Busca

Vatican News
Presépio Scurelle Trentino Praça São Pedro Presépio Scurelle Trentino Praça São Pedro  

Pronto na Praça São Pedro o presépio dos montanheses trentinos do início do século XX

Neste dia 5 de dezembro, às 16h30, será inaugurado o presépio de madeira de Scurelle, uma pequena cidade de Valsugana, e será iluminada a árvore de Natal, doada pelo município de Rotzo, no planalto do Asiago (Vicenza). O prefeito de Scurelle: "Colocamos no presépio pedaços de árvores destruídas pela tempestade Vaia, com a esperança de que nossas florestas possam ressurgir".

Alessandro Di Bossolo - Cidade do Vaticano 

Tudo está pronto na Praça São Pedro para a inauguração do presépio e da iluminação da árvore de Natal, prevista para as 16h30 desta quinta-feira, 5 de dezembro. Será uma cerimônia enriquecida por canções de Natal e danças folclóricas do Trentino e do Vêneto. Este ano os dois símbolos do Natal foram doados ao Papa pelas pequenas cidades de Scurelle, no Trentino, e Rotzo, Vicenza.  A cerimônia será presidida pelo cardeal Giuseppe Bertello e por dom Fernando Vérgez Alzaga, respectivamente presidente e secretário geral do Governatorato do Estado da Cidade do Vaticano.

Ao Papa também os presépios de Conegliano

Nesta quinta-feira às 12h30, na Sala Paulo VI, o Papa Francisco encontrará as delegações de Scurelle, do Consórcio dos Usos Cívicos de Rotzo Pedescala e São Pedro e do Grupo Artístico do Presépio Parè de Conegliano (Treviso), que doaram o presépio montado na Sala Paulo VI. Quase 600 pessoas a quem o Papa agradecerá e a quem entregará sua Carta sobre o presépio, assinado domingo em Greccio, na gruta do primeiro presépio, realizado por São Francisco de Assis.

No canteiro de obras do presépio na Praça São Pedro encontramos o prefeito de Scurelle, Fulvio Ropelato, que acompanhou os bombeiros locais e os "Amigos do presépio", para a montagem do presépio, que tem 23 personagens em tamanho real de madeira.

Para uma pequena cidade em Valsugana, como a nossa cidade de Scurelle, é certamente uma honra levar o emblema da nossa cultura, uma seção transversal do que era o Valsugana da época, do modo de vida da época de há cerca de 100 anos.

O presépio de Scurelle tem 20 anos. O que representa para a cidade hoje?

Este ano o presépio celebra o seu 21º aniversário e por isso celebramos da melhor forma possível. Para nós, em Scurelle, este presepio significa muito, é o emblema do voluntariado. Ao longo dos anos, o presépio cresceu tanto do ponto de vista cultural, artístico e social, porque devemos pensar que para este presépio trabalham todos os anos cerca de 50-70 pessoas, sempre de modo voluntário. Um mês antes de 8 de Dezembro, normalmente, quando se inaugura este presépio, os voluntários se encontram e trabalham para tornar possível este símbolo da nossa cidade.

Neste presépio se representa também o dano da tempestade de Vaia: que efeito teve nas árvores e por que se quis representá-la no presépio?

Dentro deste presépio tínhamos trazido deliberadamente alguns troncos derrubados pela “Tempestade Vaia” que também atingiu o nosso vale, em particular o território de Lagorai, no outono passado. Assim queremos testemunhar este acontecimento destrutivo, ligado ao símbolo do renascimento por excelência que é o presépio. Portanto, um desejo, uma esperança de que até mesmo nossas florestas sejam capazes de se recuperar desse evento que realmente causou muita destruição.

O presépio é o centro do Natal em Scurelle. Que outras iniciativas foram preparadas em colaboração com o pároco, para viver esta celebração não apenas como uma festa de consumo?

Geralmente o presépio é inaugurado por ocasião da festa de Nossa Senhora no dia 8 de dezembro, sempre organizado em conjunto com a paróquia, com o pároco que normalmente dá a bênção na praça. Depois disso, para este período, nenhum evento é realizado na praça como sinal de respeito por este símbolo de sacralidade.

O criador Tomaselli: sem fé, fazer o presépio é um problema

Pedimos ao criador do presépio, Ivo Tomaselli, que também é presidente do "Comitê de Amigos do Presépio e recuperação das tradições locais", que explique como nasceu e porque foi decidido retratar a vida de Valsugana no início do século XX.

Eu tinha preparado um modelo em escala 1:5, e os soldados alpinos me disseram que o impossível não existe, então saímos, começamos a trabalhar em companhia alegremente. Éramos um bom grupo: quem era o pedreiro, quem tinha outras funções, todos estavam entusiasmados.

Qual era a relação com o artista Felix Deflorian que fez os testes? Deu-lhe carta branca ou alguma indicação?

