imagem de arquivo  (AFP or licensors)

Missão Paz de São Paulo: campanha permanente arrecada doações em apoio a imigrantes

Apesar das dificuldades agravadas pela pandemia, a Missão Paz, dos missionários scalabrinianos junto à Igreja Nossa Senhora da Paz, continua atuando para garantir boas condições de saúde aos migrantes e funcionários. Apesar da suspensão temporária de atendimentos e atividades presenciais, a instituição filantrópica tem entregado até 50 cestas básicas e kits de higiene por dia, graças às doações dos colaboradores.

Andressa Collet - Vatican News

Ouça a reportagem e compartilhe

A pandemia de Covid-19 tem atingido fortemente a América Latina, e as populações de migrantes e refugiados têm sido as mais afetadas nos mais diversos campos: de problemas com documentação e dificuldade em atravessar as fronteiras para voltar pra casa à vida em abrigos superlotados e insalubres, que carecem de serviços de saúde e água potável e acabam expondo as pessoas ao risco de infeção, bem como à estigmatização e discriminação.

A missão dos scalabrinianos no Brasil

A recente edição do boletim semanal da Seção Migrantes e Refugiados do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral do Vaticano foi divulgada nesta terça-feira (14) nos 5 idiomas tradicionais, entre eles, o português. As missões realizadas no contexto da América do Sul também ganharam destaque no serviço desta semana já que foram apresentadas as iniciativas desenvolvidas pelos scalabrinianos no Brasil e no Chile para ajudar os mais vulneráveis durante a pandemia.

Em Cuiabá, no Mato Grosso, os missionários estão presentes na Paróquia Divino Espírito Santo e no Centro de Pastoral para Migrantes. Mais de 70 migrantes da Venezuela, Haiti e Colômbia foram acolhidos e providos de comida, abrigo e serviços básicos em condições de quarentena total.

Missão Paz de São Paulo

O boletim vaticano desta semana também apresenta o trabalho desenvolvido pelos scalabrinianos em prol dos imigrantes e refugiados em São Paulo através da Missão Paz, junto à Igreja Nossa Senhora da Paz, e apesar das dificuldades agravadas pela pandemia. Os atendimentos e as atividades presenciais da instituição filantrópica foram suspensos temporariamente. A Casa do Migrante, porém, um dos braços do projeto com tradição histórica de acolhimento na cidade, continua dando assistência aos 64 hóspedes de diferentes nacionalidades.

No entanto, é um grupo que precisa de suporte para continuar oferecendo apoio completo aos imigrantes, ou seja, serviços de documentação, informação jurídica, mediação de trabalho, serviços de saúde, assistência social e acolhimento. O Pe. Paulo Parise, que está à frente dos trabalhos, em entrevista à imprensa nacional, disse que a pandemia fez imigrantes que nunca tinham procurado a missão aparecerem em busca de ajuda: "nunca tínhamos tido contato com tailandeses, e já vieram 9 da Tailândia pedir socorro e comida. Tem essas pessoas de países que não estamos acostumados a lidar que estão vindo também".

Faça a sua doação!

Uma campanha permanente arrecada recursos e doações através das plataformas oficiais da Missão Paz, como produtos de higiene pessoal, de limpeza e alimentos não-perecíveis para conseguir garantir boas condições de saúde aos migrantes e funcionários. A Missão Paz tem entregado até 50 cestas básicas e kits de higiene por dia.

As doações podem ser levadas até a igreja Nossa Senhora da Paz, que fica na Rua Glicério, no Centro de São Paulo. Os produtos mais necessários são fraldas, leite em pó e itens de higiene, como sabonete e pasta de dente. Já a colaboração financeira pode ser feita diretamente no site da Missão Paz: www.missaonspaz.org.

Desde março, o boletim semanal da Seção Migrantes e Refugiados do Vaticano apresenta problemas enfrentados por essas populações no mundo durante a pandemia. O espaço online sugere soluções e iniciativas implementadas pelos atores católicos que acompanham as populações vulneráveis a fim de defender os direitos, proporcionar assistência essencial e impedir a propagação do coronavírus dentro e para fora das comunidades.

15 julho 2020, 12:34