Cerca

Vatican News
Família e meio ambiente Família e meio ambiente  (AFP or licensors)

Santa Sé na ONU: a conversão ecológica é fundamental para o desenvolvimento

Em uma declaração à ONU em Nova York, o arcebispo Bernardito Auza evidencia o quanto a transmissão da vida, família e o desenvolvimento da sociedade, assim como a conversão ecológica, exortada pelo Papa Francisco, sejam temas a serem colocados no centro das ações para construir um mundo de “autêntica igualdade, fraternidade e paz”

Cidade do Vaticano

A transmissão da vida, a família e o desenvolvimento material e moral da sociedade são temas que devem ter uma “consideração muito séria” na ótica da construção de um mundo de “autêntica igualdade, fraternidade e paz”. São palavras do arcebispo Bernardito Auza, observador permanente da Santa Sé na ONU, por ocasião da 52ª sessão da Comissão para a População e o Desenvolvimento, dedicada à revisão da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

Ouça e compartilhe

A conferência do Cairo

Recordando o 25º aniversário da Conferência Internacional sobre população e desenvolvimento realizada no Cairo em 1994, o núncio evidencia o quanto, na perspectiva de um desenvolvimento integral, aquele encontro foi um “importante marco histórico” na compreensão mundial das relações entre população e desenvolvimento, considerando pela “primeira vez” a estreita ligação de ambas.

A família “baseada no casamento” foi reconhecida como célula “fundamental” da sociedade, com direito a apoio e proteção. Também foi dado um forte impulso ao “melhoramento” do status das mulheres em todo o mundo, particularmente com relação à sua saúde e a à sua “plena e equivalente” participação no desenvolvimento. Ainda na ótica do desenvolvimento, foi enquadrado o fenômeno “em expansão” da migração.

Depois de falar sobre a importância de sustentar a família, célula fundamental da sociedade, com recursos adequados e políticas sociais, assim como da questão migratória que necessita de políticas eficazes por parte dos governos, dom Auza sublinhou que estas questões requerem atenção especial.

Conversão ecológica

“Tudo isso”, observa o núncio, “há também implicações ecológicas”. Enquanto o crescimento demográfico é muitas vezes acusado de causar problemas ambientais, a questão – evidencia – é “muito mais complexa”. Consumo desenfreado, desigualdades cada vez maiores, exploração insustentável dos recursos naturais que colocam o meio ambiente a risco. Os dados dos últimos anos apontam grandes desigualdades nos consumos. A nível global, as pessoas que possuem 20% da renda mais alta do mundo representam 86% do consumo total, enquanto que as mais pobres que são 20% representam apenas 1,3% do consumo. Diante dessa situação, o Papa Francisco – afirma Dom Auza recordando a Encíclica Laudato si’ – convida todos a uma “conversão ecológica”, através de um estilo de vida mais modesto e um consumo responsável, para uma maior consciência da destinação universal dos recursos do mundo. Portanto a Santa Sé chama todos a um compromisso na elaboração de estratégias no interesse das gerações presentes e futuras.

05 abril 2019, 10:57