Busca

Vatican News

Árvore de Natal do Papa chega ao Vaticano após 28 horas de viagem

O caminhão com o presente do Vêneto ao Papa Francisco já está na entrada da cidade de Roma, esperando para ser escoltado pela Polícia até a Praça São Pedro a partir da meia-noite, explica o prefeito de Rotzo, Aldo Pelizzari. A previsão é que às 7h desta quinta-feira (20) a árvore esteja sendo erguida para dar início ao clima natalino no Vaticano.

Cidade do Vaticano

Ouça a reportagem especial e compartilhe

As pequenas comunidades de Rotzo, Pedescala e São Pedro, no Vêneto, se despediram nesta semana da árvore de Natal que será doada ao Papa Francisco para decorar e iluminar a Praça São Pedro. De fato, é um evento histórico para a região já que é a primeira vez que o abeto (nome popular das árvores coníferas da família das Pináceas e nativa das florestas da Europa) para o Papa foi escolhido por lá.

As origens da árvore

O bosque onde estava a árvore do Papa pertence à comunidade de Rotzo, mas o patrimônio das montanhas da região é administrado pelo Consórcio dos Usos Cívicos das cidades de Rotzo, Pedescala e São Pedro.

No início, como conta em entrevista ao Vatican News o prefeito de Rotzo, Aldo Pelizzari,  foram escolhidos 5 exemplares que respondessem às características exigidas pelo Vaticano, como por exemplo, um mínimo de 25 metros de altura. Segundo o prefeito, o jardineiro da Santa Sé se deslocou até o local em agosto e aprovou todas as árvores, deixando a decisão para os colaboradores do Consórcio.

O transporte do presente

O transporte da árvore de Natal do Papa aconteceu em três fases: a primeira foi o corte do abeto, no dia 10 de novembro, feito inclusive com grandes dificuldades, contou Pelizzari. Isso porque uma forte neve caiu na região naqueles dias e obrigou que dois grandes veículos, mais um trator, ajudassem no processo, com segurança e sem causar danos à árvore. Somente no dia 14, com o apoio do helicóptero militar e do bom tempo, apesar também da grande quantidade de neve da noite anterior, a árvore sobrevoou a região durante cerca de 6 minutos e, de Rotzo, chegou até num campo aberto na comunidade de São Pedro, onde foi depositado.

O voo histório pelo céu do Vêneto parou literalmente as comunidades, como conta a imigrante brasileira, Gizely Dall’Agnol. A Relações Públicas é de Veranópolis, cidade da região serrana do Rio Grande do Sul, e há 3 anos está morando em Rotzo, onde se casou com um italiano: “uma energia incrível! Todo mundo ficou na janela, na sacada e na rua, mesmo com o frio, depois que ontem caiu a primeira neve. Mas todo mundo esperando passar esse helicóptero com essa árvore de Natal maravilhosa que daqui está indo direto para o Papa.”

Finalmente, o abeto foi “embalado” com cuidado e, na terça-feira (18), colocado em cima de um caminhão de 30 metros de comprimento. Depois da bênção dos sacerdotes locais, com a presença das comunidades, a árvore partiu viagem por terra no mesmo dia e vai chegar na Praça São Pedro à meia-noite desta quarta-feira (20) para, ao raiar do dia, começar a ser erguida no local a partir das 7 da manhã.

Tanto a árvore como o presépio serão inaugurados no dia 5 de dezembro e vão ficar expostos até a conclusão do Tempo de Natal, que coincide com a Festa do Batismo do Senhor, em 12 de janeiro de 2020.

O reconhecimento das famílias de descendentes

A doação ao Papa, segundo o próprio prefeito de Rotzo, também é uma homenagem a tantas famílias italianas que imigraram depois da guerra e hoje têm nos seus descendentes as raízes do país em diferentes partes do mundo, como no Brasil:

“Este nosso símbolo quer também recordar eles. Eu acredito que o primeiro sucesso que tivemos quando vimos o helicóptero partir foi a resposta quase imediata nas redes sociais das pessoas no exterior. Porque as pessoas na Itália se emocionaram, aquelas do exterior choraram. E os descendentes sempre serão recordados. Quando vi a resposta de proximidade e comoção dessas pessoas, que estão assim tão longe, e vendo um símbolo que é também deles, porque uma árvore quando tem 100 anos não é do prefeito, mas de toda a comunidade que a cresceu, então, dos nossos antepassados, acredito que seja a melhor resposta que podemos dar pra quem está distante e pra quem tem receio sobre essa operação.”

20 novembro 2019, 20:09