Busca

Vatican News
A corrente humana de cerca de 170 Km de domingo (27) em todo Líbano A corrente humana de cerca de 170 Km de domingo (27) em todo Líbano  (ANSA)

Líbano: protestos pacíficos e apelo pelo diálogo, inclusive do Papa Francisco

Já são 13 dias de protestos em escala nacional que têm parado o país com escolas, universidades, lojas e bancos fechados, além de manifestantes bloqueando estradas. No domingo (27), depois da oração mariana do Angelus, o Papa Francisco pediu a busca por melhores soluções, com a ajuda da comunidade internacional, para que o Líbano continue a ser um espaço de convivência pacífica. Uma corrente humana de 170 Km também percorreu o país.

Andrea De Angelis, Andressa Collet - Cidade do Vaticano

Ouça a reportagem e compartilhe

O protesto já dura quase duas semanas e continua envolvendo todas as regiões do país. Não somente na capital de Beirute, mas de norte a sul do Líbano prosseguem as manifestações contra o governo que começaram em 17 de outubro. Nesta segunda-feira (28), através da imprensa, o primeiro-ministro Saad Hariri e os seus ministros, acusados de abusar do poder, afirmaram de não ter nenhuma intenção de renunciar. O próprio presidente do Banco Central do país, Riad Salame, evidenciou como a renúncia do governo complicaria a já difícil situação econômica do Líbano – a maior crise desde a guerra civil que o país viveu de 1975 a 1990.

No domingo (27), uma corrente humana de 170 Km, com cerca de 100 mil pessoas, bloqueou as estradas costeiras e rodovias de forma pacífica. No mesmo dia veio o apelo do Papa, depois da oração mariana do Angelus na Praça São Pedro, quando Francisco exortou que se chegue rápido a uma solução, através do diálogo e do apoio da comunidade internacional.

A corrente humana contra o governo

De mãos dadas, homens e mulheres libaneses, com famílias inteiras e crianças, quiseram apoiar os manifestantes que há mais de 10 dias lutam por uma mudança política, econômica e social da parte de quem governa o país. Uma situação que não tende a mudar, já que foram rejeitados pedidos de vários líderes políticos para se por fim aos protestos.

A corrente humana foi uma manifestação de solidariedade formada por quem está protestando nas praças do Líbano, pedindo a renúncia do governo. Foram cerca de 170 Km cobertos por uma verdadeira corrente humana que atravessou todo o Líbano, de norte a sul, passando pela capital de Beirute.

As manifestações são formadas por muitos jovens
As manifestações são formadas por muitos jovens

O papel dos jovens

A iniciativa, que recebeu cobertura midiática internacional, nasceu de uma ideia criada nas próprias redes sociais e com a adesão de muitas pessoas. Os jovens, que são os que mais pedem essa mudança, são os principais mobilizadores e usam a rede para agregar os cidadãos às manifestações. O Papa Francisco, ao dirigir um “pensamento especial ao querido povo libanês” durante o Angelus quis enfatizar como a mensagem também era, “em particular, aos jovens”.

 

O apelo do Papa

O Papa Francisco, então, exortou todos “a buscar as melhores soluções no caminho do diálogo”, rezando a Virgem Maria, Rainha do Líbano, “para que, com o apoio da comunidade internacional, aquele país continue a ser um espaço de convivência pacífica e de respeito da dignidade e liberdade de toda pessoa, em benefício de toda a região do Oriente Médio que sofre tanto”.

As palavras do Pontífice tiveram uma notável importância para os cristãos libaneses e para a toda a população que vive uma grave crise econômica, como afirma Pe. Paul Karam, presidente da Caritas do país. Segundo ele, tanto o governo como o povo devem assumir a responsabilidade de todos, além do diálogo que é o melhor caminho – e o único possível – para resolver a situação. Mas, como disse o Papa, “é fundamental o papel da comunidade internacional”. E Pe. Paul acrescentou:

“Não podemos ficar só na rua gritando, sem ter uma pessoa de referência com quem podemos dialogar. Não podemos somente fechar as estradas e basta. Então, que haja um diálogo, sereno e com responsabilidade, e assim alcançamos as palavras do Santo Padre. E a comunidade internacional tem o grande dever de assegurar esse movimento pacífico e também a missão do Líbano, assegurando a estabilidade e a paz nesta região.”

29 outubro 2019, 11:16