Eu tinha um professor incrível que me ensinava a preparar os manequins, porque senão o custo teria sido muito alto se ele os tivesse feito. Então eu fiz os manequins e ele fez as cabeças que foram criadas de acordo com as suas e nossas instruções. Trouxe-lhe fotografias e ele fez as cabeças de alguns dos nossos velhos pastores. Por exemplo, o pastor adorador é imagem de uma pessoa que morreu num acidente. Trouxe-lhe a fotografia e ele o fez perfeitamente. Sempre que toco, fico comovido. É muito bonito porque ele é adorável, ajoelhado, reclinado. Você não pode ver muito porque está voltado para a Criança, mas é um dos mais bonitos. O Deflorian ensinou-me muito, até a esculpir as mãos.

Descreva alguns dos personagens...

Durante o ano eu modifiquei todos os manequins que estavam em movimento, porque lá em Scurelle os fazemos em movimento, até a lavadeira e aquela que fazia a manteiga. Em São Pedro é diferente, pois ali as imagens não poderiam ter movimento. Depois modifiquei o fazedor de queijo, preparei o homem que puxa o trenó, o lenhador que mostra como se faz madeira na nossa região, demonstrando o esforço do passado. Há também a criança que dá uma mãozinha. Em resumo, era uma vida do século passado: as pessoas eram mais pobres, não como agora, trabalhavam mais a terra, a floresta. Trabalhavam mais pesado.

Porquê a escolha de estabelecer o presépio no início do século XX?

Usamos todas as roupas que foram retiradas e guardadas, recriando nossa vida rústica: você não pode fazer um presépio com roupas de grife. As pessoas costumavam dar-me casacos velhos, tudo. Usámos os casacos dos pastores verdadeiros. Esse casaco, por exemplo, pertence ao pai de um dos nossos voluntários.

Para o senhor, o presépio é um pouco como a vida. Todas as noites, em Scurelle, o senhor cobre cada pequena estátua...

Em Scurelle, quando vejo que a chuva ou a neve está chegando, coloco um guarda-chuva sobre cada estátua, e se cai neve, a cada três ou quatro horas, vou tirar a neve dos guarda-chuvas. Além do fato que eu gostaria muito de fazer uma pequena nevasca, aqui em Roma... você sabe como seria bonito, o presépio! Levaria apenas cinco centímetros de neve, não mais. As cabeças são tratadas, não devem ser tão danificadas. Em Scurelle coloquei os guarda-chuvas também porque quando são dez horas, onze horas da noite, a geada cai. De manhã, os guarda-chuvas estão congelados.

Tendo em conta tudo o que nos disse, o que significa para o senhor trazer o presépio para São Pedro?

Acho que não poderia ter maior satisfação. Foi bom poder chegar aqui depois de ter envolvido todas as pessoas que envolvi, todas as associações, ter criado unidade, porque o presépio só é bonito se for feito por todo o povo do vilarejo. Como o presépio em casa: se todos participam da construção do presépio, ele tem mais mais sentido e tivemos a sorte de trazê-lo para cá. Nunca pensei - comecei em 1999 - em atingir esse nível, mas ano após ano, cuidando dos detalhes, acrescentando, envolvendo bombeiros que trabalharam tanto, chegamos aqui. Esperamos que o Papa fique feliz, porque fizemos o nosso melhor.

O pároco do país também lhe agradece, também porque foi trazido uma mensagem de fé ...

Se não temos um pouco de fé em fazer o presépio é um problema. Você tem que ouvi-lo, então vale a pena e cria concordia entre todas as pessoas.

O diretor de obras: um presépio  totalmente natural, "sem plástico"

Envolvidos no cheiro de musgo e casca, encontramos também o diretor de obras, o arquiteto Lanfranco Fietta, que nos fala sobre a estreita relação dos habitantes de Scurelle com a natureza.

O senhor representa uma natureza madrasta que destrói a floresta, mas depois também deixa claro que a natureza ainda deve ser respeitada, evitando qualquer plástico neste presépio.

Naturalmente, este presépio quer representar uma parte da realidade montanhosa, de pessoas simples que têm uma relação íntima e próxima com a montanha, com seus trabalhos, que são organizados de uma certa maneira. Os personagens, movimentos e situações que são representados, mostram os pontos mais significativos de uma vida do início do século XX, muitas vezes de dificuldades.

Uma vida que agora se baseia mais no turismo. Aqui se mostra qual era a tradição que estava um pouco perdida. Mas sobrou alguma coisa?

Absolutamente. Os mesmos artistas que trabalharam aqui trabalharam com facilidade e naturalidade, com franqueza, diria eu, porque herdaram este modo de vida dos seus avós, pais e ainda o consideram uma herança a salvaguardar, representar e testemunhar aos jovens.

04 dezembro 2019, 15:04