Cerca

Vatican News
O Departamento Filatélico do Vaticano criou um Bloco Comemorativo em miniatura com quatro selos de 1,15 euros, representando São Jerônimo, cuja pintura está preservada na Pinacoteca dos Museus do Vaticano O Departamento Filatélico do Vaticano criou um Bloco Comemorativo em miniatura com quatro selos de 1,15 euros, representando São Jerônimo, cuja pintura está preservada na Pinacoteca dos Museus do Vaticano 

Emissão filatélica recorda 500 anos da morte de Leonardo da Vinci

O Departamento Filatélico do Vaticano comemora, com duas novas emissões, o quinto centenário da morte de Leonardo da Vinci e a criação do Núcleo dos Carabinieri de Proteção ao Patrimônio Cultural.

Alessandro Di Bussolo - Cidade do Vaticano

A atenção dos colecionadores e apaixonados pela filatelia volta-se novamente ao Vaticano nestes dias. Isso, porque Departamento Filatélico da cidade do Papa fez duas novas emissões na segunda-feira, 29 de abril, para celebrar dois aniversários: o quinto centenário da morte de Leonardo da Vinci e os 50 anos de vida do Núcleo para a proteção do patrimônio cultural dos Carabinieri.

Leonardo morreu na França, em 2 de maio de 1519

 

O primeiro aniversário é recordado em 2 de maio, data em que, em 1519, falecia em Amboise, na França, o gênio indiscutível do Renascimento italiano, nascido em Anchiano, povoado no município de Vinci, a 40 km de Florença, em 15 de abril de 1452.

Homem genial e de talento universal, Leonardo encarnou em plenitude o espírito de sua época, levando-o às mais elevadas formas de expressão nos mais diversos campos da arte e do conhecimento. Ele foi  arquiteto e escultor, um admirável pintor e escritor, cenógrafo, anatomista, músico, designer e inventor.

No Bloco Comemorativo, São Jerônimo e o retrato de Rafael

 

Para a ocasião, o Departamento Filatélico do Vaticano criou um Bloco em miniatura com quatro valores de 1,15 euros, representando São Jerônimo, cuja pintura está preservada na Pinacoteca dos Museus do Vaticano.

Neste trabalho, que até 22 de junho estará em exibição no “Braccio di Carlo Magno” – lado esquerdo das Colunatas de Bernini, na Praça São Pedro -  Leonardo pinta o Santo enquanto bate no peito com uma pedra.

"A expressão do rosto - lemos no folder dedicada aos colecionadores - onde é visível o sofrimento, mas ao mesmo tempo perceptível o estado de êxtase, faz pensar a um eremita dedicado às privações de carne, usadas como meio para atingir o êxtase místico".

No lado esquerdo Bloco, que mede 136 x 116 milímetros, com impressão de 50 mil exemplares, encontramos Platão retratado como Leonardo, um detalhe da "Escola de Atenas", de Rafael Sanzio, também encontrada nos Museus Vaticanos.

Os 50 anos do Núcleo para a Proteção do Patrimônio Artístico

 

A segunda emissão é em conjunto com a Itália e a Soberana Ordem Militar Soberana de Malta, e celebra o 50º aniversário da instituição do Comando dos Carabinieri para a Proteção do Patrimônio Cultural, que cai 3 de maio. O setor, fortemente desejado pelo então chefe do Estado-Maior da Arma dos Carabinieri, general Arnaldo Ferrara - informa o folder do escritório filatélico - "prevê a segurança do patrimônio cultural, na recuperação do patrimônio cultural e do material científico e didático inerente aos próprios bens”.

Bloco Comemorativo com obras recuperadas, mas também "a Natividade"

 

O Bloco Comemorativo, com dimensões de 207 x 137 milímetros, tem um preço de 5,40 euros e terá impressão de 80 mil exemplares. Ele reproduz alguns dos muitos trabalhos roubados e recuperados graças à intervenção do Núcleo para a Proteção do Patrimônio artístico: a Sagrada Família de Mantegna (no valor de 5,40 euros), "La muta" de Rafael Sanzio, precioso código iluminado, "O Jardineiro" de Van Gogh, uma máscara romana de marfim e a fachada do Palazzo Sant'Ignazio, sede do comando , nas cinco cartas fechadas. Tudo inserido pela artista Maria Carmela Perrini, tendo ao fundo a "Natividade" de Caravaggio, roubada em 1969 em Palermo, poucos meses após o nascimento da Unidade de Proteção, e nunca mais recuperada.

O primeiro organismo policial do mundo para proteger a arte

 

O Núcleo foi criado junto ao Ministério da Pública Instrução, com o objetivo de enfrentar, com ferramentas eficazes e intervenções direcionadas, o alarmante fenômeno de empobrecimento por roubos do maior museu ao mundo: a Itália. Como sede sede, foi escolhido o prédio histórico projetado pelo arquiteto Filippo Raguzzini, na Piazza Sant'Ignazio.

A Itália foi a primeira nação do mundo a ter uma organização policial especializada neste setor específico, antecipando a recomendação da Conferência Geral da Unesco, Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura, que indicou aos Estados membros a oportunidade de adotar medidas para impedir a aquisição de bens ilicitamente exportados e favorecer a recuperação daqueles roubados, e a criação de serviços dedicados de serviços dedicados a este fim.

30 abril 2019, 14:09