Busca

Vatican News
2020.03.11 CELLULARE-GIOVANI

Educação Católica: energia espiritual para responder à crise

"Essa pandemia evidenciou a fragilidade e as chagas da sociedade: os pobres, os sem-teto, os idosos, os encarcerados, os desequilíbrios sociais, o egoísmo individual e nacional”, ressalta o documento assinado pelo prefeito da Congregação para a Educação Católica, cardeal Giuseppe Versaldi, e pelo secretário do organismo, dom Vincenzo Zani.

Mariangela Jaguraba - Cidade do Vaticano

A Congregação para a Educação Católica divulgou um comunicado, nesta quarta-feira (08/04), a propósito do tempo que estamos vivendo, marcado pela pandemia de Covid-19.

“É um tempo para o qual não estávamos preparados. Fomos dominados por um evento traumático, que aconteceu improvisamente e criou uma emergência extraordinária. Há quem luta com a morte, quem tem medo, quem perdeu o emprego, familiares ou amigos. A dimensão do inesperado e do imprevisível tomou o lugar de todas as nossas certezas. Essa pandemia evidenciou as fragilidades e as chagas da sociedade: os pobres, os sem-teto, os idosos, os encarcerados, os desequilíbrios sociais, o egoísmo individual e nacional”, ressalta o documento assinado pelo prefeito do organismo vaticano, cardeal Giuseppe Versaldi, e pelo secretário, dom Vincenzo Zani.

Rever o significado da existência

“Dentro desse blecaute, que produziu uma profunda ruptura em nossa vida cotidiana e na sociedade do Terceiro Milênio, temos o dever de rever profundamente o significado da existência, de encontrar uma maneira de recomeçar a viver, partindo de novas bases, mesmo sabendo que não será mais como antes.”

Ouça a reportagem

O texto cita a experiência que o Papa Francisco nos fez viver com a oração de sexta-feira, 27 de março passado, na Basílica de São Pedro, e afirma que “devemos recordar a história vivida por Deus com homens e mulheres, preservada pelas tradições de nossos povos, como o Pontífice nos mostrou, detendo-se diante do Crucifixo numa praça deserta e flagelada pela chuva, a fim de entender que aquela morte nos salvou e nos fez todos irmãos”.

Energia espiritual para responder à crise

“Jorra desse ícone extraordinário, que permanecerá na história, a energia espiritual para responder à crise que vivemos que tem muitos rostos; sim, porque são crises pessoais, crises de relacionamento, para alguns até crises de fé, porque sentem a aparente distância de Deus, crise da comunidade, de um povo e de suas instituições, crise da história e do mundo. Diante dessa crise e no espírito de uma Quaresma vivida este ano de maneira excepcional, para o fiel existe a luz da Páscoa da Ressurreição. A morte e a ressurreição de Jesus Cristo abre uma perspectiva de vida que não terá fim e que nos permite olhar para o futuro com confiança e esperança.” 

A Congregação para a Educação Católica expressa sua proximidade e incentivo a todas as escolas católicas, faculdades eclesiásticas e universidades católicas. Agradece aos diretores, reitores, presidentes, decanos, professores e funcionários administrativos e de serviço que, nos últimos meses, gerenciam o grande esforço de garantir o desempenho de suas atividades escolares e acadêmicas, através de métodos telemáticos a fim de assegurar a continuidade e conclusão do ano em andamento, conforme indicado na Nota da Congregação sobre exames e provas equivalentes das Instituições Acadêmicas Eclesiásticas de 12 de março passado.

“A crise produzida pela pandemia criou uma grave emergência não apenas para instituições escolares e acadêmicas, mas envolveu diretamente as famílias que, enquanto desempenham seu trabalho, precisam se adaptar à necessidade de acompanhar os filhos que estudam em casa”, ressalta a nota.

Renovar a nossa fé

O organismo vaticano recorda que “é preciso considerar o fato de que a situação atual pode continuar e que é necessário se organizar para o futuro e saber discernir as oportunidades que essa crise nos oferece”.

A Congregação para a Educação Católica deseja que nesta Páscoa renovamos a nossa fé no mistério real da ressurreição do Filho de Deus, que dá sentido e ilumina todas as coisas.

“Isso nos impele a abrir os nossos corações e mentes a Deus e aos irmãos com coragem e determinação, e investir os nossos talentos neste “tempo presente”, pois a quem crê “não é pedido para viver uma espiritualidade desencarnada e abstrata, mas aderir à realidade na qual inserir luz, fraternidade, alegria e paz”, conclui o texto.

08 abril 2020, 16:27