Cerca

Vatican News
JMJ - Coletiva de imprensa JMJ - Coletiva de imprensa 

No Panamá, a coletiva de imprensa antes da Vigília desta noite

Foram os jovens, neste sábado, os protagonistas do encontro com os jornalistas: depois de compartilhar o almoço com Francisco, falaram sobre o diálogo que tiveram com ele. Também a Venezuela foi tema da coletiva.

Cidade do Vaticano

Mais uma coletiva de imprensa com os jornalistas no Panamá para repercorrer o dia de hoje e responder perguntas. O encontro marcado para às 14 horas locais, começou com cerca de dez minutos de atraso devido ao tráfego da capital panamenha, particularmente intenso nestes dias da JMJ. Ao lado do diretor "interino" da Sala de Imprensa do Vaticano, Alessandro Gisotti, sete dos dez jovens de diferentes nacionalidades, que hoje almoçaram com o Papa Francisco e conversaram com ele.

O encontro do Papa com os seminaristas

No centro da coletiva de imprensa, o almoço dos jovens com Francisco, um momento importante, mas Gisotti enfatizou outro: "Creio que foram importantes também a visita breve, mas muito intensa, do Santo Padre à capela do seminário e o encontro com os seminaristas, durante o qual ele enfatizou a importância para eles, para esses jovens que estão se preparando para a missão de servir a Deus, de permanecerem firmes. O Papa dirigiu palavras de encorajamento para que estejam sempre a serviço de Deus e do povo de Deus".

Grande preocupação pela Venezuela

Um jornalista perguntou se o Papa está seguindo a situação na Venezuela. "Certamente, no coração de Francisco - respondeu Gisotti -, o pensamento e a oração pelo povo da Venezuela são constantes. Muitos jovens vieram ao Panamá da Venezuela e aqui existem muitos imigrantes venezuelanos, são uma das maiores comunidades neste país. Do papamóvel - acrescentou o diretor -, Francisco vê os jovens e às vezes se detém para saudá-los, como fez, por exemplo, com um grupo de peregrinos franceses; portanto, podemos ter certeza de que o Papa tem consciência dessa presença dos jovens". Gisotti reiterou ainda a grande preocupação do Papa pela situação na Venezuela e recordou que um dos casais que ontem leu os textos de uma das Estações da Via Sacra, era venezuelano. E se podia ver claramente a bandeira e a palavra Venezuela. "Este é o sinal mais forte - disse ainda –, de que a Venezuela esteve presente nas Estações da Via Sacra, como é significativo também que em cada estação havia uma referência a um país diferente, porque cada um carrega um sofrimento.

Violência contra mulheres e o bullying

Alessandro Gisotti sublinhou então a concretude dos temas que foram apresentados pelos jovens na Via Sacra, como o feminicídio e a violência contra as mulheres, problemas que estão muito presentes no Continente americano, mas não só. Ou do bullying. Há uma grande preocupação por parte do Papa - disse -, por esse fenômeno totalmente oposto ao valor da amizade. Francisco ficou muito feliz com a iniciativa da jovem que ontem cantou uma canção composta por ela na qual denuncia esse mal.

26 janeiro 2019, 21:59