Busca

Vatican News
Maria Petronila Neto Maria Petronila Neto 

Mulheres valentes, interconexão e advertência: as vozes do Sínodo

Ouça as entrevistas com Maria Petronila Neto, de Porto Velho (RO); Dom Filippo Santoro, arcebispo de Taranto, no sul da Itália; e Dom Francisco Lima Soares, bispo de Carolina, no Maranhão.

Cidade do Vaticano

Ver a Amazônia no documento final: este é o desafio apontado por Maria Petronila Neto nesses últimos dias do Sínodo Amazônico. Ela trabalha em Porto Velho, Rondônia, junto à Comissão Pastoral da Terra.

Em entrevista ao Vatican News, Maria fala da responsabilidade por representar os sem-terra do Estado, definindo o Sínodo uma “experiência única”. Sobre a participação feminina, ela afirma: “Dizem que as mulheres foram escolhidas a dedo, são briguentas e valentes”.

Maria Petronila Neto

Do sul da Itália ao norte do Brasil: a dimensão universal do Sínodo

Dom Filippo Santoro, arcebispo de Taranto, no sul da Itália, representa a Comissão para os problemas sociais e ambientais da Conferência Episcopal Italiana. Ele viveu 27 anos no Brasil e, portanto, é um profundo conhecedor da realidade local.

Nesta entrevista, Dom Filippo explica de que modo os assuntos debatidos pelos padres sinodais incidem em sua Arquidiocese, onde funciona a maior empresa siderúrgica da Europa.

Dom Filippo Santoro

Plus tard, trop tard

Dom Francisco Lima Soares é bispo de Carolina, no Maranhão. A sua diocese fica às margens do Rio Tocantins, com águas ainda não contaminadas.

Trata-se de uma meta turística e, portanto, Dom Francisco ressalta o aspecto de advertência, prevenção e cuidado promovido pelo Sínodo. “Plus tard, trop tard”, afirma o bispo em francês. “Mais tarde, poderá ser tarde demais.”

Dom Francisco Lima Soares
22 outubro 2019, 12:42