Cerca

Vatican News
Encontro sobre a "Proteção dos menores na Igreja" Encontro sobre a "Proteção dos menores na Igreja"  (Vatican Media)

Cardeal Tagle: falta de respostas da nossa parte dilacerou o nosso povo

"Devemos assumir o compromisso de fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para garantir a segurança das crianças em nossas comunidades", disse o cardeal Tagle em seu discurso.

Mariangela Jaguraba - Cidade do Vaticano

Teve início na manhã desta quinta-feira (21/02), na Sala Nova do Sínodo, no Vaticano, o encontro com os presidentes das Conferências Episcopais sobre a “Proteção dos menores na Igreja”.

Ouça e compartilhe

O Papa Francisco dirigiu algumas palavras na abertura do evento. A seguir, tomou a palavra o arcebispo de Manila, Filipinas, cardeal Luis Antonio G. Tagle, que fez um discurso intitulado “O cheiro das ovelhas: conhecer a sua dor e curar suas feridas, eis a tarefa do pastor”.

“O abuso de menores cometido por sacerdotes causou feridas não apenas às vítimas, mas também às suas famílias, ao clero, à Igreja, à sociedade no sentido mais amplo, aos próprios abusadores e bispos. Também é verdade, e admitimos humildemente e com grande tristeza, que essas feridas foram infligidas por nós bispos às vítimas e, portanto, a todo o Corpo de Cristo”, frisou o purpurado.

Feridas precisam ser curadas

“A falta de respostas da nossa parte ao sofrimento das vítimas, até o ponto de rejeitá-las e cobrir o escândalo a fim de proteger os abusadores e a instituição, dilacerou o nosso povo, deixando uma profunda ferida em nossa relação com aqueles aos quais fomos enviados para servir.”

“As pessoas justamente se perguntam: ‘Não é verdade que vocês, que deveriam ter o cheiro das ovelhas, fugiram quando se encontraram diante do fedor da sujeira jogada sobre crianças e pessoas vulneráveis, ao invés de protegê-las?’ As feridas precisam ser curadas. Mas em que consiste a cura? Como nós bispos, que fomos partícipes da ferida, podemos promover, hoje, uma cura nesse contexto específico?”

Segundo o cardeal Tagle, “a fé que gostaria de fechar os olhos diante do sofrimento das pessoas é apenas uma ilusão. A fé nasce e renasce somente das feridas do Senhor crucificado e ressuscitado, visto e tocado nas feridas da humanidade. Somente uma fé ferida é crível”. “Como podemos professar a fé em Cristo se fechamos os olhos a todas as feridas infligidas por abusos”, perguntou ainda o cardeal Tagle.

Testemunho autêntico e crível de nossa fé na ressurreição

“Irmãos e irmãs, isso é que está em jogo neste momento de crise, criado pelo abuso de menores e pela nossa má gestão desse crime. O nosso povo precisa que nos aproximemos de suas feridas, que reconheçamos os nossos pecados se quisermos dar um testemunho autêntico e crível de nossa fé na ressurreição. Isso significa que cada um de nós, bem como nossos irmãos e irmãs que estão em casa, devemos pessoalmente assumir a responsabilidade de curar esta ferida infligida no Corpo de Cristo, devemos assumir o compromisso de fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para garantir a segurança das crianças em nossas comunidades.”

As feridas de Jesus no momento da crucificação recordam “que as feridas são muitas vezes infligidas pela cegueira que vem da ambição e do legalismo e do uso indevido do poder que condenaram uma pessoa inocente a morrer como um criminoso. As feridas do Cristo ressuscitado lembram o sofrimento inocente, mas também a nossa fraqueza e a nossa imoralidade”.

“Se queremos ser portadores de cura, devemos rejeitar toda tendência que pertença a um pensamento mundano que se recusa a ver e a tocar as feridas dos outros, aquelas feridas que são as feridas de Cristo nas pessoas feridas. As pessoas feridas por abuso e pelo escândalo precisam que nós sejamos, agora, firmes na fé. O mundo precisa de testemunhas autênticas da ressurreição de Cristo que se aproximem de suas feridas como primeiro ato de fé”, frisou ainda o cardeal filipino.

Caminhar com as pessoas feridas por abuso

“Nós, Igreja, devemos continuar caminhando com as pessoas profundamente feridas por abuso, construindo confiança, oferecendo amor incondicional e pedindo repetidamente perdão, conscientes do fato de que, na realidade, o perdão não nos pertence, mas que só podemos recebê-lo se nos for dado como um dom e uma graça no processo de cura”.

O purpurado manifestou preocupação pelo fato de que “em alguns casos os bispos e superiores religiosos são tentados, às vezes até sob pressão, a escolher entre vítima e abusador. A quem ajudar? A reflexão sobre a justiça e o perdão nos leva à resposta: os dois. Quanto às vítimas, devemos ajudá-las a manifestar suas feridas profundas e curá-las. Quanto aos abusadores, é necessário aplicar a justiça, ajudá-los a encarar a verdade sem racionalização e, ao mesmo tempo, não negligenciar seu mundo interior”.

21 fevereiro 2019, 12:12