Cerca

Vatican News
Padre Alexandre Mello destaca dedicação da Arquidiocese do Panamá na organização desta JMJ Padre Alexandre Mello destaca dedicação da Arquidiocese do Panamá na organização desta JMJ  (AFP or licensors)

Igreja e Governo português acolheram com amor a Jornada, diz Pe. Alexandre

O Secretário do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida falou sobre a Jornada apenas concluída no Panamá e a próxima a ser realizada em Portugal.

Jackson Erpen – Cidade do Vaticano

“Uma dedicação incrível. Eles colocaram alma, vida e coração” na realização desta Jornada Mundial da Juventude. Esta é a avaliação ao Vatican News do Secretário do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida, Padre Alexandre Awi Mello, ao comentar o trabalho da Arquidiocese do Panamá na organização da JMJ concluída este domingo. O trabalho do dicastério é mais orientar e acompanhar, sofrer e se alegrar com a cidade sede, disse o sacerdote.

Ademais, o apoio do Presidente da República ao evento, numa verdadeira aliança entre a Igreja local e as forças governamentais – o que favorece a todos - também foi destacado pelo sacerdote, que explicou como é escolhida a sede de uma Jornada. E falou sobre a Jornada em Portugal:

Padre Alexandre Awi Mello

Na verdade, com muita humildade, devemos dizer que o grande trabalho foi feito pela Arquidiocese do Panamá, com uma dedicação incrível, colocaram alma, vida, coração na realização desta Jornada. O nosso trabalho é de orientar, de estar junto, de acompanhar, de tirar dúvida, de transmitir a experiência das Jornadas. É realmente subsidiário! E naquilo que a gente pode a gente está a serviço. Temos o trabalho de avaliação para fazer. Temos que transmitir esta experiência agora para a próxima Jornada. Então, de todas as maneiras, a gente se alegra e sofre com a cidade sede. E agora podemos também estar tranquilos e felizes pelos resultados desta Jornada.

Um dos fatos destacados na coletiva de imprensa foi o forte apoio governamental que teve esta Jornada no Panamá....

Sem dúvida, o presidente da República, desde o início, manifestou o seu apoio e foi muito generoso também na forma com que pode no concreto no dia-a-dia da Jornada continuar apoiando, então temos que agradecer, um país com as dimensões do Panamá, era importante que houvesse realmente uma  bela aliança entre a Igreja local e as forças governamentais. Acho que se deu de uma maneira que também que favorece a todos. Na verdade é sempre uma vantagem para os dois lados. Acredito que um evento como este traz muitos benefícios também para o país. Mas eu sei que o presidente o fez de maneira generosa e não só pensando nestes benefícios, mas a partir de sua experiência de fé, visto que ele também foi peregrino em outras Jornadas, e é uma pessoa de fé.

Como é escolhida a cidade sede...

Simplesmente as cidades que se apresentam nós apresentamos ao Papa, visitamos, conhecemos um pouco a realidade, e depois apresentamos ao Papa as candidaturas. E ele toma a decisão por critério próprio. E por isso, na verdade, quando me perguntam por que Portugal, tem que perguntar ao Papa. Mas acho que é uma inspiração, que vem de seu coração, e de alguma maneira Deus também atua através desta escolha que o Papa faz.

Concluída a Jornada no Panamá, agora a Jornada em Portugal, que deverá favorecer a ida de muitos brasileiros....

Eu espero que sim. Sem dúvida uma Jornada na Europa sempre tem uma afluência maior, tem mais conexões, tem mais facilidades de voo, e uma tradição também muito grande de Jornadas na Europa. Então agora começa um caminho, que ainda tem vários anos pela frente, muita coisa para ser definida, mas a alegria de saber que também, a Igreja e o Governo português, acolheram com muito amor e com muita firmeza esta Jornada, e esperamos que este caminho seja feito também com um grande espírito de comunhão com o Dicastério, como foi feito o caminho até o Panamá.

 

 

 

27 janeiro 2019, 23:26