Cerca

Vatican News

Saudação ao cardeal Etchegaray: "Deus nos ama, apesar de tudo"

Realizou-se na manhã desta segunda-feira na Catedral de Santa Maria em Bayonne, na França, o funeral do cardeal Roger Etchegaray, vice-decano emérito do Colégio Cardinalício, falecido na última quarta-feira aos 96 anos em Bayonne. Na entrevista em vídeo de 2011 que consta na matéria, o “embaixador da paz” de João Paulo II nos convida a não ter medo, porque "Deus está conosco e nos ama, apesar do mal que existe no mundo".

Alessandro Di Bussolo - Cidade do Vaticano

Um "homem das Bem-aventuranças", que orientou sua vida "para o dia de seu encontro com seu Senhor, um dia que ele tanto desejava". Assim o cardeal francês Dominique Mamberti - prefeito da Suprema Corte da Assinatura Apostólica - recordou do cardeal Roger Etchegaray, ao presidir na manhã desta segunda-feira na Catedral de Santa Maria em Bayonne, nos Países Bascos, a Missa de corpo presente do purpurado falecido na última quarta-feira.

Mamberti: Cardeal Etchegaray, "homem das Bem-aventuranças"

 

O celebrante repassou as etapas da longa vida do "embaixador da paz" de João Paulo II, que faleceu aos 96 anos, poucos dias antes de seu aniversário quando completaria 97 anos. E faz a leitura de sua vida, a partir das Bem-aventuranças. "Bem-aventurados os pobres de coração", porque "pobre de coração, Roger Etchegaray deixa Cristo se apossar de todo o seu ser - sublinha Mamberti - e faz disso a chave da sua vida, como ele próprio escreveu. Foi sua íntima relação com Cristo que o guiou em seus vários ministérios e o fascinou até se tornar verdadeiramente o servo de todos, a imagem daquele a quem ele havia dedicado toda a sua vida".

Chorou pelas misérias do mundo, compartilhou o sofrimento

 

"Bem-aventurados os que choram", porque "somente os olhos que choram podem entender certas coisas", disse o cardeal Etchegaray. "Aquele que tantas vezes chorou pelas misérias do mundo, por situações trágicas, muitas vezes inimagináveis, quis compartilhar o sofrimento daqueles que sofrem, para compreender a sua angústia, para contribuir para o seu alívio, tanto quanto possível", sublinha o cardeal Mamberti.

Buscou a justiça para os pobres e fracos

 

"Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, bem-aventurados os pacificadores, bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça", porque "buscar a justiça para os pobres e os fracos foi o compromisso diário do cardeal com João Paulo II, especialmente através dos Pontifícios Conselhos de Justiça e Paz e o Cor Unum, e por meio das tantas missões que o fizeram descobrir tanto sofrimento humano e espiritual”.

Ele trabalhou pela reconciliação entre homens e povos

 

"Bem-aventurados os misericordiosos", conclui por fim o prefeito da Assinatura Apostólica, porque "por meio de suas inúmeras viagens, o cardeal teve essa preocupação principal: trabalhar pela instauração da paz e a reconciliação entre homens e povos. Também nisso era verdadeiramente o homem da fraternidade universal".

Entrevista do cardeal Roger Etchegaray em fevereiro de 2011

O "testamento espiritual" do cardeal de Espelette

 

O homem que São João Paulo II chamou para ser apóstolo do diálogo em realidades difíceis, como China, Cuba e Vietnã, e fez seu Enviado Pontifício em "missões impossíveis" na tentativa de parar a guerra no Iraque e o genocídio em Ruanda, fala de sua vida com Karol Wojtyla e deixa um testamento espiritual nesta entrevista concedida ao programa semanal de televisão "Octava morre" do Centro Televisivo Vaticano em 25 de fevereiro de 2011, em vista da beatificação do Papa polonês. Aqui estão algumas das palavras do cardeal Roger Etchegaray naquela ocasião:

R. - Devemos crer no amor de Deus, que Deus nos ama apesar de tudo. E isso é importante: aconteça o que acontecer, sejam quais forem as tragédias que aconteçam nos vários continentes, e eu já vi tantas delas, muitas vezes fui enviado em uma missão a lugares do mundo onde ocorreram inundações, terremotos e, e apesar do quanto vi de mal, sempre entendi que Deus nos ama e que devemos acreditar nele. Acreditar nele não é fácil, especialmente vendo o que não está certo ao nosso redor. No entanto, é preciso estar convencido de que Deus tem a nossa existência em suas mãos e é Ele quem nos guia, estamos em Suas mãos.

Eu, já cheguei ao fim da minha vida, depois de ter percorrido um longo caminho e ter passado muitos anos em Roma, mais de trinta, tendo vivido no coração do cristianismo, aqui, próximo aos túmulos de Pedro e Paulo, tendo estado ao lado de grandes Papas como João Paulo II e Bento XVI, acho que posso afirmar que não devemos nos preocupar muito: devemos nos deixar guiar pelo Espírito de Deus. Eu não quero fazer uma pregação, mas esta é minha convicção profunda, é nisso em que eu acredito. Sim, amem a vida, não tenham medo!

No mundo de hoje, existem muitas, muitas coisas boas e muitas graças de Deus: Deus é conosco, Deus está comigo. Eu acredito nisso e talvez tenha me expressado com um tom excessivamente convencido, mas falei daquilo que vivo, daquilo que vejo. Onde quer que eu vá, por tudo, está Deus.

A vida é feita para alegria, a existência é feita para a solidariedade, para a amizade entre os povos. É difícil, porque temos nossos limites, paramos com as palavras, mas se nos fortalecermos na fé, seremos capazes de tudo, seremos capazes de vencer verdadeiramente o mal e sermos capazes de dar o beijo da paz do pobres em Jesus. O exemplo de São Francisco de Assis está aí para nos recordar disso, ele é um santo que eu amo muito, Francisco de Assis.

09 setembro 2019, 14:42