Cerca

Vatican News
Milhares de peregrinos poloneses no Santuário de Czestochowa Milhares de peregrinos poloneses no Santuário de Czestochowa  

Card. Filoni na Polônia: Maria está presente e viva entre nós nós

O cardeal Filoni presidiu a celebração no Santuário Nossa Senhora de Fátima em Zakopane, por ocasião da Solenidade da Assunção. Karol Wojtyla visitava o local desde pequeno e mais tarde como sacerdote e depois como Pontífice. A igreja foi por ele consagrada em 7 de junho de 1997.

Cidade do Vaticano

"Por que tantos santuários no mundo? Por que tanto carinho e devoção a Maria? Na verdade, a partir do momento em que Maria perdeu Jesus, ela adotou, como Mãe, a Igreja nascente do sangue de seu Filho , tornando-se ela a escolhida e primeira fiel. Isso significa que, onde quer que exista uma comunidade de fé, como a primeira comunidade dos Apóstolos, Maria está lá, encontra ali a sua morada e uma família onde viver. Isso explica também porque Maria nunca nos deixou sozinhos. Suas aparições, como em Fátima, Lourdes e muitas outras, seus Santuários como Częstochowa, este de Zakopane e muitos outros espalhados pelos vários continentes, testemunham sua presença viva em meio a nós".

Foi o que ressaltou o prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, cardeal Fernando Filoni, ao celebrar a festa da Assunção da Bem-Aventurada Virgem Maria no último dia 15 de agosto, no Santuário Nacional de Nossa Senhora de Fátima em Zakopane, cidade de 28 mil habitantes localizada no sul da Polônia, na região conhecida como "Pequena Polônia".

Na escola de Maria, Wojtyla moldou seu caráter

 

Como recordou o purpurado,  Karol Wojtyla costumava ir a Zakopane quando pequeno, e mais tarde como sacerdote, muitas vezes acompanhando estudantes. Mais tarde peregrinou ao Santuário várias vezes como Pontífice.

O Santuário Mariano foi construído como um agradecimento pela vida do Papa João Paulo II ter sido salva, após o atentado em 13 de maio de 1981.

O prefeito da Congregação da "Propaganda Fide" afirmou em sua homilia que ali onde foi construída uma casa para Maria, “toda a Polônia cristã estava espiritualmente unida aos sacerdotes e bispos em Jasna Góra, em Czestochowa, onde Maria foi coroada rainha da Polônia. No afeto e devoção a Maria, gerações de poloneses foram formadas e mantiveram viva a fé mesmo em tempos sombrios. Na escola de Maria, Karol Wojtyla, filho desta nação, moldou o seu caráter e consagrou-se totalmente a ela, Totus tuus, a Cristo e à Igreja ".

Na homilia da celebração da Assunção, o cardeal prosseguiu afirmando que  "a Igreja não se esquece de Maria, recordando-a e celebrando-a liturgicamente durante todo o ano litúrgico. (...) . Maria tornou-se a primogênita de uma nova criação, aquela salva por Jesus".

"Nós, como comunidade Cristã, isto é, como uma comunidade redimida por Cristo, hoje estamos felizes por estar aqui reunidos e quase abraçados e beijados por ela e poder dizer: Maria, minha Mãe, eu te quero bem! Eu te amo! Se eu fechar os olhos por um momento, faz-me sentir o seu perfume de mulher e mãe. Segura-me com força como seguravas Jesus, fala comigo como falavas com ele, olha para mim com a mesma ternura".

Santuário consagrado por São João Paulo II em 1997

 

O santuário mariano em Zakopane foi construído entre 1987-1992 e a igreja consagrada pelo próprio João Paulo II em 7 de junho de 1997, durante sua sexta peregrinação à sua terra natal.

O Santuário foi construído junto a uma capela onde, desde os anos 50 Nossa Senhora era venerada e onde em 1961 foi colocada a imagem de Nossa Senhora de Fátima, doada pelo bispo de Fátima ao cardeal Stefan Wyszyński, que por sua vez doou-a aos Padres Palotinos, custódios da capela.

Foi o bispo de Cracóvia da época, Karol Wojtyla, quem consagrou a imagem e a capela. No chamado "Parque Fátima", adjacente ao Santuário, há também dois monumentos em homenagem a São João Paulo II e o altar em que o Papa Wojtyla celebrou a Missa em Zakopane, em 6 de junho de 1997. (Agência Fides)

19 agosto 2019, 08:12