Cerca

Vatican News
Secretário de Estado vaticano, cardeal Pietro Parolin Secretário de Estado vaticano, cardeal Pietro Parolin 

Cardeal Parolin aos operários vaticanos: a fé é um encontro

Todo o Evangelho nada mais é que uma série de encontros de Jesus com aqueles que cruzam seus caminhos. Mas o Senhor continua hoje encontrando os homens, porque ressuscitou e vive e caminha ao lado deles, e com os sentidos do coração é possível colher a sua presença, observou o purpurado.

Cidade do Vaticano

A vida do cristão deve tornar-se um dedo apontado para Jesus, ou seja, um testemunho claro que indique aos outros onde se encontram a salvação e o verdadeiro amor. Foi o que disse o secretário de Estado vaticano, cardeal Pietro Parolin, celebrando esta sexta-feira (04/01), num galpão da zona industrial vaticana, a missa com os operários dos serviços técnicos, por ocasião da primeira sexta-feira do mês.

Ouça a reportagem

Centro da fé cristã é o encontro com Jesus

Partindo do trecho do Evangelho segundo São João (1, 35-42) que fala do encontro do Batista com Jesus “o cordeiro de Deus”, o purpurado repropôs uma frase de Bento XVI: “O cristianismo antecedentemente a uma moral ou uma ética, é um evento de amor, é acolher a pessoa de Jesus”. Daí, a reafirmação de que o centro da fé cristã não é um conjunto de pensamentos, nem uma moral, mas um encontro.

Com efeito, todo o Evangelho nada mais é que uma série de encontros de Jesus com aqueles que cruzam seus caminhos. Mas o Senhor continua hoje encontrando os homens, porque ressuscitou e vive e caminha ao lado deles, e com os sentidos do coração é possível colher a sua presença, observou o secretário de Estado.

O celebrante exortou os presentes a pensar quando se deu para cada um o primeiro encontro com Jesus: com a constatação de que muitas vezes essa experiência se verifica no ambiente familiar.

Toda a Igreja deve apontar sempre para Jesus

O purpurado reevocou também as palavras do Papa Francisco sobre a conversão do apóstolo Paulo no caminho de Jerusalém para Damasco: sua transformação não foi uma mudança moral, mas uma experiência transformadora que o levou a uma nova missão.

Retornando ao trecho evangélico proposto pela liturgia, o cardeal Parolin identificou algumas características do encontro entre João Batista e Jesus: o precursor é verdadeiramente um dedo apontado para Cristo. Então a pergunta deveria ser: quem é hoje que indica Jesus, a não ser a própria Igreja? Todas as estruturas, os aparatos e a organização, também dentro do Vaticano, têm a finalidade de ser um dedo apontado para Jesus.

E a Igreja, em suas múltiplas realidades, por vezes inclusive contraditórias, deve ser sempre e em todo caso um dedo apontado para o Senhor, para não correr o risco de colocar a si mesma no centro esquecendo sua verdadeira missão.

Do Evangelho se deduz que o encontro nasce de uma necessidade presente em cada pessoa. Nota-se uma espécie de expectativa. Essa experiência nasce de uma pobreza que o homem carrega consigo e que é essencialmente pobreza de amor, afirmou o purpurado.

Ser testemunhas de Cristo em todos os ambientes

Ademais, as pessoas podem decepcionar, mas Jesus com seu amor jamais decepciona. Ele conhece as profundas expectativas do coração humano. Nasce daí o encontro no qual cada um coloca nas mãos do Senhor a própria pobreza e a necessidade de amor. Somente sentindo-se amado o homem é capaz de tornar-se testemunha, ou seja, indicar Jesus aos outros, ajudando-os a fazer a mesma experiência.

O cardeal concluiu convidando todos a ser testemunhas de Cristo no ambiente familiar, entre os amigos, no lugar de trabalho, onde quer que seja, a fim de que também outros possam tornar-se, por sua vez, testemunhas de seu amor.

Concelebrantes

A missa foi concelebrada por Mons. Robert Murphy, da Secretaria de Estado; pelo diretor dos Serviços técnicos do Governatorato, Pe. Rafael García de la Serrana Villalobos; e pelo pároco de Sant’Ana no Vaticano, o agostiniano Pe. Bruno Silvestrini, o qual ao término do rito agradeceu ao purpurado, recordando que pouco a pouco no ambiente de trabalho da zona industrial vaticana se está consolidando a amizade que torna toda a comunidade uma verdadeira família.

(L’Osservatore Romano)

04 janeiro 2019, 18:06